segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

Caderno de memórias coloniais. Isabela Figueiredo. Vestibular 2022. UFRGS.

Uma das fontes para as minhas leituras. Procuro sempre ver o que está sendo solicitado nos vestibulares pelo Brasil afora. Creio que esta seja uma bela forma de me manter relativamente bem atualizado. Foi dessa maneira que entrei em contato com essa pequena maravilha - Caderno de memórias coloniais, de Isabela Figueiredo. Isabela nasceu em Lourenço Marques (Maputo), Moçambique, em 1963 e veio para Portugal em 1975, o ano da independência daquele país. Ela sentiu em seu corpo, em seu corpo, repito, as memórias coloniais.

Caderno de memórias coloniais. Isabela Figueiredo. Todavia. 2018.

Seu pai saíra de Portugal na década de 1950, quando o país estava sob o domínio da ditadura salazarista. Poucas oportunidades havia na metrópole. Uma fuga para as colônias poderia representar uma solução para a vida. Foi o que fez o pai de Isabela. Ele era eletricista. Sob pesado jugo sobre os negros construiu uma vida, que do ponto de vista econômico, diríamos próspera. A situação se altera com as mudanças trazidas pelo 25 de abril de 1974. A Revolução dos Cravos em Portugal. Isso significaria uma mudança com relação às suas colônias na África. Moçambique proclama a sua independência em 25 de julho de 1975. Ela foi precedida de muitas lutas, que começaram, já nos idos de 1964.

A exemplo do ocorrido em Angola, também em Moçambique, após a independência se instaurou o clima da Guerra Fria. O bloco de países socialistas apoiava as forças da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), comandadas por Samora Machel, enquanto os países capitalistas, capitaneados pela Rodésia e pela África do Sul, apoiavam a RENAMO (Resistência Nacional de Moçambique). A paz veio somente em 1992, depois de 17 anos de Guerra Civil. Esses são alguns dados de contextualização histórica para a melhor compreensão deste livro, que, como lemos na contracapa "é um grito".

O teor da obra, é então, fácil de imaginar, a realidade vivida em Moçambique antes e depois do domínio colonial português. A ênfase maior está no período colonial. Colonialismo, racismo e patriarcalismo são assim, os grandes temas do livro, descritos por quem os viveu e nunca se conformou com tal situação. Em meio a todo esse contexto político Isabela também crescia. Passou da infância para a adolescência, num mundo cheio de proibições. O livro consta as memórias vividas e, acima de tudo, sofridas por Isabela. A relação com o pai personifica o que foi a dureza do colonialismo português na África. Ao mesmo tempo, mantinha com o pai, uma bela relação de afetos e sentimentos e de autoridade patriarcal.

O livro também representa uma desmistificação do que fora o colonialismo português, dito como um colonialismo brando, perto do que havia sido o colonialismo praticado na África do Sul, com o seu mundialmente conhecido apartheid, ou com os horrores praticados pelos belgas, no Congo. Era mais ou menos uma versão como a de Gilberto Freyre, comparando a escravidão no Brasil com a dos Estados Unidos. Também a vida dos retornados é focada. É o caso dos colonizadores que voltam para a metrópole, após as condições de vida se tornarem impossíveis na ex-colônia. A condição de retornada de Isabel, foi ainda mais complicada. Ela, sozinha, irá conhecer a miséria junto a sua avó paterna em Lisboa. O analfabetismo absoluto grassava na família de seu tio.

O livro tem três apresentações: A primeira é uma introdução ao Caderno, escrita pela própria autora. A segunda, é de autoria de Paulina Chiziane, também moçambicana e escritora (autora de Niketche - uma história de poligamia). A sua apresentação é fantástica e aponta o colonialismo, o catolicismo e patriarcado como a razão para os grandes sofrimentos vividos pelos povos que foram vítimas do colonialismo português (Senti uma grande vontade de copiar toda a sua apresentação nesta resenha). A terceira é de José Gil, que apresenta o livro como o melhor de todos sobre o colonialismo português em Moçambique. Aí segue o livro, que consta de 51 pequenos capítulos e uma espécie de posfácio, "o meu corpo e o dele", da própria autora. Páginas memoráveis, 180 ao todo. Nelas lemos:

"Não me façam perguntas. Leiam-me apenas. Do que saiu recende um retrato brutal sobre o colonialismo. Era o que estava à minha volta. Eu não conseguiria narrar a minha infância sem a encaixar nesse décor que tudo dominava. O colonialismo respirava-se com a poeira do dia que o meu pai trazia na roupa, quando chegava em casa, ao final da tarde. Não era apenas o poder, mas o que dele transborda: subserviência e medo. Nasci e vivi nesse mundo convulso de racismo e discriminação de toda sorte. 'Grande novidade!', dirão. 'Bem-vinda ao mundo real" (Página 177). O livro termina com uma reflexão sobre a sua estada em Portugal, na casa da avó, sozinha e em condições absolutamente precárias, de retornada:

Isabela Figueiredo. A filha do colonizador a denunciar os horrores do colonialismo português.

"E arranjei-me. Os animais trazem instinto de sobrevivência. Amei o corpo de carne repetida  do meu pai, que confundo com o da terra. Abraço o meu corpo quando não a encontro, nem a ele nela. Eu e este livro estamos cheios de corpo e terra. Mas se os corpos se confundem, o que amei, afinal? Amei o colonialismo? Então é isso? Afinal, o que abracei eu, enquanto me abraçava chorando, no Maputo? De novo, a perturbação. Reflito e respondo-me honestamente, socorrendo-me da lucidez que nunca me abandonou: a construção ideológica e discursiva do meu pai sobre a necessidade de civilizar os negros esteve sempre errada aos olhos da criança que fui. Sempre foi evidente que o tratamento que ele designa como civilizador era castigador e paternalista. As crianças intuem a verdade sem precisar de palavras. A justiça e a matemática também coincidem nos resultados e, nesse caso, a equação colonial não tinha solução, apenas extinção. A idade adulta confirmou a intuição de criança: meu anti colonialismo não se alterou nem um milímetro. Esse foi, apesar de todos os dissabores, o curso certo da história. Não amei o colonialismo, mas não posso evitar ter conhecido a sua mancha.

Este livro é parte do meu corpo. E minha história, que não pode ser modificada em retrospecto, ficará para sempre ligada a ele" (Páginas 179-180).

Ainda, para dar uma melhor contextualização do livro, deixo o contido em suas orelhas: "Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi imediatamente saudado como uma obra-prima. Houve quem dissesse que o livro de Isabela Figueiredo provocava um terremoto na vida literária lusitana. E com razão. Desfazendo o mito, frequentemente edulcorado, de que a experiência cultural portuguesa na África fora algo benéfico para as populações nativas (mascarando toda a carga de violência social, racial e até mesmo sexual), o texto expõe, com enorme força e vitalidade, uma outra história da colonização. Uma narrativa que poucos faziam questão de relembrar.

Mas não Isabela. Nascida em Lourenço Marques (atual Maputo), em Moçambique, filha de pais portugueses, viu desde a infância o tratamento reservado aos africanos. Exclusão social - as melhores praias, os restaurantes e as boas escolas eram destinadas aos brancos -, trabalhos subalternos e mal remunerados, o racismo a transpirar em cada gesto cotidiano. Tudo isso foi testemunhado pela autora, que ali viveu até a adolescência, quando teve que se estabelecer em Portugal com o processo de descolonização que sobreveio após a Revolução dos Cravos, em 1974.

Misturando memória, crônica  e ensaio com potência literária e testemunhal similar a textos de Primo Levi, Elias Canetti e Graciliano Ramos, este livro é um acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal, mas também com o seu próprio pai, um eletricista que em Moçambique obteve uma confortável condição social. O pai (evocado com iguais doses de crueza e carinho, saudade e alguma repulsa) parece personificar a metrópole: despreza e explora os nativos enquanto vive numa redoma de privilégios cercada de miséria, ignorância e brutalidade.

Tudo isso numa linguagem desassombrada e veemente, lírica e evocativa. Um triunfo literário e pessoal - daquela que já se impôs como uma das principais vozes do nosso idioma. E este seu livro devastador e apaixonante converteu-se numa das obras decisivas do nosso tempo". E parabéns para a Universidade Federal do Rio Grande do Sul pela inclusão deste livro e de seus temas no vestibular de acesso aos seus cursos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.