terça-feira, 9 de outubro de 2012

Sobre veemência e ternura

Já me referi neste blog sobre o livro José e Pilar, de Miguel Gonçalves Mendes. Pois bem, vamos a mais considerações. O autor propõe para José, a seguinte questão:
 "A propósito da veemência (ou postura defensiva) da Pilar, eu lembro-me de que estávamos em Lisboa quando ela escreveu aquele texto para o programa da Bárbara Guimarães e o José disse-lhe: 'Oh, Pilar, eu não percebo por que é que tu tens tanta necessidade de espingardar em todas as direções'. E eu gostava que o José comentasse um bocadinho esse lado espingardeiro, não sei se se pode dizer assim, da Pilar".
Vamos a resposta do José. Este José é pura e simplesmente o José Saramago:
"A Pilar tem uma consciência muito clara sobre o mundo em que vive. E a Pilar, como eu dizia antes, a Pilar não é nada acomodatícia e a injustiça, a indignidade, a falta de escrúpulos, a hipocrisia põem-na completamente fora de si. E se ela, como você diz, 'espingardeia em todas as direções', é porque em primeiro lugar há motivo, e em segundo porque, embora ela esteja consciente de que não pode mudar o mundo, há uma coisa que aprendeu e que no fundo tem uma relação, creio, com santa Teresa de Jesus (ela foi teresiana, monja teresiana) e que se traduz numa frase que é: ver, ouvir e não calar. Se alguma coisa pode definir a Pilar no seu temperamento, no seu caráter, é isso: ver ouvir e não calar. ver para saber o que se passa, ouvir para estar consciente do que se diz e não calar, porque é preciso. Melhor que exagere do que ser uma pessoa apática, indiferente, egoísta". MENDES, Miguel Gonçalves. José e Pilar - Conversas Inéditas. São Paulo: Companhia das Letras. 2012. Págs. 83-4.
Bem, a que propósito trago este texto. O blog do Tarso (Tarso Cabral Violin). Este blog foi multado pela justiça eleitoral em 106.000,00 reais, pela publicação de uma enquete feita pela seu blog sobre as eleições  - Curitiba 2012. Seria esta enquete então uma pesquisa e a sua publicação seria uma ilegalidade. Para entender a questão, sugiro ver o próprio blog. O blog do Tarso é muito visitado. Recentemente eu vi que ele comemorava 600 mil acessos, mas ontem vi que esses acessos já ultrapassaram a 1,2 milhões. O blog tem pretensões. Vejam os seus motes. Se lê por exemplo: Controle popular da administração pública, política e direito e, a adaptação da famosa frase do Chê: Ácido - mas sem perder a ternura jamais.
Quando eu falei para um dos meus filhos que eu iria abrir este blog, ele me advertiu no sentido de que eu tomasse muito cuidado com as questões judiciais que ele poderia provocar. Ele trabalha no tribunal de justiça e disse que os casos de condenações eram bastante frequentes, inclusive por aqueles comentários que seguem, manifestando-se sobre o escrito. Longe estou eu a querer questionar decisões judiciais e, creio que esta fala do Saramago sobre a Pilar de que ela é muito veemente e que foi influenciada por santa Tereza de Jesus (é a santa espanhola, Teresa de Ávila, que já me provocou muitas curiosidades, por falas do frei Betto em seus livros, pela existência de um polêmico filme sobre ela, que ainda não foi visto no Brasil. - Comprei inclusive o seu livro - Livro da vida -, que por ser prefaciado pelo frei Betto e editado pela Penguin & Companhia das Letras, também me serviu de referência), no seu lema: ver, ouvir e não calar também pode ser aplicado ao Tarso, que usa de seu blog para aplicar essa máxima: "Ver o que se passa, ouvir para estar consciente do que se diz e não calar, porque é preciso".
Falei para o meu filho que ele não precisaria ter medo, pois eu seria bem moderado e que teria muito cuidado com a maneira de dizer as coisas. Que eu me limitaria a fazer comentários e considerações, procurando o máximo possível evitar nomes e fatos do cotidiano específico. Comentaria situações sempre  nas suas questões teóricas. Já fui mais veemente do que sou hoje. Lidar com o ser humano e ainda mais, em suas relações de poder, a história nos comprova que isso não é algo simples e que provoca desilusões e desesperos.
A existência dos blogs e a relativa facilidade em abri-los - mantê-los é mais difícil - especialmente porque escrever é muito difícil -, evidentemente ajudou em muito na democratização da opinião pública. Um dos mais importantes pensamentos de Marx sobre a questão da formação da consciência é a de que, quem domina a base material da sociedade também domina o modo de pensar desta sociedade, pode até receber um pequeno questionamento por essa questão da mutiplicação dos meios de se obter informação, o grande meio para se chegar a formação.
Em suma, sem entrar em méritos sobre a questão judicial em torno do caso, quero dizer apenas, que existem pessoas mais veementes e outras mais moderadas. O mundo nos dá - especialmente este mundo do poder econômico/financeiro -  motivos de sobra para sermos efetivamente veementes,mass com os devidos cuidados, obviamente.