segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Bacurau. Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles.

Ver um filme com a assinatura de Kleber Mendonça Filho é hoje uma obrigação para todos aqueles que, mesmo minimante, acompanham o cinema. Ele não decepciona nunca, pelo contrário, a cada novo filme ele se supera. Isso não foi diferente com o seu novo filme, Bacurau, uma espécie de western no sertão nordestino, um nordestern, como já foi chamado. Gosto dos filmes de autoria, quando a mesma pessoa é responsável, tanto pelo roteiro, quanto pela direção. No caso os mesmos. Kleber Mendonça e Juliano Dornelles.
O cartaz promocional de Bacurau.

Quando vou ao cinema não busco muita informação antes de ir. Apenas o mínimo necessário para me situar, para ter uma pequena contextualização em torno. Não procuro me contaminar com a crítica. Isso eu faço depois. Assim também foi dessa vez. O encontro que você tem, com a tua percepção, sempre é muito bom. A primeira vez que olhei o relógio, já tinha passado mais de uma hora do filme. Isso mostra o seu ritmo. Ele prende a tua atenção até a última cena.

Por falar em cena, ou cenário, uma linda paisagem do sertão nordestino. Bacurau é a resistência à barbárie fascista, construída por uma longa história de patrimonialismo, de ódios que lhe são movidos pelos olhares do sul e sudeste desenvolvidos, agravados a partir do golpe e da eleição do presidente mais desqualificado de nossa história. Li que o filme começou a ser gestado há mais tempo, a partir do ano de 2009. O prefeito da cidade é uma figura muito simbólica. Representa bem a classe política, inimiga e traidora do povo.

Bacurau é uma Canudos sem Antônio Conselheiro. Um povo sofrido, mas sem um líder carismático, sem as vestimentas do nosso tão peculiar misticismo. Bacurau é um povo sofrido, todos em sua forma particular de sofrimentos, que encontram defesa apenas na sua união e solidariedade. Sim, é isto mesmo, estes sentimentos ainda existem, nem que seja apenas sob a forma de resistência, de defesa e, também de ataque.

Bacurau são os descendentes de Carmelita. São o professor, a médica (Domingas - Sônia Braga), o cangaceiro, a prostituta e o michê, o poeta, o caminhoneiro que traz a água e povo sedento e faminto. Tiros lhes roubam a água e a cobiça a terra.  Bacurau é invadida. Figuras bem conhecidas. A conduta, os drones, as armas e até mesmo as suas fisionomias. São os estadosunidenses, um deles, o chefe, com passado alemão. Eles não trazem abraços e muito menos solidariedade. Trazem a marca da traição, até entre os membros do próprio grupo. Trazem a marca do capital e da acumulação. Trazem uma velha forma de apropriação, marcada pela invasão. 

Tarantino entra em cena. Muitos tiros, muita violência, muita morte e cabeças decapitadas. A população solidária de Bacurau vence os invasores. Depois de tudo, o prefeito aparece para dizer que nada tinha a ver com tudo aquilo. Para ele também não mais existia espaço. Como o Kleber Mendonça Filho, em entrevista à TV Trip, falou que não é para ver o filme com olhos cartesianos, e que era para, em nossa mente, construir filmes paralelos, eu me permiti ver, na figura do prefeito, um bozo vendendo a nossa terra, mesmo sob as roupagens de um falso nacionalismo.

Enfim, Bacurau é uma metáfora da realidade brasileira, da realidade nordestina, acometida de uma revolução simbólica, para a qual já temos as bandeiras, talvez não as armas. O filme ganhou o Prêmio do júri no Festival de Cinema de Cannes.

Enquanto deixo o post descansando para fazer a revisão final, recebo esta mensagem de um grande amigo pernambucano, torcedor do Sport. Ela veio nestes termos, depois de uma proposta para discutir o filme no Gilda bar e restaurante: "Pedro Elói. Não adianta deixarmos vocês  do centro-sul (sou gaúcho radicado no Paraná), tocarem o país. A despeito de almas (o meu amigo é um bom cristão) bem intencionadas como a tua, o desastre sempre é inevitável.

O que Bacurau também faz o Nordeste nos dizer é: puta que pariu, vamos ter que salvar o país de novo. Fazemos isso desde 1654, porra, mas esse povo não aprende. Uma hora cansa".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.