segunda-feira, 25 de março de 2019

Homens imprudentemente poéticos. Valter Hugo Mãe.

Confesso, antes de mais nada, que é extremamente prazeroso ler Valter Hugo Mãe. Mas confesso também, que isso não é uma tarefa fácil. Os seus romances tem uma estrutura complexa e a cada momento estamos diante do inusitado, de um poético e de um simbólico que sempre perpassa toda a obra. Com Alberto Manguel aprendi que um dos segredos da leitura é sempre se por diante da pergunta: O que o autor efetivamente quis dizer.
Que maravilha. Imprudentemente poéticos. Morte e suicídio.

Dito isso, vou buscar, no final de Homens imprudentemente poéticos, uma nota do próprio autor sobre o seu livro. Entre vários agradecimentos ele nos diz: "Ao encontrar os fios ainda frescos dos suicidas que entram a floresta no sopé do monte Fuji, estratégia de Ariadne, o calafrio traz a dúvida de saber se na sua extremidade, ao centro do labirinto, alguém medita desesperadamente acerca do fim. Por ser ocidental, a cultura da culpa, a base cristã e a inteira obrigação para a vida impelem-me à salvação de cada pessoa. Como se a morte fosse sempre pior do que prosseguir na deriva tantas vezes cruel de existir. Para os japoneses o suicídio reveste-se de complexa nobreza. O morto nobre, na floresta do monte Fuji, sobra nas árvores como a devolver-se à mutante natureza. A natureza é, de todo modo, o único futuro viável, a única perenidade".

Está claro que Valter Hugo Mãe nos quer falar da morte e, mais precisamente, sobre a morte em sua pior forma, dentro dos parâmetros da cultura ocidental, qual seja, a forma suicídio. Lembro da minha Harmonia, minha pequenina e católica cidade natal. Os suicidas e os não cumpridores dos mandamentos da igreja, aqueles cinco, lembra, eram enterrados ao lado do cemitério e não na sua parte principal. Assim, além da danação eterna, vista pelos olhos da fé, recebiam também olhares reais nada complacentes e bondosos, da companheirada da comunidade. Triste e apavorante.

Então a poesia imprudente do poeta escritor busca uma outra cultura, com outra visão sobre a morte e com outra visão sobre o suicídio. Numa visão cósmica, pela morte ingressamos no universo da natureza. Isso já é imprudentemente poético e, muito benfazejo. Liberta da danação, do fogo eterno, dos demônios do mundo simbólico e do real.

Dois japoneses moram ao sopé da montanha ou do parque dos suicidas. Itaro era um artista que pintava leques. Vivia em companhia da criada Kame e da menina Matsu, a irmã. Matsu era cega e com isso alargou a visão com outras formas de enxergar. Itaro vivia muito perturbado. Ao lado morava o oleiro Saburo e o quimono de Fuyu. Pelos movimentos, ao vento, ela continuava ao lado de Saburo. O oleiro cultivava um bem cuidado jardim, passagem obrigatória no caminho dos suicidas. Este jardim, a muitos fez retroceder em suas intenções. Itaro e Saburo eram pessoas boas, porém, se odiavam de morte.

O romance é a trajetória percorrida por Itaro, Kame e Matsu. Kame, a criada eventual da família, tronou-se a mãe/perto da pequena cega. Itaro buscou a sabedoria do japão profundo, a mando de um sábio. Já a trajetória de Saburo era a de viver as flutuações do quimono, dos cuidados com o forno e do jardim e das implicações com o vizinho. Os momentos mais imprudentemente poéticos são os da menina cega, que tem o olhar alargado da visão para compensar a deficiência física do enxergar. Itaro também alargou a sua visão.

O último capítulo do livro se volta ao título da obra: A imprudência poética. Nele lemos: A senhora kame explicava: "É um algodão a chegar da floresta. É lindo. Itaro sentia que era lindo.

Os três se deixaram assim. O oleiro sabia um poema acerca da vetusta cerejeira da noite de Guion. O artesão pediu: faça-nos ouvir, por favor. faça-nos ouvir.

O perfume das impossíveis cerejeiras inebriava os inimigos que, distraídos pela poesia, adiavam todas as decisões. A vida, subitamente, era sem pressa. Planeariam combater-se mais adiante, se ainda fosse interessante matarem-se um ao outro.

Depois, Saburo voltou a dizer: vou cuidar dos incómodos das flores. Mas o cego sabia que o jardim perecera e que o oleiro se deixara daquela delicadeza. A ausência do quimono da senhora Fuyu abandonara o oleiro à realidade. E a realidade era sem maior fantasia. Vinha o inverno. O frio bastava para que se quisessem ocupar de mudar tudo. Pela primeira vez mudar tudo.

Calmamente, como num pensamento maduro, Itaro decidia que haveria de se prostrar no chão junto ao castelo de Nijó, o mais cerca do palácio de Ninomaru que lhe fosse possível. De rosto caído. A honra inteira na palma da mão a pedir. Como se explicasse à bondade de cada homem que o espírito divino o honrara com aquela situação. Enfrentava a contagem da míngua e a arte de mendigar. Sabia que os mendigos eram teatrais. Estavam longe de mentir. Apenas ilustravam o desespero com talento.

Falaria de amor. Diria: o que se opõe ao amor se afeiçoa à morte. O artesão haveria de mendigar por obrigação de alegria".  É... o que se opõe ao amor se afeiçoa à morte. Absolutamente - imprudentemente poético.




quinta-feira, 21 de março de 2019

Oscar 2019. Green Book - O guia. O vencedor.

Ontem (20.03.2019) estive envolvido em atividades de rotina de exames médicos preventivos. Foi um dia de atividades e não de leitura e concentração. Para terminar o dia, resolvi retomar a ida ao cinema, uma vez que ainda não havia visto o filme vencedor do Oscar 2019 - Green Book - O guia. Confesso que saí maravilhado do cinema. É um filme de entretenimento, de humor e drama, mas que te leva à reflexão e te desperta sentimentos de elevação e de humanidade. Um verdadeiro hino à alteridade.
O cartaz promocional de Green Book.  Os eus que se encontram, confrontam e se elevam.

O filme tem mais de duas horas, mas você não sente o tempo passar. Ele te envolve de maneira maravilhosa. Saí com a mente em agitação. Revivi momentos das melhores leituras que já fiz. Lembrei Dom Hélder Câmara, o seu O Deserto é fértil, livrinho que me acompanha desde 1976. Nele se lê: "Abrir-se às ideias, inclusive contrárias às próprias, demonstra fôlego de bom caminheiro. Feliz de quem entende e vive este pensamento: 'Se discordas de mim, tu me enriqueces'". E Dom Hélder continua: "Ter ao lado quem só sabe dizer amém, quem concorda sempre, de antemão e incondicionalmente, não é ter um companheiro, mas, sim, uma sombra de si mesmo".

Lembrei de Albert Jacquard e o seu maravilhoso Filosofia para não filósofos. Nele sob o verbete alteridade se lê: "Com toda a certeza eu poderia existir sozinho, mas não poderia ter conhecimento disso. Minha capacidade para pensar e dizer 'eu' não me foi fornecida pelo meu patrimônio genético; o que esse me deu era necessário, mas não suficiente. Só consegui dizer 'eu' graças ao 'tu' que ouvi. A pessoa que sou não é o resultado de um processo interno solitário; só pode construir-se no foco dos olhares dos outros. Não só essa pessoa é alimentada com todas as contribuições dos que me rodeiam, mas sua realidade essencial é constituída pelas trocas com eles; eu sou os vínculos que vou tecendo com os outros. Com essa definição, deixa de haver qualquer corte entre mim e os outros".

Ainda no livro de Jacquard lemos uma frase em epígrafe, de Martin Luther King, que nos exorta: "Aprendamos a viver juntos, como irmãos; caso contrário, vamos morrer juntos como idiotas".

Green Book - o guia marca o encontro de dois "eus" a construírem suas individualidades e suas identidades, com as qualidades um do outro. Talvez, até mais defeitos do que qualidades. Tony Lip (Vigo Mortensen) era um descendente de italianos, que trabalhava como segurança em danceterias, ou, diríamos, "um solucionador de casos", usando para isso, geralmente, a violência. "Um grosso", diríamos em nossa linguagem estereotipada. Mas era também generoso, afável e sensível. Lembrando que os imigrantes italianos dos Estados Unidos procediam do sul da Itália, Sicília, Calábria...  Don Shirley era negro. Um pianista famoso, arrogante, prepotente e elitizado. Um necessitava do outro. O "eu" precisava de um "tu". Poderia haver um confronto ou uma aprendizagem.

O encontro se deu em função de uma turnê do pianista famoso ao sul dos Estados Unidos. O tempo retratado era o do início dos anos 1960. Um tempo de intransigências e de intolerâncias. Um tempo de encontro de sombras e ecos e não de diversidades e de dissonâncias. Um tempo de fechamentos e de segregação. Havia até um Green Book, que servia de guia, indicando os locais que poderiam ser frequentados pelos diferentes, marcados assim, não por suas identidades, mas pela cor. O negro poderia ser o instrumento de entretenimento da elite branca, mas não de trocas, de alteridade. Para administrar este convívio é que houve o encontro entre Tony e Don Shirley. Um encontro que traz a marca da necessidade. Da necessidade de segurança numa turnê, com a de um emprego, de um "solucionador de casos". As diferenças se confrontavam constantemente.

Está nisso a grandeza do filme. Cada encontro/desencontro traz a marca do aprendizado, da superação. Do perder e do ganhar, do desapegar e do incorporar. Os defeitos vão se transformando em qualidades. Até as cartas de Tony para Dolores, que eram sem inspiração, com a ajuda de Don Shirley se transformam em poemas à altura de Shakespeare. A sensibilidade aflora. Este encontro, enriquecido pelas diferenças, só poderia terminar em celebração, em festa do povo, tendo como companhia, não mais um raro piano Steinway, mas apenas a alegria do povo. E para terminar. Uma celebração de Natal.

O roteiro foi traçado a partir de Conduzindo Miss Daisy, premiado filme de 1989, quando uma rica e preconceituosa senhora se confrontava com um motorista negro. Agora os papeis se invertem, sendo Don Shirley o senhor e Tony o motorista. O filme levou três ambicionadas estatuetas: O de melhor filme, Don Shirley ( Mahershala Ali) o de melhor ator coadjuvante e os roteiristas (Nick Vallelonga e Peter Farrelly), o de melhor roteiro original. Prêmios mais do que merecidos.

terça-feira, 19 de março de 2019

A destruição do sistema previdenciário e a instauração do caos social.

O presente post decorre da realização de uma audiência pública, realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (dia 18.03.2019), convocada pelos deputados do Partido dos Trabalhadores e que contou com a presença do ex ministro da Previdência, Carlos Eduardo Gabas e também, do ex governador e ex senador Roberto Requião. Inicialmente pensei em ir, mas lembrando do espaço restrito na Assembleia, optei por ficar em casa, acompanhando pela Internet.
O ex ministro da Previdência Social. Uma fala precisa sobre o fim das aposentadorias.

A fala do ex ministro foi extraordinária. Pouco falou de números, mas também deles. Foi fundo na questão política. Analisou o projeto (PEC 6/2019) do governo Bolsonaro, como um todo, dentro de um violento ajuste fiscal a ser pago pelos trabalhadores. Um governo que, embora vá mal e seja desastrado, é um governo muito forte, uma vez que representa o perverso projeto da burguesia brasileira. Sempre é bom lembrar a origem escravocrata e o espírito destruidor bandeirante desta burguesia. Estão longe de serem liberais.

A primeira observação do ex ministro foi a de que, ao contrário do projeto de Temer, não se trata de uma reforma da previdência, mas sim, a decretação de seu fim. Ela está inserida num projeto de ajuste fiscal maior a favor do capitalismo financeiro instaurado no Brasil e que foi o grande responsável pela instauração do golpe contra Dilma Roussef, contra a democracia brasileira. Ela vem acompanhada de outras perversidades, como a reforma trabalhista (esta sim, junto com o desemprego, a grande responsável por uma crise de arrecadação nas contribuições), o corte nos gastos públicos e na absolutização das desvinculações constitucionais.

Para entender este projeto de destruição é preciso retomar a Constituição de 1988, mais precisamente, o Título VIII - Da Ordem Social, dos artigos 193 a 204, que fala da Seguridade Social, abrangendo Saúde, Previdência Social e, ainda, a Assistência Social. Para garantir a Seguridade Social, foi instituído o regime de partilha, sistema em voga nos países europeus, pautados pelo espírito do Estado Democrático de Direito. Este regime seria tripartite. A Seguridade Social seria garantida pelo Estado, pelas empresas e pelos trabalhadores. Todo este capítulo será extinto. A atual Previdência deverá ser substituída por um sistema de capitalização, em que apenas o trabalhador contribuirá para a sua aposentadoria se, por acaso, chegar a ela. E ela será administrada por bancos, que, como sabemos, visam o lucro e não a prestação de serviços humanitários. Aliás, cuidado com a ressignificação do conceito "ajuda humanitária".

A partir da aprovação deste novo sistema, o atual, todo ele, entrará em regime de transição no rumo de sua extinção. Aí sim, haverá déficit a ser coberto pelo Tesouro Nacional. Por isso o violento ataque aos benefícios pagos, sendo o instrumento para tal, a sua desconstitucionalização  e a imposição de novas regras para dificultar a concessão. Desaparece a aposentadoria por tempo de contribuição, sendo instituída a aposentadoria por idade (65 e 62 anos), a contribuição mínima de 20 anos e a de 40, para benefício integral, o fim do reajuste anual obrigatório, diminuição das pensões e dos diferentes amparo sociais.

Mundo afora, é praticado o sistema de partilha. Alguns países instituíram o regime de capitalização, aproveitando-se de regimes ditatoriais, como foi o caso do Chile de Pinochet. Muitos deles, diante dos males sociais acarretados, já voltaram atrás. A média dos benefícios chilenos é hoje, algo em torno de R$ 400,00. Muitos idosos buscam a solução para os seus problemas com a prática do suicídio.

Gabas também direcionou um olhar para futuro. Mas este olhar para o futuro necessita de um olhar ao presente. Hoje muitos municípios brasileiros tem nas aposentadorias a sua maior fonte de ingressos. As aposentadorias superam inclusive, a arrecadação pela via do Fundo de Participação dos Municípios. É este dinheiro que dá condições de sustentabilidade aos pequenos municípios interioranos do Brasil, que vivem em condições de pobreza mas não de miséria. É a fonte que alimenta os pequenos comércios e a pequena prestação de serviços. Mantém a vida. O que acontecerá com o fim do sistema previdenciário? A pobreza será substituída pela miséria e os velhos terão que voltar a pedir abrigo na casa dos filhos, como acontecia no passado recente do Brasil. Estamos a caminho da maior crise humanitária pela qual este país já passou.

Este quadro pode ser revertido? Pode sim. Se a reforma de Temer foi barrada, muito maior razão há em barrar este projeto, verdadeiramente diabólico. Mesmo você que votou neste projeto, por não conseguir antever toda a sua maldade, tem agora a obrigação moral, diante de seus filhos e netos, diante do futuro deste país, de se engajar para que esta desgraça iminente possa ser contida. 

Gabas fez ainda muitas outras considerações, entre as quais eu destacaria a questão das aposentadorias rurais. É esta pequena agricultura familiar responsável por quase 80% dos alimentos brasileiros. Haverá também, portanto, uma crise e um colapso alimentar. Destaque ainda para a questão das mulheres, que serão as mais castigadas com o projeto e para o dado de que a média das aposentadorias pagas é hoje de R$ 1.440,00. Nenhum privilégio, portanto. Os privilégios dos tais de poderes, seriam, por sua vez, mantidos como intocáveis.

Um último destaque. Como o país chegou a esta situação? Como ele elegeu Bolsonaro? como é que beneficiários da Seguridade Social, do Bolsa Família, do ProUni, do Ciência sem Fronteira, dos reajustes reais do salário mínimo etc..., etc... - gritaram é mito, é mito, é mito. Com certeza, os projetos de comunicação do PT e das esquerdas falharam. Falhou no diálogo com os beneficiários das muitas políticas públicas. Gabas terminou a fala com uma bela imagem. O pobre pôs um pé dentro da Casa Grande, pensando que nela poderia ocupar um espaço. Uma vez  lá dentro, voltou à sua condição de escravo. É preciso recuperar a liberdade através de uma vida decente.

segunda-feira, 18 de março de 2019

o remorso de baltazar serapião. valter hugo mãe.

Um enigma. Tive dificuldade enorme em ler este livro, o remorso de baltazar serapião, de valter hugo mãe. Recorro ao curto prefácio de José Saramago, que nos dá pistas, além do elogio à forma linguística, à abolição dos "sinais de trânsito", que nos levam a dirigir com redobrada atenção e cuidado. Ou seria, a exigência de muito maior atenção na sua leitura? Saramago qualifica a obra como um verdadeiro tsunami, um "ímpeto arrasador e ao mesmo tempo construtor".
O tsunami literário de valter hugo mãe.


Mas vamos ao que Saramago fala da obra em si, para além de sua forma de apresentação: "A época que se reconstitui, embora não se possa falar exactamente de reconstituição, é uma certa Idade Média que está ausente dos livros que dela falam e das ficções que sobre esta época se armaram. Nós gostamos muito, nós os portugueses, gostamos da Idade Média, não se sabe porquê, talvez por causa d'A dama pé-de-cabra ou d'O bispo negro, dessa espécie de Idade Média desinfectada, limpa como se houvesse detergentes de todo tipo, mas o que acontece é que aquilo cheirava mal, era feio. Foi aqui dito que o livro cava um diálogo que não tem fim entre o feio e o belo, mas eu creio que é preciso ter muita esperança na vida para achar que aquele belo vai ganhar a batalha, e a prova é que não a ganhou".

Confesso que a uma certa altura da leitura, imaginei que se tratava, não de um romance que retratava a Idade Média, mas sim, o futuro da humanidade, enrodilhado em desespero e desesperança. Uma verdadeira distopia. A leitura me causava um certo desconforto.

Na contracapa encontramos mais uma explicitação bem esclarecedora: "Estirpe e jugo são os elementos brutos com os quais a poderosa linguagem de Valter Hugo Mãe narra a história da sarga, "nascidos de pai e vaca" e de seu primogênito, que dá nome ao livro: baltazar, camponês miserável e de passividade bestial, cujas vida e jovem esposa são exploradas por dom afonso, senhor das 'almas e coisas' daquela terra. E põe bestialidade nisso. Também são profundamente esclarecedoras as imagens, os desenhos ou as representações que aparecem no começo e ao final do livro. São desenhos de seres humanos misturados com animais, com detalhes sobre os temas enfocados ao longo do livro.

Como ilustração e chamativo para a leitura, deixo os mistérios e enigmas do último capítulo, o de número vinte e oito: "apercebi-me de se levantarem já tão ágeis pelo hábito quanto pela perda progressiva da razão. apercebi-me do mugido súbito da sarga por coisa que na noite rondou a sua calma. uma qualquer presença incómoda que a pôs em sobressalto. e eu nem me levantava, nem me acusava de atitude alguma. ergui a cabeça lentamente e ao pé da fogueira estavam o aldegundes e o dagoberto uma vez mais torcendo a minha ermesinda, e mais a sarga se incomodava, mais a ermesinda se inquietava, mais a ermesinda bulia debaixo deles, esticada por um e por outro para corresponder em formas às entradas que eles queriam fazer. e ela atrapalhava-se respirando com maior dificuldade. coisa que dava à sarga era proporcional à coisa que lhe dava também. mas eu demorei a decidir ideia válida de fazer. ali estava, em nova permissão. abdicando de tudo, já nem por manter a sensatez da educação da minha mulher senão para permitir que, com mais dois, fôssemos quatro como casal de deus. eu sentiria até ali o remorso dos bons homens. como havia pensado, remorso duro de tão dignamente administrar a educação da minha ermesinda. mas até ali, pensei, até ali, por que naquele momento, mais do que a condenação de restarmos os quatro encurralados para todos os avios, ocorreu-me a falha grave do meu espírito. e tão amargamente me foi claro que, por piedade ou compreensão com os meus companheiros, e talvez por ausência da voz da minha mulher, passara para lá do limite. o remorso dos bons homens já não me assistia, senão só a burrice e ignorância de quem abdicara de sua mulher.

ainda pensei, talvez fosse só da chuva que caía, talvez fosse só da avidez dos dois traidores, com ganas de alívio maiores do que o costume, ou talvez fosse por pressentir o apelo da minha indefesa amada, ali disposta para banquete de homens que não eram o seu marido, sim, talvez fosse por isso que a sarga estava diferente. e a minha ermesinda mais se tentou debater e mais lhe custava a respirar, mais eles se afligiam com controlá-la para, mais que não fosse, voltarem aos seus lugares e esperarem que se acalmassem, as duas, ela e a vaca. e foi como me levantei. aproximei-me dos dois, grande e imbatível como uma pedra de ódio construída no exercício do meu bom amor, e que me pus diante deles tão pequenos. afastaram-se de minha ermesinda que, imóvel, respirou menos, respirou menos, respirou menos, não respirou. a sarga mugiu de modo lancinante. e eu abati-me sobre os dois abrindo lado a lado os braços de punhos fechados. um só golpe certeiro com a violência da pedra mais furiosa do mundo. sobraram no chão como mais nada ali estivesse.

depois ergui-me, aqueci, tive a percepção fatal de que o meu corpo não suportaria nem o caminho até ao pé da sarga. na escuridão contínua, a sarga talvez tentasse chegar a mim também". E voltamos a Saramago: o remorso de baltazar serapião é um tsunami linguístico, estilístico,semântico,sintáctico".

sábado, 16 de março de 2019

O enraizamento do nazismo na cultura ocidental. Seus componentes e suas profundas raízes.

Um dos livros mais densos e esclarecedores que li ultimamente foi Espelho do ocidente - O nazismo e a civilização ocidental. A autoria é de Jean-Louis Vullierme. O objetivo do livro está assim descrito pelo seu autor, no prólogo do livro: "Sempre me pareceu fundamental entender aquele que constitui o acontecimento mais destruidor da história moderna, identificando suas raízes para procurar extirpá-las".
Identificar as raízes do nazismo para procurar extirpá-las. A tese do livro.

Já na introdução, lemos: Essa ideologia (o nazismo), que não nasceu na Alemanha, mas nela foi aplicada furiosamente, é tao real quanto são fantásticos suas justificações e seu objeto. Ela não é isolada, inserindo-se em uma temática que encontrou no nazismo sua interpretação mais ampla até hoje. Os componentes do sistema coerente ao qual pertence, cada um deles perigosamente, já se haviam combinado antes de maneira parcial, mas nunca inofensiva. E podem, a qualquer momento, ser novamente combinados.

Sua lista, tal como me proponho a descrevê-la aqui, poderia ser inicialmente formulada da seguinte maneira, sem uma ordem especial: supremacismo racial, eugenismo, nacionalismo, antissemitismo, propagandismo, militarismo, burocratismo, autoritarismo, antiparlamentarismo, positivismo jurídico, messianismo político, colonialismo, terrorismo de Estado, populismo, juvenilismo, historicismo, escravagismo. Devem ser acrescentados dois elementos essenciais que não tem nome. Os neologismos que sugiro no caso são 'anempatismo' e 'acivilismo', designados, respectivamente, à educação que não concede nenhum sentimento ao sofrimento do outro e à ausência de qualquer proteção especial às populações civis nas operações militares ou policiais". Sobre o livro de Vullierme veja: http://www.blogdopedroeloi.com.br/2019/03/espelho-do-ocidente-o-nazismo-e.html

Neste último parágrafo está a nota explicativa de número 9, onde são explicitados os conceitos relativos às palavras destacadas. O livro tem mais de 100 páginas de notas explicativas, que são as fontes onde o pesquisador bebeu. São uma preciosidade. E segue a explicitação:

O supremacismo racial considera que os seres humanos são repartidos em espécies biológicas distintas, chamadas "raças", em rivalidade pela dominação, uma das quais dispondo de superioridade natural que a destina a levar a melhor.

O eugenismo político atribui aos poderes públicos a missão de melhorar a espécie humana pela eliminação das características consideradas não adaptativas, por meio da seleção, da criação, da eutanásia ou da esterilização.

O nacionalismo é a ideia de que os homens adquirem sua identidade primordial pela filiação a grupamentos históricos e territoriais, apresentados como substanciais e designados como "Nações", às quais eles devem dar prioridade em detrimento de qualquer outro tipo de agrupamento, se necessário sacrificando seus próprios interesses.

O antissemitismo visa submeter ou afastar as pessoas de tradição judaica e aquelas que lhes são aparentadas mediante todos os dispositivos discriminatórios de ordem privada ou pública, o acantonamento, a expulsão ou a eliminação física.

O propagandismo é a utilização sistemática dos meios de comunicação, inclusive pela seleção e distorção das informações transmitidas, com vistas a realizar um consenso político de acordo com os interesses de seus mandantes.

O militarismo é a ideia de que, prevalecendo os objetivos militares sobre quaisquer outras considerações de ordem jurídica ou moral, a sociedade e o exército devem tender a se confundir em uma organização única para alcançá-los.

O burocratismo é o controle administrativo de uma população, por meio de uma organização hierárquica isenta de recursos jurídicos eficazes.

O autoritarismo é a convicção de que toda esta organização eficaz está sujeita a um princípio de comando hierárquico, que seria debilitado por retroações não solicitadas da parte dos executantes ou pelo pluralismo.

O antiparlamentarismo é a afirmação de que toda eleição  que não seja plebiscitária constitui um fator de divisão da sociedade.

O positivismo jurídico identifica como fonte única do direito a vontade de um legislador, à qual as jurisdições devem submeter-se, sem ponderá-la com outras fontes, como a doutrina, a jurisprudência, os costumes ou a equidade.

O messianismo político é o apoio ou a espera de um indivíduo dotado de qualidades extraordinárias que lhe permitem resolver as principais dificuldades políticas enfrentadas por uma população.

O colonialismo autoriza os países mais poderosos no momento em questão a assumir, direta ou indiretamente, o controle econômico e político dos países menos poderosos.

O terrorismo de Estado é a ideia de que é legítimo que um governo iniba pelo terror a resistência de seus adversários, especialmente pela espionagem da vida privada, a tortura, o encarceramento arbitrário ou o assassinato.

O populismo é a afirmação de que o interesse de certos grupos desfavorecidos justifica medidas extraordinárias contra uma parte das elites.

O juvenilismo é a ideia de que o poder político e econômico deve ser prioritariamente atribuído a jovens adultos.

O historicismo atribui à História um sentido estritamente orientado, justificando o combate contra pessoas designadas como obstáculos à sua realização.

O escravagismo é a ideia de que certas pessoas, pelo fato de uma suposta inferioridade substancial ou em virtude do direito de guerra, do fato de pertencerem a um grupo adverso, de uma condenação judiciária ou de uma transação comercial, podem ser legitimamente submetidas pela força ao trabalho ou à sujeição sexual.
Neste livro encontramos a fala Educação após Auschwitz.

Ao post acrescento uma parte do primeiro parágrafo da fala de Adorno em Educação após Auschwitz: "A exigência que Auschwitz não se repita é a primeira de todas para a educação. De tal modo ela precede quaisquer outras que creio não ser possível nem necessário justificá-la. Não consigo entender como até hoje mereceu tão pouca atenção. Justificá-la teria algo de monstruoso em vista de toda monstruosidade ocorrida. Mas a pouca consciência existente em relação a essa exigência e as questões que ela levanta provam que a monstruosidade não calou fundo nas pessoas, sintoma da persistência da possibilidade de que se repita no que depender do estado de consciência e de inconsciência das pessoas. Qualquer debate acerca das metas educacionais carece de significado e importância frente a essa meta. Que Auschwitz não se repita". Retirado do livro Educação e Emancipação. 


sexta-feira, 15 de março de 2019

Espelho do Ocidente. O nazismo e a civlilização ocidental. Jean-Louis Vullierme.

Uma frase me perturba há muito tempo. É a frase da abertura da fala de Adorno, em Educação após Auschwitz: "A exigência que Auschwitz não se repita é a primeira de todas para a educação. De tal modo ela precede quaisquer outras que creio não ser possível nem necessário justificá-la". A fala é de 1965. Ao que tudo indica, o desesperado apelo de Adorno caiu em meio ao pedregulho e não apavorou ninguém.

Recentemente li, de Umberto Eco, O fascismo eterno. O livrinho é uma palestra por ele proferida na Universidade de Colúmbia, em 1995 e publicada no Brasil em 2018. Por que será, apenas em 2018? Nesta conferência ele apresenta 14 características do Ur-fascismo, o fascismo eterno. Vejam o autor apresentando a primeira destas características:

"A primeira característica de um Ur-fascismo é o culto da tradição. O tradicionalismo é mais velho que o fascismo. Foi típico também do pensamento contrarreformista católico depois da Revolução Francesa, mas nasceu no final da idade helenística como uma reação ao racionalismo grego clássico. Na bacia do Mediterrâneo, povos de religiões diversas (todas aceitas pelo Panteão romano) começaram a sonhar com a revelação recebida na aurora da história humana. Essa revelação permaneceu longo tempo escondida sob o véu de línguas então esquecidas. Havia sido confiada aos hieróglifos egípcios, às runas dos celtas, aos textos sagrados, ainda desconhecidos, das religiões asiáticas. [...] (Formou-se um sincretismo, logo transformado em verdade absoluta). E como consequência, continua Eco, "não pode haver avanço do saber. A verdade já foi anunciada de uma vez por todas, e só podemos continuar a interpretar sua obscura mensagem". Em outras palavras, a verdade está dada e não pode ser contestada. A ela todos devem se submeter. A cultura ocidental contém em si o germe de todos os autoritarismos.
Um livro que mergulha fundo na formação do pensamento e da cultura ocidental.

Esta é a tese de Espelho do ocidente - o nazismo e a civilização ocidental. O autor é Jean-Louis Voullierme, doutor em Direito e Ciências Políticas e professor de Filosofia nas Universidades Paris I e II. "Ele explora as raízes do mal", como lemos na contracapa do livro. A razão do livro está assim explicitada no Prólogo do livro, escrito pelo próprio autor:

"Sou de família que lutou contra o nazismo e foi parcialmente destruída por ele. Isso já seria suficiente para me interessar pelo assunto mais que os outros, mas não é a razão principal. Sempre me pareceu fundamental entender aquele que constitui o acontecimento mais destruidor da história moderna, identificando suas raízes para procurar extirpá-las. Eu também considerava que a memória dos mortos exigia no mínimo que se soubesse porque haviam sofrido tanto. Ora, essa compreensão não me era imediatamente acessível" Daí a razão da pesquisa.

No anúncio do livro eu lia sobre as contribuições de Henry Ford na construção do nazismo. Este fato foi, para mim, determinante para a compra e leitura do livro. Sabe aquela imagem de fundo que você tem de um autor... O operário de minha fábrica, deve, no mínimo, receber uma remuneração que permita comprar os produtos da empresa... Longe portanto dos empresários brasileiros preocupados em que os seus operários recebam o mínimo possível e que seus direitos sejam totalmente abolidos da legislação, como se verificou no último processo eleitoral. Contra esta imagem, pesa, no entanto, um livro seu. Ele é autor de um livro, com o título O judeu universal. Hitler cultivava a imagem de Ford e o seu livro era para ele, o seu livro de cabeceira.

Mas vamos ao livro de 363 páginas, divididas em duas partes, prólogo, introdução e conclusão. As duas partes tem os seguintes títulos: Primeira parte: A ideologia do extermínio e Segunda parte: Sair da ideologia do extermínio. A primeira parte tem seis capítulos, a saber: 1. Comentários sobre um mistério (O anti semitismo); 2. Um modelo americano (escravidão - Ford - a busca de espaço e a expansão para o oeste); 3. A revolução nacionalista (o nacionalismo e a civilização); 4. Colonialismo e brutalidade (ganha força o termo Anempatia, o oposto de empatia); 5. A ação histórica (o historicismo como o triunfo da vontade); 6. O antagonismo (o cultivo do inimigo - o anti e o instrumento da propaganda). Um mergulho na cultura e na história do ocidente.

A segunda parte é formada por dois capítulos: 7. Terapias cognitivas (Há alternativas dentro da própria cultura ocidental - humanismo) e 8. Construções míticas, perspectivas concretas (extirpar o "adubo ideológico" do fundo de nossa cultura). O que está entre as páginas 239 e 346 é dedicado à notas explicativas, que basicamente indicam as fontes da pesquisa e dão explicações de contextualização. São mais de cem páginas de muita riqueza. Uma preciosidade. É óbvio que o desvendar é mais fascinante que o propor, embora o propor seja o fundamental. Digo isso para evidenciar a primeira parte do livro. Um livro de extrema erudição.

Apresento ainda os três parágrafos da orelha que apresentam o livro: "É comum acreditar que o nazismo é produto de geração espontânea, fruto de mentes doentias e desmoralizadas, e que nasceu a partir da ideologia antissemita e do revanchismo em relação às consequências da Primeira Guerra Mundial. No entanto, suas origens são muito mais amplas e profundas.

A receita para a ascensão e o sucesso de Adolf Hitler não deriva de uma realidade isolada: tal intenção exterminadora, mesmo dissimulada, era compartilhada por um bom número de intelectuais e empresários, incluindo Henry Ford. Estava no próprio cerne da civilização ocidental.

Em Espelho do Ocidente, Jean-Louis Vullierme identifica as raízes do episódio mais arrasador da história, analisando sistematicamente o modo de pensar e operar dos nazistas, assim como o vigor com que o extermínio foi empregado como solução. Fruto de ampla pesquisa, este livro rico em fundamentos é polêmico e preocupante; o ponto de partida para uma abrangente discussão sobre os problemas que rondam o mundo".

Também considero interessante uma das notas da contracapa: "Neste ensaio, o autor tenta mostrar a origem intelectual do nazismo e do Holocausto. Hitler não é apresentado como um louco, nem a Alemanha como uma ilha negra em uma Europa iluminada; antes se apresenta tudo como uma inevitabilidade num continente que já antes gerara tanta maldade".

E para concluir: Eco acertou na mosca. A raiz está nos primórdios da formação do pensamento ocidental e a preocupação de Adorno com a repetição de Auschwitz, está cada vez mais distante, à medida que nos afastamos do horripilante fato. Tudo o que causou Auschwitz, continua sendo cultivado, até diria, com doses bem mais elevadas. Anempatia e antagonismo dominam mentes e corações neste mundo cada mais desumano.

sábado, 9 de março de 2019

Fascismo eterno. Umberto Eco.

Cheguei a este livro pela via da própria compra. Sabe, aquele aviso: quem compra estes livros também tem interesse em comprar... Gostei da ideia e não tive dúvida. A conjunção do tema - fascismo e Umberto Eco, autor consagrado, eliminou qualquer dúvida. Trata-se de O fascismo eterno. Umberto Eco usa muito a expressão Ur, comum a várias línguas, para a designação de eterno. A primeira coisa que eu fui verificar, foi a ano da edição brasileira. 2018. Por que será? A edição italiana é de 1997. O livro, um pequeno livro, é uma palestra do autor, realizada na Universidade de Colúmbia, no ano de 1995.
O livro é uma conferência proferida na Universidade de Colúmbia, em 1995.

Estes dados dão especificidade ao tema, pois, neste ano de 1995 ocorreu o maior atentado terrorista interno nos Estados Unidos, o atentado de Oklahoma, responsável pela morte de 168 pessoas. Ele veio junto com a descoberta de que existiam organizações militares de extrema direita nos Estados Unidos, nos alerta o autor, em nota introdutória ao livro. A conferência e o teor do livro tem, portanto, um destinatário específico. Os jovens estudantes dos Estados Unidos. Mas o tema é necessariamente universal.

A conferência começa pela memória dos fatos. Eco se reporta ao ano de 1942, ano em que ele responde positivamente a uma pergunta feita para todos os alunos, na escola em que estudava, nas proximidades de Milão: "Devemos morrer pela glória de Mussolini e pelo destino imortal da Itália? Como o autor nasceu em 1932, ele devia estar em torno de seus dez anos. Apenas por curiosidade, Eco nasceu na cidade de Alexandria. A fala continua com o evocar de suas memórias. Já neste tempo, afirma, começou a distinguir entre liberdade e libertação e o significado que tem as palavras e o  discurso. Notável. As memórias continuam com a evocação dos movimentos de Resistência, os Partigiani, e o contato com os soldados americanos. E, também, o primeiro chiclete.

A conferência passa a situar historicamente os movimentos fascistas do século XX, precedidos pelo fascismo de Mussolini, com bases teóricas em Giovanni Gentili, mas que "refletia uma noção hegeliana tardia do 'estado ético absoluto'". Este fascismo se propaga por toda a Europa e pela América do Sul. Eco atenta para as diferenças fundamentais destes sistemas e aponta, inclusive, inúmeras contradições entre eles. Mas a centralidade da palestra está na identificação de traços comuns, encontrados em todas as suas diferentes manifestações. São 14 diferentes faces que ele nos apresenta. É impressionante a facilidade com que podemos aplicar estas características ao triste momento histórico vivido pelo Brasil do presente. Mas vamos às características, de forma bem sintética. Para quem quiser mais, remetemos para o livro.

1. O culto da tradição: O tradicionalismo é mais velho do que o próprio fascismo. No Mediterrâneo formou-se um sincretismo religioso que não mais admitia contestações. A verdade estava posta e não poderia ser contestada. A cultura ocidental. Não poderá mais haver avanço no saber.

2. A recusa da modernidade: A modernidade significa um não aos valores tradicionais. São de extrema hostilidade ao iluminismo e à idade da razão, vistos como perversões da modernidade. Admitem apenas a evolução da técnica. Os fatores vão se somando.

3. O irracionalismo da ação pela ação: A ação é bela em si e carece de qualquer reflexão. Por isso o desprezo pela cultura e pela universidade. Eco lembra uma frase atribuída a Goebbels: "Quando ouço falar em cultura, pego logo a pistola. Tem a marca profunda do antiintelectualismo.

4. A não aceitação da crítica: Ela gera distinções e distinções são marcas da modernidade e geram os avanços, avanços estes que ferem as tradições. Estar em desacordo é sempre uma traição.

5. A não aceitação da diversidade: o sistema não tolera o desacordo e a diversidade. Expressa um ódio profundo às diferenças e ao diverso, aos intrusos. Daí o seu fundamento racista.

6. Tem a sua raiz em alguma frustração individual ou social: Esta é uma das razões ao apelo às classes médias frustradas em função de uma crise ou humilhação política, assustados pela pressão de grupos sociais subalternos. Aqueles do medo proletário são sempre o seu auditório preferido.

7. São privados de qualquer identidade social: Tem em comum apenas o fato de terem nascido no mesmo país. Daí um nacionalismo meio sem sentido, com obsessão pelo inimigo. Daí a perigosa raiz da xenofobia. Mas, para além dos inimigos externos, também existem os internos.

8. Humilhação diante da riqueza e da força do inimigo: Mas conseguem ser convencidos de que conseguem vencer o inimigo. Isso impede a possibilidade de avaliações objetivas.

9. Não há luta pela vida mas vida a serviço da luta: Por isso o pacifismo é conluio com o inimigo. O pacifismo é incompatível com a grandeza de objetivos. A vida é uma guerra permanente. Vive-se em permanente estado de beligerância. A situações exigem uma "solução final".

10. Elitismo e aristocracia são elementos constituintes: Este fenômeno ocorre simultaneamente com o desprezo pelos mais fracos. Não existem patrícios sem os plebeus. As massas tem a necessidade de um dominador. O poder é obtido pela imposição da força.

11. Ser herói é uma norma: O maior heroísmo, no entanto, está na morte e não na vida. A morte é a recompensa para uma vida heroica. Porém sua impaciência, geralmente, provoca a morte dos outros.

12. A transferência de sua vontade de poder para a sexualidade: Mas como o poder e o jogo do sexo são difíceis de ser jogados, refugia-se no machismo. "Seus jogos de guerra se devem a uma invidia penis permanente.

13. Indivíduos enquanto indivíduos estão destituídos de direitos: Os seres humanos se realizam apenas como "vontade comum". Isso faz com que sintam a necessidade de um líder, condutor, o seu intérprete. Apenas assumem o papel de povo. Odeiam os parlamentos. Um dos primeiros sintomas.

14. Falam a novilíngua: Os textos escolares devem ter um léxico simples e uma sintaxe elementar para jamais permitirem raciocínios críticos e complexos.

No encerramento, Eco volta às suas memórias. 27 de julho de 1943. O fascismo caíra e Mussolini fora preso. A mãe mandou-o comprar jornais. Os jornais diziam coisas diferentes e diferentes partidos políticos assinavam um manifesto conjunto. "A mensagem celebrava o fim da ditadura e o retorno à liberdade: liberdade de palavra, de imprensa, de associação política. Estas palavras "liberdade", "ditadura" - Deus meu ! - Era a primeira vez em toda a minha vida que eu as lia. Em virtude dessas novas palavras renasci como homem livre ocidental". Simplesmente maravilhoso.

Estas características tem muitas afinidades com as pesquisas de Adorno, do ano de 1950, sobre a personalidade autoritária http://www.blogdopedroeloi.com.br/2019/01/sociedade-sem-lei-pos-democracia.html  e as teorias individualistas desenvolvidas por Nietzsche.

Estou lendo agora - Espelho do Ocidente. O nazismo e a civilização ocidental, de Jean-Louis Vullierme, que simplesmente desanca a cultura ocidental. É dentro dela que o nazismo fez o seu ninho.
Mais ou menos de acordo com o item de número 1. Com aprofundamentos.


quinta-feira, 7 de março de 2019

COMUM. Ensaio sobre a revolução no século XXI. Pierre Dardot e Christian Laval.

Recomendado pelo livro A Nova Razão do Mundo, ensaio sobre a sociedade neoliberal, dos pesquisadores franceses Pierre Dardot e Christian Laval, cheguei ao novo livro destes autores - Comum - Ensaio sobre a Revolução no século XXI. Haja fôlego. Devo dizer, antes de tudo, que este é um livro para especialistas, recomendado especialmente para historiadores, sociólogos e, ainda mais em particular, para as pessoas que lidam com o Direito. A palavra Comum é estudada em toda a sua profundidade, ao longo da história. O livro pretende ser, essencialmente, uma alternativa real e positiva ao mundo do neoliberalismo.
Recuperar a condição de seres humanos, na superação do mero capital humano.


O livro é longo, 647 páginas, divididas em três partes, além da introdução e de um post-scriptum. E, é óbvio, uma rica relação bibliográfica. Com a finalidade de por os leitores em contato com livro, apresento os temas da introdução, dos capítulos e do post-scriptum. A introdução nos apresenta o comum como um princípio político. É extraordinária a busca pelas raízes etimológicas da palavra, "comum" ou "em comum", de Munus - dívida e dádiva. Reciprocidade. Ela nos é apresentada sob o título de: O comum, um princípio político

A primeira parte é dedicada à Arqueologia do Comum, com os seguintes capítulos: 1. O surgimento do comum; 2. A hipoteca comunista, ou o comunismo contra o comum; 3. A grande apropriação e o retorno dos "comuns"; 4. Crítica da economia política dos comuns e 5. Comum, renda e capital.

A segunda parte é dedicada ao Direito e Instituição do Comum, com estes capítulos: 6. O direito de propriedade e o inapropriável; 7. Direito do comum e "direito comum"; 8. O "direito consuetudinário da pobreza"; 9. O comum dos operários: entre costume e instituição; 10. A práxis instituinte.

A terceira parte é dedicada à Proposições políticas. São nove as propostas: 1. É preciso construir uma política do comum; 2. É preciso contrapor o direito de uso à propriedade; 3. O comum é o princípio da emancipação do trabalho; 4. É preciso instituir a empresa comum; 5. A associação deve preparar a sociedade do comum; 6. O comum deve fundamentar a democracia social; 7. Os serviços públicos devem ser instituições do comum; 8. É preciso instituir os comuns mundiais; 9. É preciso instituir uma federação dos comuns.

É impressionante a erudição dos autores. Eles parecem estar brincando com os autores que se dedicaram, tanto ao tema do comum, quanto ao seu termo oposto, qual seja, a propriedade privada. Com isso, todos os grandes temas da política, da pólis, são abordados. Desde os clássicos, passando pelo Direito Romano e germânico, pelo cristianismo primitivo, pelo medieval, pela retomada do tema na idade moderna com a instituição do capitalismo e seus construtores, com destaque para Calvino e John Locke, entre outros, bem como os seus contestadores, com destaque para Proudhon e Marx. 

O comunismo de Estado merece duras críticas, como nos mostra o título do capítulo 2, da primeira parte: "A hipoteca comunista, ou o comunismo contra o comum". O pós comunismo, porém, é o merecedor das maiores críticas com a contestação maior ao comum, pelas chamadas doutrinas neoliberais. Negri e Hardt e David Harvey são os autores mais usados nesta crítica. Enfim, volto a repetir, é um livro para especialistas e não para o leitor comum.  Não me detive na análise e viabilidade das propostas.

O livro tem a seguinte apresentação, em três parágrafos na orelha do livro: "Em Comum, Laval e Dardot respondem ao desafio de encontrar um modo eficiente de enfrentar o neoliberalismo. No livro anterior, A Nova razão do mundo, eles conceituam o neoliberalismo como uma forma de governo que suplementa a subsunção do trabalho ao capital por meio da universalização do princípio da concorrência mercantil. Não se trata, portanto, apenas de uma ideologia ou de um receituário de política econômica, mas de uma racionalidade que pretende estruturar a mentalidade e, assim, o comportamento, tanto dos governantes quanto dos governados, de dominadores e de dominados. Ela quer que todos assumam, por vontade própria, a condição de mero 'capital humano'. Na medida em que a imposição dessa forma de subordinação total ao valor que se valoriza for bem sucedida, o capitalismo conseguirá perpetuar-se.

Os autores querem mostrar, entretanto, que há alternativa ao neoliberalismo e, assim, ao capitalismo - e a base dela é o princípio político do comum. A prática social anticapitalista já tem mostrado que as lutas sociais visam e devem visar a instituição de 'comuns', isto é, à disponibilidade para as pessoas dos meios materiais necessários as suas atividades coletivas - não portanto, como propriedade privada ou como propriedade estatal. O princípio do comum radicaliza a democracia ao instituir o autogoverno das pessoas, que, assim, realizam a própria libertação, seja da dominação explícita do Estado, seja da dominação abstrata do sistema econômico vigente.

O livro Comum quer 'refundar de maneira rigorosa o conceito de comum'. Quer, assim, responder a um anseio generalizado por novas formas de vida em que mulheres e homens se realizem como humanos num mundo ecologicamente preservado. Essas formas já estão nascendo, por meio das lutas travadas pelos movimentos ambientais e sociais no mundo.  Há um caminho mau, que mantém as pessoas na alienação e desemboca no 'reino tirânico e cada vez mais absoluto do capital'. Há, porém, um caminho bom, que pode ser percorrido por uma revolução democrática e anticapitalista. É por esta última senda que os autores convidam a trilhar". Esta apresentação é de autoria de Eleutério Prado. Os autores são professores da Universidade de Paris-Ouest Nanterre-La Defense.

Remeto ainda ao livro anterior dos autores - A Nova Razão do Mundo - Ensaio sobre a sociedade neoliberal. http://www.blogdopedroeloi.com.br/2018/02/a-nova-razao-do-mundo-ensaio-sobre.html


quarta-feira, 6 de março de 2019

História para ninar gente grande. Mangueira 2019.

2019 não é um ano qualquer na história deste país.  Nunca tivemos um presidente tão sem qualidades como o temos hoje. E ressalte-se, eleito pelo povo, sob a condição de mito. Isso é muito triste e que nos trará consequências extremamente funestas. Felizmente existe uma reação. Uma destas reações veio da Avenida, no desfile das escolas de samba. A Estação Primeira de Mangueira nos trouxe uma das maiores aulas de História do Brasil, com o samba História para ninar gente grande.
Uma imagem para a história.

Como o samba fala por si só, ele não preciso de comentários. Com a finalidade de deixá-lo bem à mostra, o deixo neste local permanente de acesso, para que ele seja muito utilizado em salas de aula. O samba deu lugar a personagens invisíveis de nossa história e retirou dos quadros os personagens emoldurados. Particularmente me marcou muito a cena dos bandeirantes. Quem idolatra bandeirante..., o que se pode esperar. Também gostei da substituição do lema positivista pelo índios, negros e pobres, na nossa bandeira. O que um governo sob o lema positivista pode gerar, já o vimos no governo do golpista Michel Temer com o congelamento dos gastos públicos.
Deixo primeiramente a letra do samba. Magnífica letra. Cada tema abordado merece uma pesquisa a parte. A isto é que se chama de formação permanente com a utilização dos mais diferentes meios e fora da história oficial. Segue a letra:   :https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/carnaval/2019/noticia/2019/01/19/mangueira-veja-a-letra-do-samba-enredo-do-carnaval-2019-no-rj.ghtml

Para adquirir a beleza necessária, segue também a música, numa bela interpretação. Lamentavelmente o tempo foi responsável para que não tivéssemos este samba na voz do Jamelão. Mas dá para ouvi-lo, com a sua voz, na esfera do imaginário.:https://www.letras.mus.br/sambas/mangueira-2019/

E, finalmente, esta monumental aula, Aula Magna, ganha vida, a vida da Avenida. Com todos os recursos de voz, de imagem, de som, do visual, do drama, da representação, seguem 60 minutos de uma grandeza profunda. Abram alas para o espetáculo: https://www.youtube.com/watch?v=S_O54zSrRyE


sábado, 2 de março de 2019

A Galinha dos ovos de ouro. Metáfora da ganância.

Em 2018 o Brasil teve um processo eleitoral totalmente atípico. As forças minimamente civilizadas perderam o terreno quase por completo.  Um cio de fera, isto é, de animal em estado de natureza, explicando ainda melhor, sem nenhum revestimento de pudor, imposto pela moral ou pela civilização, tomou conta de grande parte do empresariado brasileiro, vislumbrando ganhos imediatos. Com o tal do coiso, as relações de  trabalhado "deveriam beirar a informalidade", sem nenhuma proteção social legal. O furor deste cio fez com que, praticamente, obrigassem os funcionários a vestirem camisetas nojentas e os forçaram sob pesadas ameaças a votarem no indecente coiso.

A essa elite ralé, antiintelectualista por excelência, escravocrata e predatória por herança, dedico esta fábula, lembrando-lhes que viverão as consequências do encolhimento do mercado interno e a consequente retração de seus negócios. Certamente não lhe faltarão ovos de ouro, uma vez que estes já estão devidamente acumulados, sabe Deus a qual custo. E por falar em Deus, junto a Ele poderão aplacar as dores de suas consciências, oferecendo caridosas esmolas aos milhares de pobres e miseráveis que ajudaram a produzir fartamente. Que a consciência lhes seja pesada. E, ainda uma última observação: Estes homens ricos são os verdadeiros pobres, uma vez que eles possuem apenas o dinheiro. Não possuem o entendimento do humano e da humanidade. Falta-lhes o conhecimento. Então, para eles - segue a fábula:


Era uma vez um casal sem filhos que vivia numa pequena cidade do interior. Eles eram conhecidos por serem muito avarentos e nunca estarem satisfeitos com nada. Se estava sol, queixavam-se do calor; se estava frio e chuva queixavam-se de viver num sítio onde nem sequer podiam sair de casa... Para além do mais, eram capazes de tudo por uma moeda de ouro!

Um dia, um duende brincalhão que por ali passava ouviu o que se comentava na cidade sobre o casal, e decidiu provar se era verdade tudo aquilo que se dizia sobre eles.

Numa tarde em que o marido vinha da floresta carregado com lenha, o duende apareceu-lhe de dentro do tronco de uma árvore e disse-lhe: "Olá bom homem! Sentes-te bem? Pareces cansado e triste... Será que estás com fome ou doente?

O homem, um pouco assustado com a presença do duende, respondeu: "Não...não estou doente nem cansado, e também não tenho fome... nada de mal se passa comigo. Só estou triste porque eu e minha mulher somos pobres e não conseguimos ter muitas coisas boas como gostaríamos de ter... 

Então o duende respondeu: "Se não tens fome nem frio nem estás doente, então alegra-te porque não és pobre!" Mas o homem insistiu: "Sou sim. Um homem que não tem ouro é pobre !"

O duende riu-se e respondeu: "Olha que estás enganado. Eu se quiser posso ter todo o ouro do mundo, pois como sou duende sei onde se escondem todos os tesouros. Mas a mim o que me faz falta é a luz do dia, ter o que comer e uma casa quentinha onde possa dormir descansado. Além disso preciso de ter saúde e ser forte para poder caminhar e apreciar tudo o que me rodeia. E como tenho tudo isso sou muito rico e feliz!

"Disparate!" Disse o homem, e insistiu "Ser pobre quer dizer que não se tem ouro. E como eu não tenho ouro não posso ser feliz".

"Tenho muita pena de ti homem", disse-lhe o duende "E para que sejas feliz como achas que deves ser, vou dar-lhe uma galinha que todos os dias porá um ovo de ouro. Só terás de esperar e recolher todos os dias um ovo. Não tarda nada, terás todo o ouro que sempre desejaste ter e tu e a tua mulher serão felizes para sempre".

Do tronco onde estava o duende saiu uma galinha que cacarejava alegremente. O homem, espantado, colocou-a rapidamente debaixo do braço e desatou a correr ladeira abaixo direitinho a casa, enquanto o duende ria às gargalhadas. Assim que entrou em casa mostrou à sua esposa a galinha e contou-lhe tudo o que tinha acontecido.

Marido e mulher ficaram toda a noite à espera que a galinha pusesse o tão desejado ovo de ouro. De manhã cedo, a galinha começou a cacarejar e, pouco depois, surgiu debaixo dela um enorme e brilhante ovo de ouro!

Ao verem o ovo, o casal ficou radiante mas, minutos depois, a mulher comentou: "Que chatice... teremos de esperar até amanhã para termos outro ovo de ouro!" Ao que o marido respondeu: "Pois é...que azar. Terão de passar muitas semanas até termos ovos suficientes para sermos os mais ricos da cidade. Devia ser por isso que o duende se ria às gargalhadas quando me deu a galinha".

Então a mulher lembrou-se: "Sempre ouvi dizer que as galinhas já tem dentro delas todos os ovos que vão pôr... Se isso é verdade, porque é que não matamos agora a galinha e tiramos todos os ovos de ouro de uma vez? Seremos bem mais espertos do que o duende pensa!" 

O homem concordou, e sem hesitar, pegaram na pobre galinha e abriram-na para assim poderem tirar todos os ovos. Mas qual não foi o espanto do casal ao ver que dentro da galinha não havia nenhum ovo de ouro...Marido e mulher começaram a praguejar e a chorar, lamentando-se da sua sorte, pois por ganância tinham perdido para sempre a galinha dos ovos de ouro.

Espreitando pela janela, o duende ria-se e abanava a cabeça, pensando que a verdadeira felicidade não está em ter ou não ter ouro mas está no coração de cada um.

Também, neste mesmo sentido, recomendo, do rico folclore gaúcho a lenda da Salamanca do Jarau. Nela, o dinheiro, ou o ouro, só tinha valor quando era para atender a uma necessidade real, que não a da acumulação.