terça-feira, 20 de fevereiro de 2024

INCIDENTE EM ANTARES. Érico Veríssimo.

Se rememorar os fatos é um sinal de velhice, definitivamente, estou sendo atingido. Estou ficando velho. Me bate cada saudade! Decidi fazer uma série de releituras. Érico Veríssimo e José Saramago, para começar. Já comecei: Incidente em Antares foi o primeiro. Seguirei, depois, com os sete volumes de O tempo e o vento. Começar pelo Incidente em Antares, também tem o seu saudosismo. Por este livro iniciei a introdução da leitura de romances em minhas aulas, lá nos idos da década de 1970. A repercussão foi extraordinária. É evidente que a escolha do livro em muito ajudou. O livro foi lançado em 1970. O escritor nasceu em 1905 (Cruz Alta) e morreu em 1975 (Porto Alegre). O exemplar que eu tenho em mãos data de 1974, 11ª edição. A obra foi adquirida em 1975.

Incidente em Antares. Érico Veríssimo. Ed. Globo (Porto Alegre). 11ª edição. 1974.

Ao final do livro, com anotação a lápis, estão apontadas cinco questões, com as quais eu apontava os pontos a serem melhor observados: 1. As posições dos antarenses com relação à greve; 2. Principais momentos em que aparece a moral em seu tom marcadamente social; 3. Principais momentos de comportamentos autoritários; 4. Os dois padres - o seu pensamento; 5. Principais momentos no coreto. Era um "policiamento" da leitura.

Incidente em Antares (1970), está dividida em duas partes: Na primeira, aparece o histórico da cidade, desde as suas mais remotas origens, a escolha do nome, a sua localização geográfica (nas barrancas do rio Uruguai, na fronteira com a Argentina), e sobretudo, a descrição de suas tradições e costumes e a formação das famílias tradicionais, das quais emergem os notáveis da sociedade, que serão os protagonistas do Incidente, do qual se ocupa a segunda parte do romance.

O Incidente ocorre no dia 13 de dezembro do ano de 1963, dia em que eclode na cidade uma greve geral na "progressista" cidade, envolvendo os trabalhadores das primeiras indústrias (multinacionais) que se instalaram na cidade. No dia, estão para serem enterradas sete pessoas da sociedade local, com destaque para Dona Quitéria Campolargo, a matriarca de uma das grandes famílias tradicionais e, outrora rivais. Os demais mortos são o advogado (Dr. Cícero), um sapateiro anarquista, um operário morto sob tortura (suposto chefe do grupo dos 11), um pianista (Ah, as mãos!), uma prostituta, e um dos cachaceiros famosos, o pudim de cachaça. Acontece que os coveiros também participavam da greve. A greve é geral. Aí é que ocorre o Incidente.

Os mortos, sob a liderança do advogado, se levantam de seus caixões, se dirigem, primeiramente às suas casas, e, ao meio dia, ocupam o coreto da principal praça da cidade. Dá para imaginar o tamanho do entrevero. Primeiramente os flagras e depois as denúncias. Os notáveis da cidade se reúnem para tomarem decisões. Os notáveis não são necessariamente sábios ou corajosos. Uma ironia profunda. Os mortos não sofrem as consequências de suas falas. Como terminará este terrível Incidente. Os jornalistas de Porto Alegre chegam para a cobertura da insólita ocorrência. Para apagar os fatos da memória e apagar as "caluniosas" denúncias é lançada uma grande "Operação Borracha" e um glamoroso jantar festivo é realizado, em desagravo aos atingidos, facilmente imagináveis. Alguns dos fatos ou relatos merecerão posts especiais.

O livro é uma memória viva dos principais fatos políticos do entorno político de 1964, mas que retrocede aos fatos da escravidão e da República Velha e às tradicionais rivalidades políticas do Rio Grande do Sul. Antares, uma cidade fictícia, facilmente poderia ser nominada com as maiores cidades das barrancas do rio Uruguai, costeando a Argentina.  No livro aparece até um estudo, uma pesquisa universitária sobre o perfil da cidade. A ironia, ou a sátira, é a forma encontrada para desvelar todo um status quo das estruturas sociais, políticas, econômicas, religiosas e fundiárias da sociedade local. A figura da máscara e de seu uso cotidiano está onipresente. É um livro da fase final da vida do escritor. Ele morrerá, logo a seguir, em 1975. No romance estão também bem expressas as suas concepções ou visões de mundo. Sempre um humanista.

Nas orelhas do livro temos uma bela contextualização: "Quando pedimos a Érico Veríssimo que nos escrevesse um sinopse da história do Incidente em Antares, o romancista respondeu que preferia não correr o risco de imitar aquele tradutor que, segundo conhecida anedota, deu à versão portuguesa duma novela policial inglesa o título de Misterioso Crime Cujo Culpado Foi o Próprio Mordomo do Castelo. E acrescentou: 'Para falar a boa verdade, em todo romance ou novela, policial ou não, o verdadeiro criminoso é sempre o autor. O editor é cúmplice. O leitor, a vítima. O crítico, esse acumula as funções de detetive, juiz e, não raro, carrasco.

Abre o volume uma nota do autor: 'Neste romance as personagens e localidades imaginárias aparecem disfarçadas sob nomes fictícios, ao passo que as pessoas e os lugares que na realidade existem ou existiram são designados pelos seus nomes verdadeiros'.

Veríssimo começa a narrativa com referência à pré-História, ao Pleistoceno, com seus gliptodontes e megatérios. Depois, dando no tempo um salto de um milhão de anos, traz a ação a 1831, às origens mesmas da futura Antares. Durante toda a primeira parte do volume, o leitor fica conhecendo a história dessa localidade, bem como das duas oligarquias rivais de cem anos. Trata-se, em suma, duma espécie de apresentação do palco, do cenário, bem como das personagens principais e da numerosa comparsaria que, através de seus descendentes, serão envolvidos no dramático 'Incidente' de sexta-feira, 13 de dezembro de 1963.

A segunda parte, cuja duração é muito menor em tempo de calendário, embora ocupe mais espaço tipográfico, mostra o incidente propriamente dito e suas consequências. Trata-se dum romance 'desmobiliado', em que predominam a ação e o diálogo. Problemas políticos, econômicos e sociais são nele tratados com uma franqueza e uma objetividade jamais atingidas pelo autor em obras anteriores.

Érico Veríssimo considera Incidente em Antares  uma espécie de estuário em que desaguam rios e riachos de várias de suas tendências e características como escritor. A pitada de fantástico que dá ao livro um sabor exótico vem de alguns contos que ele escreveu entre 1929 e 1931, quando ainda vivia em Cruz Alta. O espírito desta narrativa é muito mais acentuadamente satírico do que em Caminhos Cruzados e O Senhor Embaixador. 'Desta vez' - confessa o autor - 'abri a veia da sátira e deixei seu sangue escorrer livre e abundantemente'.

Como tantos outros romances de Veríssimo, Incidente em Antares tem um caráter panorâmico, uma vasta galeria de personagens, entre os quais se conta também a própria cidade em que se passa a história. Muitos dos problemas humanos de nosso tempo encontram expressão nesse microcosmo criado com visível deleite pelo autor de O tempo e o vento".

Na pagina de abertura lemos uma importante caracterização da obra, sem assinatura: "Não é pequena (e é certo que não será sem proveito) a ironia deste livro contra 'a grandeza' de inúmeros fatos e homens do Brasil. Esta é uma obra escrita sem medo e contemplações, que rememora e adverte lucidamente. Jamais o romancista exprimiu com tal desafogo sua descrença em decantados 'heróis', aqui despojados do inútil brilho das comendas e reduzidos ao verdadeiro tamanho. Nunca tivemos um Érico Veríssimo assim político, o que vale dizer, em rigorosos termos brasileiros, assim apoderado de tão amargas razões, que ele ameniza com seu tom sempre jovial de escrever e com uma bem jogada configuração de sátira que impõe à narrativa".

O livro é longo e denso. A primeira parte vai até a página 188; elas são divididas em 79 pequenos capítulos. A segunda ocupa as páginas restantes, até a 485, divididas em mais 102 capítulos. É um daqueles livros que você não consegue parar de ler e que fica triste quando ele termina, porque você quer muito mais. Monumental Érico Veríssimo!


terça-feira, 13 de fevereiro de 2024

A reforma empresarial da educação. Nova direita, velhas ideias. Luiz Carlos de Freitas.

Antes da resenha do livro A reforma empresarial da educação - Nova direita, velhas ideias, de Luiz Carlos de Freitas, algumas considerações gerais em torno da educação escolar. Ela é uma invenção da modernidade, como consequência do Esclarecimento pela razão, dos avanços científicos e da nova realidade provocada pelo processo de industrialização e de urbanização. Dois foram sempre as suas grandes finalidades: alfabetizar e socializar, somadas a formação profissional exigidas pelas novas estruturas da sociedade. Os estados assumiram estas funções, através dos chamados Sistemas Nacionais de Educação, que levaram a um sistema de ensino universal, público, gratuito e obrigatório.

A reforma empresarial da educação. Nova direita, velhas ideias. Luiz Carlos de Freitas. 2018. Expressão popular.

A educação escolar era apresentada como o grande elevador social, para aqueles que, nas revoluções burguesas, foram excluídos dessa ascensão pela via patrimonial. É óbvio que isso tudo gerou inúmeros debates e essa educação sempre foi motivo de preocupação sobre os controles desse fabuloso instrumento que é a educação pública. Vá que apareça algum Paulo Freire! Assim a educação escolar se transformou num grande campo de disputas, fortemente marcadas pela presença da ideologia. Deixo também uma recomendação de leitura dessa história. O livro de Lorenzo Luzuriaga: A história da educação pública, do qual tenho uma pequena resenha:

http://www.blogdopedroeloi.com.br/2013/06/a-historia-da-educacao-publica.html

Também deixo dois textos sobre o que ocorreu com o controle dos currículos, ou, em outras palavras, com a preocupação do que pode e não pode ser ensinado, a partir do ponto de vista das classes dominantes. O primeiro eu elaborei, mas o segundo é a íntegra do texto, a partir de muitos pedidos. Vamos a eles:

http://www.blogdopedroeloi.com.br/2015/11/qual-e-razao-para-se-controlar-tanto-os.html

http://www.blogdopedroeloi.com.br/2016/05/esta-o-professorado-perdendo-o-controle.html

Antes ainda uma citação, retirada do livro O educador - um perfil de Paulo Freire, de autoria de Sérgio Haddad. Contextualizo antes. Era o dia 2 de abril de 1963, em Angicos (RN). Formatura da primeira turma do processo de alfabetização de Paulo, com muita solenidade, falas e presença de Jango, presidente da República. Havia também uma outra presença, o general Castello Branco, então comandante da quarta região militar, sediada no Recife, e primeiro dos ditadores do golpe de 1964. Vejamos: "Ao final da solenidade, o general Castello Branco comentou com Calazans Fernandes que o trabalho realizado em Angicos o preocupava, pois serviria 'para engordar cascavéis nesses sertões'. No jantar oferecido naquela noite de 1963, o general disse a Paulo que já havia sido alertado sobre o seu caráter subversivo - e que agora estava convencido disso por sua defesa de uma 'pedagogia sem hierarquia'". Creio que o problema está bem situado. Então vamos ao livro do Freitas.

Uma primeira observação: o subtítulo. Nova direita, velhas ideias. Um dos orgulhos de minha formação é a de ter passado dois anos dela na PUC/SP, no Programa de História e Filosofia da Educação. Foram os anos de meu maior aprendizado. E agora, lendo o livro, reencontrei o essencial dos projetos ali estudados, especialmente as ideias gerais do neoliberalismo de Hayek e o que fazer com as escolas, de Milton Friedman, este já da famosa Escola de Chicago. O que é novo é a Nova direita. Muito mais perversa e de profunda desfaçatez.

Confesso também, que demorei um pouco para entender a raiz dos projetos educacionais do governo do Paraná, especialmente no governo do Rato Júnior. Como sou um professor aposentado, não tenho acesso tão fácil a documentos oficiais e também concluí que as atuais políticas são muitos mais pontuais do que por projetos efetivamente estruturados. A ficha me caiu ao ouvir uma fala do secretário de educação Roni Miranda, que assumiu a secretaria da educação em substituição a Renato Feder, um bem sucedido comerciante. Dizia o secretário que conhecia Izolda Cela, atual número dois, do MEC. e ex secretária de educação do município de Sobral, no Ceará. A partir desse dado entendi muita coisa. Custei a acreditar!!!.

SOBRAL. Vamos ao livro: "No Brasil, a cidade de Sobral, no Ceará, tem sido o nosso 'milagre do Texas'. Não há estudos aprofundados sobre o caso, mas os indícios apontam que o alegado 'sucesso' de Sobral se deve a uma decisão de adotar políticas de responsabilização baseado em testes". Eis a essência das políticas preconizadas pela nova direita. Freitas continua falando de Sobral:

"Como disse o prefeito da cidade a uma reportagem da Folha de S.Paulo (Takahashi, 2015): 'A nossa preocupação é com o arroz com feijão bem feito, sem pedagogês que não dá resultado'. O 'arroz com feijão' curricular está alinhado às apostilas e aos exames:

os estudantes passam por uma bateria de avaliações. Além das provas aplicadas pelos próprios colégios, que são no mínimo mensais, são feitas semestralmente avaliações do município, com equipes de fora do colégio. Também há os exames dos governos estadual e federal.

Em relação ao material didático, ele afirma que: 'Parte do material pedagógico é feito pela rede, parte por empresa terceirizada. Em comum há a determinação do que deve ser ensinado a todos, diariamente'. Para garantir controle, os resultados nos testes dos alunos orientam a remuneração dos professores das escolas. Segundo um diretor de escola: 'A gratificação por desempenho é o que alimenta a vontade de continuar melhorando'.

No entanto, uma reportagem do Jornal GGN  feita por Villas-Boas (2017), que passou três meses investigando Sobral, mostra uma visão diferente:

Sobral se destaca por ter, de fato, realizado medidas administrativas boas, mas também por ter manipulado engenhosamente o Ideb, o que testemunham diversos educadores do próprio sistema público do município e ligado a eles.

No caso da aprovação, por exemplo, diferentes professores contam que alunos bons do mesmo ou de outros anos são postos para fazer provas de alunos ruins ou doentes ou detentos, por orientação de alguns professores, que recebam, como renda variável, em torno de 500 reais a mais no salário quando a nota do Ideb é boa. Casos em que alunos recebem notas maiores do que realmente tiraram, a título de 'motivação', também são corriqueiros, conforme reforçam alguns pais de alunos, que ouviram isso em reunião entre professores, pais e alunos.

Uns acham que a Secretaria Municipal de Educação não sabe, outros acham que ela finge que não sabe desses fatos. Se este autor os descobriu em apenas três meses de pesquisa, a prefeitura de Sobral, comandada pelo mesmo grupo há vinte anos, deveria ter conhecimento.

A reportagem ainda afirma que:

Quanto ao aprendizado, também há manipulações, segundo os educadores. Todo o programa é focado em Português e Matemática, disciplinas do Ideb, ficando as demais matérias em segundo plano ou em plano nenhum.

Um professor de História contou que recebe alunos de outra escola e pergunta quem era o professor deles antes, então eles frequentemente respondem que mal viam a disciplina, o que o deixa desacreditado e triste com o sistema. Páginas 135-137.

Creio que com este trecho sobre Sobral, praticamente todos os elementos da reforma empresarial da educação já estão presentes. Mas façamos um confronto com uma síntese dessas reformas: "Ao controle da gestão via privatização (por terceirização e/ou vauchers), complementado com o controle do processo pedagógico (por meio de uma base nacional comum curricular (BNCC) e sua irmã gêmea, a avaliação censitária (Saeb), inserida em políticas de responsabilização, somam-se: a) o controle das agências formadoras do magistério, via base nacional da formação de professores, e b) o controle da própria organização da instrução, por meio de materiais didáticos e plataformas de aprendizagem interativas. Ao redor da escola floresce um mercado de consultorias e assessorias destinadas a lidar com todas essas exigências". Página104.

O livro não é longo. Tem 160 páginas. Está estruturado em uma apresentação e 10 pequenos capítulos, que passo a apresentar: Introdução. (Apresentação do tema e um breve histórico - os anos 1990 até o golpe de 2016). 1. Origens e fundamentos da reforma: breve contextualização (teoria e história do neoliberalismo - liberalismo econômico e autoritarismo social - Friedman e os vouchers - um individualismo violento contra os direitos coletivos - golpes para assegurar a liberdade). 2. Os novos reformadores (Contra o Estado, mau gestor, a eficiência do mercado - controle empresarial da educação - vouchers - a moldagem da escola pelo mercado - destruição das redes públicas de ensino - Bush e o Texas - padronização curricular e aferição por avaliações - metas controles e remuneração por meritocracia - adaptar a educação ao 4.0). 

3. Privatização ou publicização? Existe "meia" privatização? (Organização empresarial - privatização via vouchers e terceirizações -  financiamento público e gestão privada - instituição de controles). 4. Evidência empírica, ética e privatização (o essencial é privatizar - A transformação de um direito em um serviço disponível no mercado - ética do êxito individual - educação sem a meta da igualdade - segregação) 5. Padronização, testes e accountability: a dinâmica da destruição. (Padronização via currículos e aplicação massiva de testes e responsabilização de escolas e professores - remuneração e punições de acordo com os resultados - Meritocracia). Um capítulo essencial. 6. Obstruindo a qualidade da escola pública: mais implicações éticas ( A padronização - os testes - BNCC - a responsabilização dos professores e das escolas - remuneração e punições). 7. Controlar o processo, precarizar o magistério (Controle ideológico - ódio contra os professores - plataformas online - trabalhador desqualificado e dependente da tecnologia - "o professor trabalhará mais se estiver com sua cabeça a prêmio todo dia" - fim da estabilidade - de salários iguais - da previdência e sindicalização - premiações por mérito)

8. Impactos nos estudantes: "toda a escola, seeentido"! (Novos padrões cognitivos e morais, contidos na avaliação padronizada - O sócio-emocional - competição em vez da solidariedade - Tolerância zero nas escolas - a militrização - A escola prisão - para "civilizar" as crianças - escolas e criminalização - supressão das artes e da música. 9. Um outro horizonte é possível. (Discutir para além dos currículos padronizados - as estruturas da sociedade - "Em educação não pode haver perdedores, só pode haver ganhadores). 10. Uma proposta para a resistência, com a apresentação de 20 tópicos. É nesse capítulo que o autor traz a escola SOBRAL. Há ainda uma rica indicação da bibliografia utilizada.

Apresento ainda a síntese das orelhas: "Este livro é escrito em um momento em que as ideias neoliberais retornam ao cenário brasileiro com força; ele procura caracterizar as origens das reformas empresariais da educação em curso no Brasil, aceleradas após 2016, mostrando que elas são dependentes de uma concepção de educação baseada na defesa do livre mercado (Hayek, Friedman e Buchanan).

Este conceito de sociedade entende que a qualidade da educação depende da inserção das escolas, professores e estudantes em um mercado concorrencial, do qual ela emergeria, então, sem interferência do Estado. Deriva daí o conjunto de recomendações que propõe privatizar a educação (por terceirização e/ou vouchers) e instalar processos de padronização da educação através da dinâmica entre bases nacionais comum curriculares, sistemas de avaliação baseados em testes censitários e responsabilização meritocrática como indutores da inserção da educação no mercado.

Depois de caracterizar o movimento da reforma empresarial, são apresentados dados evidenciando que os efeitos negativos destas políticas nas escolas, no magistério e nos estudantes não autorizam, do ponto de vista ético, sua aplicação nos sistemas de ensino, inclusive porque elas impedem o desenvolvimento de outras formas mais promissoras de se mudar a escola pública e favorecem a estagnação de sua qualidade. Finalmente, são apontados elementos para uma política alternativa e um programa para a resistência".

Duas observações finais: No Brasil as fundações educacionais são os novos Think tanks dessa concepção de educação e uma frase do nosso ex senador e governador Roberto Requião, numa manifestação pública. O nosso modelo de educação deve ser inspirado em Paulo Freire e não em Sobral. Devo ainda dizer que escrevi este post com profunda tristeza. Não é esta a educação que queremos! O livro é da Expressão popular, do ano de 2018.






segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

"Condenado à liberdade para sempre". IDADE DA RAZÃO. Jean-Paul Sartre.

"Estava só (Mathieu) em meio a um silêncio monstruoso, só e livre, sem auxílio nem desculpa, condenado a decidir-se sem apelo possível, condenado à liberdade para sempre". (Página 299 de Idade da razão). De tudo o que eu estudei de Sartre, ao longo de minha vida, esse conceito emerge espontaneamente. "O homem está condenado a ser livre". Trago comigo, inclusive, desde os idos de 1968, o ano de minha licenciatura, o livrinho O existencialismo é um humanismo, do qual emana esse conceito da condenação pela liberdade.

Idade da razão. Abril. 1972.

Agora, por ter em casa a coleção Os imortais da literatura universal, enveredei pela obra literária de Sartre, com a leitura de Idade da razão. Como de hábito, vamos às primeiras contextualizações da obra, dizendo antes, que deste livro, emana ou está condensado também todo o saber filosófico do autor. O livro, que faz parte de uma trilogia, teve a sua primeira publicação no enigmático ano de 1945, ano do término da Segunda Guerra Mundial, mas não das guerras, mundo afora. Tempo de profundas aflições e de interrogações em torno do significado do existir. Poucas respostas havia para um mundo de interrogações. Sartre nasceu no ano de 1905, em Paris, cidade na qual também morreu, em 1980. A Segunda Guerra Mundial foi precedida pelos regimes totalitários do nazismo, do fascismo, do franquismo e do stalinismo. 

Possivelmente Sartre tenha sido o último intelectual influente no mundo. Por influente, entendo ser ouvido. Sartre era um intelectual respeitado. E como tal, tomou partido e não se ausentou da militância política, tornando-se, por isso mesmo, muito polêmico. O livro de seu amigo Albert Camus, O homem revoltado, é, inclusive, considerado como o livro da Guerra Fria, no campo literário. Ainda não havia os influencers baratos do nosso tempo. Vou apresentar dados do livro de contextualizações e mini biografias que acompanha a coleção, para localizar as origens do pensamento do grande filósofo:

"Atraído pela fenomenologia, Sartre solicitou uma bolsa de estudos para passar um ano em Berlim (1933). Além da doutrina de Husserl, o jovem professor francês investigou as teorias existencialistas de Heidegger, Karl Jaspers e Max Scheler, que aprofundavam as ideias de Kirkegaard sobre a angústia da existência humana. No espírito de Sartre, começava a amadurecer uma nova filosofia, misto de existencialismo e fenomenologia". Sartre usou muito do teatro e da literatura para expor o seu pensamento. Vejamos isso expresso no nosso livro guia da coleção:

"Expresso no teatro e no ensaio, o problema da ação e da liberdade constitui o tema dos romances  que compõem a trilogia Os caminhos da liberdade.

Em A idade da razão (1945), primeira parte da obra, as questões individuais dominam; a história e a política aparecem como pano de fundo. Mathieu Delorme, jovem professor de filosofia, procura a liberdade "pura", sem compromissos de qualquer espécie, Brunet, ao contrário, personifica a renúncia da liberdade em favor do engajamento político. O ...................  Daniel (omiti um qualificativo para não roubar a expectativa do leitor) ilustra a tese, bastante difundida nos anos 30, de que o ato gratuito, sem qualquer motivo, é a única prova concreta da verdadeira liberdade. Na visão de Jacques, irmão de Mathieu, atingir a "idade da razão" significa abandonar os sonhos juvenis sobre a 'liberdade' e casar-se, ter um trabalho, uma vida regular (uma vida burguesa). Mas nem Mathieu, nem Brunet, nem Daniel podem aceitar tal perspectiva, que implica, para eles, uma 'morte interna'''. Embora a minha leitura tenha se atido ao primeiro volume da trilogia, para efeitos de contextualização maior, apresento também a essência dos outros dois:

"Em Sursis (1945), o segundo volume, os acontecimentos políticos são relatados paralelamente à vida íntima das personagens, de modo a revelar que os destinos individuais são, na verdade, determinados pela marcha da história, tornando-se assim ilusória a busca pessoal da liberdade. Apenas um compromisso com a história pode dar sentido à existência, conclui o escritor. As personagens, contudo, esperam ingenuamente que os Acordos de Munique evitem a guerra e a necessidade de um engajamento pessoal. É um período de sursis (espera), no qual a tempestade apenas aguarda a hora de desencadear-se.

Com a morte na alma (1949) é a terceira parte da obra. A ação transcorre em plena guerra, quando Mathieu é levado a engajar-se. Mas é um engajamento gratuito; ele arrisca a vida apenas para retardar de algumas horas a investida alemã. Brunet, aprisionado, procura organizar os companheiros para a revolta. Apesar dessa atitude corajosa, permanece escravo das ordens - mesmo absurdas - de seu partido. Daniel fica em Paris, colaborando com os ocupantes". São questões complicadas e existe muita literatura a respeito. No Brasil, é interessante ver a obra de Jorge Amado, de quem, por sinal, Sartre era amigo.

Bem, voltemos ao Idade da razão. Mathieu e Marcelle são os personagens centrais. Estão envolvidos em um caso de gravidez de Marcelle. A partir daí são discutidos o aborto, o casamento, o amor e as convicções das pessoas, bem como a firmeza em torno dessas mesmas convicções. Isso envolve os diferentes personagens e as diferentes convicções. E para realizar um aborto é necessário ter dinheiro. Teria que ser feito clandestinamente, ou por médico ou por charlatões. E como se faz para obter o dinheiro? Devo dizer ainda que o romance flui, a leitura te pede continuidade. Boates, dancings, noitadas de bebidas formam a ambientação do romance, do qual deixo as frases finais:

"Sentia ainda no fundo da garganta o calor adocicado do rum. Bocejou. O dia estava acabado e acabava sua mocidade. Morais comprovadas já lhe ofereciam seus serviços. O epicurismo desabusado, a indulgência sorridente, a resignação, a seriedade do espírito, o estoicismo, tudo isso que permite apreciar, minuto por minuto, como bom conhecedor, uma vida malograda. Tirou o paletó, pôs-se a desfazer o nó da gravata. Repetia bocejando - Não tem dúvida, não tem dúvida, estou na idade da razão". Deixo ainda a resenha de O homem revoltado de Albert Camus.

http://www.blogdopedroeloi.com.br/2023/07/o-homem-revoltado-albert-camus-nobel.html

sexta-feira, 26 de janeiro de 2024

AS RELAÇÕES PERIGOSAS. Choderlos de Laclos.

Nota de rodapé da página 309: "Foi com esta correspondência, com a que a Sra. de Tourvel entregou ao morrer, e com as cartas confiadas à Sra. de Rosamonde pela Sra. de Volanges, que se formou a presente coletânea, cujos originais continuam em mãos dos herdeiros da Sra. de Rosamonde". Apresento esta nota para dar a centralidade desta tão diferenciada forma de contar as histórias de um romance. A Sra. de Rosamonde é tia do Visconde de Valmont e "amigo" do cavaleiro Danceny, namorado de Céline de Volanges, filha da Sra. de Volanges, que junto com a marquesa de Merteuil, são os principais personagens do romance - As relações perigosas, de autoria do francês Choderlos de Laclos.

As relações perigosas. Choderlos de Laclos. Abril. 1971.

O romance compõem-se exclusivamente de cartas, com algumas notas explicativas de rodapé, caso único, ao menos do meu conhecimento, de um romance escrito dessa forma. São ao todo CLXXV (cento e setenta e cinco cartas) cartas. O romance apareceu pela primeira vez no ano de 1782. Choderlos de Laclos nasceu no ano de 1741 e morreu em 1803. O romance é uma minuciosa crônica da época. O principal fato da época é fácil de detectar: o acontecimento de 1789, ou seja, o da revolução burguesa, ocorrido na França nesse ano. O romance, então, como uma descrição de seu tempo, nos remete aos momentos anteriores da Revolução Francesa, possivelmente, a revolução de maiores consequências de toda a história da humanidade. É a descrição de todo o tipo de patifarias de uma casta social que insistia em retardar os privilégios de uma época. Uma fruta apodrecida que insistia em não cair de sua árvore. Uma crônica de costumes, de costumes depravados, de moral putrefata.

As cento e setenta e cinco cartas ocupam 319 páginas, com letrinhas de quase necessidade de lupa para a efetuação da leitura. Está dividido em duas, ou três partes (conforme a edição), mas isso não faz grande diferença. O romance simplesmente segue uma sequência na ordem do acontecimento dos fatos. Os fatos fluem e a leitura prende a tua atenção. As cartas são curtas. Apenas as dos personagens mais perversos, como as do Visconde de Valmont e da Marquesa de Merteuil são um pouco mais longas. Uma página seria insuficiente para conter tanta maldade. Até a aparentemente boazinha menina, Cécile de Volanges (15 anos) é de um aprendizado rápido e fácil das maldades... E, como se aproveitam dela... Considerei que o livro seria de facílima adaptação para uma novela de televisão dos nossos tempos.

Nas análises que faço dos livros da coleção Os imortais da literatura universal, costume me servir das pequenas biografias e contextualização de obra que acompanha a coleção. Isso faz ainda mais sentido no caso de Laclos, um escritor não tão conhecido, em nossos tempos. Vejamos o que está dito sobre As relações perigosas. Antes ainda, deve ser dito, que Laclos era militar de carreira. Agora sim, vejamos: "Ser militar e escrever versos não lhe bastava mais. Queria fazer algo maior, como redigir um livro 'que fizesse escândalo e fosse comentado mesmo depois de sua morte'. Isso o levou a uma licença de seis meses para realizar esta sua façanha, com a qual ele tinha dois objetivos: "Desejava escrever contra os aristocratas, vis parasitas sentados no poder, e conquistar a glória através das letras". Em 1782 o livro estava pronto e o sucesso foi imediato. Conta-se que até a rainha Maria Antonieta, mulher de Luís XVI tinha um exemplar. Mas o que dizia o livro?:

"Diz um cronista da época que a marquesa de Coigny, após ler a obra, ordenou a seus criados: 'Aquele senhor magro e amarelo, de roupa preta, que vem aqui frequentemente... não estou mais para ele... Se ficar sozinho em sua presença, terei medo'. 

Escrito sob a forma de cartas trocadas entre as personagens, As relações perigosas mostra a decadência moral da sociedade aristocrática do século XVIII. A intenção do autor aparece claramente expressa no frontispício do romance, onde se lê: 'As relações perigosas, ou Cartas Recolhidas em uma Sociedade e Publicadas para a Instrução de Algumas Outras. Em seguida há a citação de Rousseau, tirada do prefácio da Nouvelle  Héloise: 'Vi os costumes de meu tempo, e publiquei as cartas'.

A história gira em torno do Visconde de Valmont e da Marquesa de Merteuil, indivíduos totalmente amorais e dedicados à 'arte da libertinagem', jogo ao qual se aplicavam com afinco os jovens ociosos da alta sociedade. A princípio interessado em conquistar a Sra. de Tourvel, mulher casada e virtuosa, Valmont acaba aceitando a contraproposta da sra. de Merteuil, empenhando-se na conquista da inocente Cécile de Volanges, noiva de Danceny. Assim teria a oportunidade de vingar-se do homem que, há muito tempo, o derrotara na conquista da própria Sra de Merteuil. Com uma frieza incrível e uma técnica perfeita, minuciosamente descrita, Valmont realiza com brilhantismo, a conquista de ambas: Cécile e a Sra de Tourvel".

É fácil de imaginar que o Cavaleiro Danceny, em nada gostou dessa história. Mas isso fica para o leitor descobrir. O autor, ao final, também adverte ao leitor de que ele não terminou de contar toda a história, deixando-a inconclusa. Adverte também que trocou todos os nomes. Assim toda a nobreza podia se sentir descrita. O livro necessariamente contém muita ironia, sátira, ódio, vinganças, trapaças e todas as maldades possíveis. Mas eu quero dar destaque a uma passagem sobre o ódio, devido a sua omnipresença nos dias de hoje, especialmente, na atual conjuntura brasileira. Ela é descrita pela presidenta de Tourvel: 

"Deixa-me cruel! Que novo furor te anima? Receias que um sentimento doce penetre em minha alma? Redobras meus tormentos; obrigas-me a te odiar. Oh, como o ódio é doloroso! Como corrói o coração que o destila! por que me perseguis ainda? Que podeis querer dizer-me ainda? Não me pusestes na na impossibilidade tanto de vos escutar como de vos responder? Não espereis mais nada de mim. Adeus senhor". É. O ódio interdita qualquer possibilidade de interlocução e de entendimento.



segunda-feira, 15 de janeiro de 2024

Viagens de Gulliver. Jonathan Swift.

"Desta maneira, leitor amável, contei-te história fiel das minhas viagens durante dezesseis anos e mais de sete meses, na qual me preocupou menos o ornamento que a verdade. Eu te poderia, talvez, como outros, haver maravilhado com estranhas e improváveis narrativas; mas preferi relatar singelamente os fatos, da maneira e com o estilo mais fáceis, porque o meu intuito principal era informar-te, e não te divertir". Assim inicia o capítulo final do livro Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift.

Viagens de Gulliver. Jonathan Swift. Abril. 1971.

Confesso que antes da leitura do livro, li a pequena biografia do autor, que acompanha a coleção dos Imortais da Literatura Universal. Também confesso que a sua biografia me tirou um pouco a vontade da leitura de seu livro, ou melhor, da boa vontade de sua leitura. Uma vida cheia de complicações e de indefinições. Muitas mudanças de lado. Swift nasceu na Irlanda, no ano de 1667 e morreu, também na Irlanda, em 1745. Não obstante, ele se considerava mais inglês do que irlandês. Importante observar as datas para, a partir delas, lançar um olhar sobre a política inglesa do período. Tempos de colonialismo e de lutas entre católicos e protestantes, entre os whigs e os tories. Swift pertenceu a ambos, conforme os ventos lhe soprassem favoráveis. Mas, vamos a obra, da qual já apresentei um ponto de vista, a partir do autor.

Primeiramente tomo do livro de biografias as anotações referentes à obra: "Possivelmente ninguém mais adoecia em Londres. Ou então as doenças eram tão fulminantes, que nem havia tempo de recorrer-se ao médico. De qualquer modo, um dia o consultório do Dr. Lenuel Gulliver se viu entregue às moscas. Diante das dificuldades financeiras, o médico embarcou no primeiro navio disponível, como cirurgião de bordo. Mas o navio, mal se pôs ao largo, naufragou. Após muito nadar, Gulliver foi ter a um prado macio e solitário, em cuja relva verde adormeceu. Ao despertar, não pode mover-se: estava atado ao chão por finos cordéis e guardado por minúsculas figuras humanas. Chegara ao país Lilipute.

Homem inteligente, não tardou a aprender a língua da terra e conquistar a confiança de seus habitantes. Em pouco tempo era amado por muitos e invejado por alguns, que pacientemente tramavam intrigas para afastá-lo. O rei acabou ouvindo-as e Gulliver teve de abandonar seus pequenos amigos e retornar a Inglaterra. Afinal, os dois países eram bem parecidos; talvez só se distinguissem pela língua e pelo porte dos habitantes. As lutas entre facções opostas eram as mesmas. A miséria, as revoltas, a morte não poupavam Lilipute nem a Inglaterra, e o tamanho das pessoas não contava, diante do mal.

A aventura não atemorizou Gulliver; tão logo pode, encetou uma segunda viagem, que acidentalmente o levou a Brobdingnag, o país dos gigantes, onde se tornou, primeiro, brinquedo nas mãos de uma menina descomunal; depois bobo da corte. Tentou esclarecer o soberano sobre as leis e instituições inglesas, mas os ensinamentos só serviram para enfurecer o monarca, que julgava os ingleses uma praga a assolar a humanidade.

As dimensões exageradas - das pessoas, das feridas, das imundícies, dos insetos - transformavam Brobdingnag num lugar repugnante. Humilhado e nauseado, Gulliver aguardava com ansiedade o momento de escapar. Uma águia gigante se compadeceu dele e lhe possibilitou a fuga para a ilha de Laputa. Ali os sábios passavam a vida teorizando, sem vínculos com a realidade cotidiana. Conheciam lógica e harmonia, mas viviam na mais completa desorganização. Gulliver não suportou sua convivência e buscou a companhia dos Struldbrugs, a casta maldita da ilha. Eram imortais, porém a perenidade da vida não lhes assegurava a juventude ou a saúde eternas. Arrastavam-se como farrapos de gente, sem dignidade, Gulliver tampouco pode ficar com eles e regressou a Inglaterra.

A sede de aventuras chamava-o para uma nova viagem. Um motim a bordo levou-o por acaso ao país dos Houyhnhnms, onde os cavalos governavam com sabedoria e os homens se submetiam. Essa foi a única civilização merecedora de elogios dentre as várias com as quais deparava o herói. Os contemporâneos de Swift não puderam perdoar-lhe a inversão de valores: animais dotados de virtudes que deveriam ser humanas e homens reduzidos à bestialidade dos macacos. Com a recordação do país dos Houyhnhnms, Lenuel Gulliver abre relato de suas aventuras, publicadas pela primeira vez em 1726, por Benjamin Motte e reeditadas no ano seguinte".

O que quis Swift com as suas viagens? "Pelo fantástico de certas situações - na verdade um artifício do autor para atacar mais livremente as instituições inglesas -, pelo dinamismo das aventuras, pela simplicidade do estilo, pela simpatia que o herói transmite, Viagens de Gulliver tornou-se, ao longo do tempo, livro predileto do público infantil". E mais..."Além de desmascarar a humanidade e demolir os falsos valores - seu objetivo primacial -, Swift visava ainda a ridicularizar a moda da narrativa de viagem, uma obsessão da época. O burguês bem sucedido, tranquilamente instalado nas cidades, ansiava por relatos heroicos, aventuras fascinantes que preenchessem o vazio de sua vida".

O livro está, portanto, dividido em quatro partes. Mas antes de apresentá-las, vamos ao título completo do livro: Viagens - em diversos países do mundo em quatro partes. Por - Lemuel Gulliver - a princípio cirurgião e, depois, capitão de vários navios. Vamos às partes: Parte I. Viagem a Lilipute (8 capítulos). Parte II. Viagem a Brobdingnag (8 capítulos). Parte III. Viagem a Laputa, Balnibardi, Luggnagg e ao Japão (11 capítulos). Parte IV. Viagem ao país dos Houyhnhnms (12 capítulos). O livro conta com 276 páginas, de letra bem miudinha. Cada capítulo é antecedido de uma pequena síntese do capítulo, o que facilita a leitura.

Selecionei alguns trechos, a título de ilustração: 1. Parte II. capítulo VI, Página 121  O rei lhe fala: "Meu amiguinho Gildrig, fizestes o mais admirável panegírico do vosso país; provastes à sociedade que a ignorância, a ociosidade e o vício são os ingredientes adequados à qualificação de um legislador; que as leis são melhor explicadas, interpretadas e aplicadas por aqueles cujo interesse e habilidade consistem em as perverter, confundir e iludir. Observo entre vós alguns traços de uma instituição que poderia ter sido, originariamente, tolerável, mas cuja metade está quase apagada, ao passo que o resto foi inteiramente obliterado e borrado pela corrupção. Não transparece, em quanto dissestes, que se exija uma única perfeição para que alguém atinja uma posição qualquer entre vós; e muito menos que os homens sejam enobrecidos em razão da sua virtude; que os sacerdotes sejam promovidos pela piedade ou pelo saber; os soldados, pelo procedimento ou pelo valor; os juízes pela integridade; os senadores, pelo amor à pátria; os conselheiros pela sabedoria".

2. Parte III, capítulo VI, Página 175. Sobre as mulheres: "Propôs-se que as mulheres pagassem impostos de acordo com a beleza e a habilidade no trajar, no que teriam os mesmos privilégios concedidos aos homens de lhes ser confiado ao próprio alvedrio o total das contribuições. Mas a constância, a castidade, o bom senso e a bondade não seriam taxados por não compensarem as despesas de arrecadação". Opa, isto é daquele tempo!

3. Parte IV, capítulo IV, Página 228. Sobre o motivos das viagens: "Redargui que eram indivíduos de desesperada fortuna, obrigados a fugir dos sítios em que haviam nascido à conta de sua pobreza ou dos seus crimes. Alguns tinham sido arruinados por pleitos; outros haviam gasto quanto possuíam bebendo e jogando; outros tinham fugido por traição; muitos por assassínio, furto, envenenamento, roubo, perjúrio, estelionato, cunhagem de moedas falsas. rapto ou sodomia; por haverem desamparado a sua bandeira, ou desertado para o inimigo; e a maioria deles escapara à prisão; nenhum se atrevia a voltar ao seu país de origem temendo ser enforcado ou morrer à míngua num calabouço, e, destarte, era-lhes necessário prover à própria subsistência em outros lugares". Só pessoas de bem.

4. Parte IV, capítulo V, Página 232. Sobre os motivos das guerras: "Às vezes, a briga entre dois príncipes é para decidir qual deles desposará um terceiro dos seus domínios, aos quais nenhum tem direito algum; às vezes, um príncipe briga com outro porque tem medo que o outro brigue com ele; às vezes inicia-se uma guerra porque o inimigo é demasiado forte; outras, porque é demasiado fraco; às vezes, os nossos vizinhos querem as coisas que queremos, e ambos lutamos até que eles nos tomem as nossas, ou nos deem as suas. É causa muito justificável de guerra invadirmos um país depois que foi o seu povo arrasado pela fome, ou destruído pela peste, ou enfraquecido por dissensões intestinas". Sempre presente a ironia. Uma pequena amostragem.


segunda-feira, 8 de janeiro de 2024

As missões jesuíticas do Itatim. Regina Maria Gadelha.

Uma cena de antes do natal de 2023. Almoço no Restaurante São Francisco. Possivelmente o mais antigo restaurante de Curitiba. Ele data de 1955 e fica na rua, também ela chamada São Francisco, no decadente centro histórico de Curitiba. Estávamos lá, o Valdemar, o Pai Firmino e eu. Como de costume fomos atendidos pelo Luís. Este almoço marcaria o encerramento nosso, no conjunto, das atividades de 2023. Como sempre, o pai Firmino foi muito gentil conosco, nos presenteando com livros. A mim me coube As Missões Jesuíticas do Itatim. Estruturas Sócio-econômicas do Paraguai Colonial - Séculos XVI e XVII. O livro é uma dissertação de mestrado, defendida na USP. O livro é uma publicação da Paz e Terra, do ano de 1980. A autora é Regina Maria A. F. Gadelha.

As missões jesuíticas do Itatim. Regina Maria A. F. Gadelha. Paz e Terra. 1980.

De longa data, o tema das missões me interessa. Inclusive já visitei as Reduções, organizadas pelos jesuítas alemães radicados no Paraguai. Esta visita constou das sete reduções que são hoje Patrimônio Cultural da Humanidade: dois no Paraguai, quatro na Argentina e a nossa São Miguel, no Rio Grande do Sul. Tudo, na época, era território paraguaio. Também li o fantástico livro do padre jesuíta suíço, Clóvis Lugon, a República comunista cristã dos guaranis, do qual deixo a resenha, como também de um post da visita:

http://www.blogdopedroeloi.com.br/2016/03/a-republica-comunista-crista-dos.html

http://www.blogdopedroeloi.com.br/2016/02/viajando-pelas-terras-missioneiras.html

Quanto ao livro, primeiramente procurei localizar o Itatim. Ele se situa no Mato Grosso do Sul, entre os rios Miranda e Aquidauana, no hoje conhecido Pantanal. O tempo em que os fatos ocorreram foi o de meados do século XVII. Naquele tempo o território era pertencente ao Paraguai e esta região missioneira era comandada por Assunção. Creio que apenas essa primeira localização no tempo e no espaço já nos dá uma ideia das dificuldades existentes e que atingiam a todos os envolvidos. Muitas coisas estavam em disputa. Duas missões prosperaram ali, por um breve tempo: Nossa Senhora da Fé e santo Ignácio del Caaguaçu. O Brasil também entrou nessa disputa. Os terríveis bandeirantes. Raposo Tavares rondou estas terras.

Ao final do seu trabalho, seguramente com fôlego de um doutorado, Regina Gadelha nos dá uma síntese dos conflitos aí existentes sob o âmbito paraguaio, ou espanhol, o país colonizador: "Percebe-se, pelas considerações acima, o jogo de interesses em confronto, expresso, de um lado, por trás das críticas sofridas pela Companhia de Jesus e, de outro, pelas críticas dos padres aos colonos. Realmente, em decorrência da organização e ação provenientes das reduções jesuítas, perdiam os vizinhos encomenderos paraguaios a possibilidade de prosseguirem a exploração econômica, nas condições da região. De fato, excedentes de produção só podiam ser obtidos através do trabalho indígena. Tinham, assim, os colonos, cerceadas todas as possibilidades de produção mais ampla e, até a constituição de excedentes necessários às atividades de troca e expansão das culturas"... Este problema do conflito entre os colonos e os jesuítas também aparece no último parágrafo de seu trabalho:

"O monopólio da mão-de-obra indígena, por eles efetuado, teria de ocasionar conflitos graves com os colonos, como ocorreu na Província do Itatim. Esses entrechoques constituem o motor central dos acontecimentos de maiores consequências na região. Não puderam ser eludidas as lutas pelo controle da mão-de-obra em face das características locais da economia. Na realidade, a única forma de produção e atividades econômicas da área, por largo período, teria de se basear nos recursos naturais e no trabalho compulsório e organizado dos indígenas. Pode-se perceber a importância da questão, pela evidência de ter sido a maior responsável pelos principais acontecimentos ocorridos na história do Itatim colonial".

Nesse conflito de interesses, normalmente, os padres da Companhia levavam vantagem. Regina nos explica os motivos: "Protegiam, portanto, seus índios, burlando os direitos adquiridos pelos colonos paraguaios. Mas como o trabalho indígena revelava-se indispensável às atividades econômicas, em geral, apesar das inúmeras Cartas Régias proibindo a "encomenda" e a prestação de serviço pessoal, os vizinhos encontravam sempre meios de obter índios de mita. A burla à proibição era facilitada pela sempre oscilante e imprecisa legislação dos reis da Espanha. Oscilação da legislação que decorria, sobretudo, do conhecimento dos interesses em jogo, e permitir atender à imperiosa necessidade de mão-de-obra servil". Também, nesse período a Coroa espanhola vivia uma crise meio permanente.

O livro está organizado em quatro partes, a saber: Parte I. Enquadramento espaço temporal dos Itatim, com dois capítulos: 1. Âmbito geográfico do Paraguai e localização do Itatim. 2. Problemas de acesso e ocupação do território.

Parte II. As estruturas sócio econômicas do Paraguai, com três capítulos: 1. O problema da mão-de-obra e a política "encomendera". 2. Relações de produção e comércio: os entraves coloniais. 3. Decadência de Assunção.

Parte III. As Missões Jesuítas, com dois capítulos: 1. Chegada dos jesuítas na região platina: a ação da Companhia de Jesus. 2. Desdobramento do trabalho missionário no Paraguai.

Parte IV. Os jesuítas no Itatim, com três capítulos: 1. As reduções jesuíticas do Itatim. 2. Economia e organização das missões do Itatim. 3. Considerações gerais sobre a economia paraguaia e as missões do Itatim. Além de introduções e conclusão, por óbvio. Também chama particular atenção o número de notas e referências bibliográficas, apresentadas após cada um dos capítulos. Um notável trabalho bibliográfico.

Para bem e melhor situar o livro, apresento a primeira parte da orelha do livro: "Este estudo parte das estruturas geográficas para, depois, examinar a organização sócio econômica da região e as principais bases das missões jesuítas na área. A abordagem é de especial importância, dada as peculiaridades da colonização ibérica na época. A área, no Pantanal Matogrossense, fazia parte da Província do Paraguai mas, depois, seria região do Brasil. As expedições que localizaram as minas do Potosi, em outra direção, provocaram o isolamento do Itatim e uma situação muito desfavorável à colonização, apenas iniciada pelos espanhóis. O núcleo paraguaio foi quase abandonado e permaneceria como região marginal, praticamente excluído do comércio e das trocas, sobretudo em termos mundiais".

Vale muito conferir este trabalho, que, por sinal, teve continuidade num trabalho de doutorado na Universidade de Paris, sob orientador do historiador Ruggiero Romano, como lemos na orelha da contracapa. E, ao pai Firmino, os meus agradecimentos pelo livro.



sexta-feira, 22 de dezembro de 2023

Contra LAVA JATO. Adel El Tasse.

"Ganhei este livrinho. Leia e depois me devolve", me disse o meu amigo Bernardo, em evento de comemoração das festas de fim de ano. Agora já o li e, pretendo não devolvê-lo. Isso significa que gostei muito, e que, de livrinho - ele tem apenas o seu tamanho. No conteúdo ele é enorme. São apenas 90 páginas. Trata-se de Contra Lava Jato, de autoria do professor de Direito Penal em várias universidades, Adel El Tasse.

Contra Lava Jato. Adel El Tasse. 2023. Uma publicação do Núcleo de Estudos Avançados em Ciências Criminais.

O livro é uma verdadeira aula, sob vários e diferentes aspectos. Como El Tasse é professor de Direito Penal, este será o tema principal do livro, mas, subjacente a ele, existe toda uma concepção filosófica, sociológica e histórica e é nisso que consiste a sua grandeza. O Direito, como o concebemos hoje, é uma invenção da modernidade. E, como se sabe, a modernidade é uma invenção da ascensão do pensamento fundado na razão, em detrimento do pensamento absoluto emanado do direito divino. A modernidade arrebatou o poder dos céus e o colocou nas mãos dos homens, que para isso deveriam se dar ao entendimento. A razão, porém, tomou dois caminhos fundamentais. Uma razão humana e uma razão instrumental.

A razão humana é a responsável pela evolução dos chamados direitos. Estes, segundo uma definição clássica de Marshall, evoluíram em direitos "civis, políticos e sociais". Uma bela e longa história de avanços e de retrocessos. Os Direitos da cidadania. O surgimento do Estado Democrático de Direito. São criados diversos mecanismo que limitam o poder do Estado contra os seus cidadãos. Estes ganham uma série de proteções legais. É a tendência à democracia

Por outro lado, a modernidade também fez surgir a sua ordem econômica, ditada por interesses dos indivíduos e da liberdade econômica em que a competitividade passou a ser a grande palavra de ordem. Essa ordem passou a ter na razão instrumental a sua fundamentação. Essa razão faz cálculos utilitários e gera níveis insuportáveis de competição. As guerras são uma mera consequência. Os sistemas autoritários também. A tendência é para o autoritarismo. O Direito e as instituições jurídicas se movimentam dentro dessas visões.

O Brasil tem as suas raízes profundamente fincadas no autoritarismo, portanto, na ausência de direitos. Vivemos as heranças de um sistema colonial e escravocrata. Raízes que constantemente lançam à superfície os seus tentáculos. Creio que podemos afirmar que a modernidade brasileira é uma modernidade tardia. Apenas, a partir de 1930 ela dá os seus primeiros passos. Francisco Oliveira nos faz uma síntese dessa democracia entre os anos 1930 e 1988, a data da Constituição da redemocratização. Duas longas ditaduras (Vargas e a civil militar de 1964) e uma tentativa de golpe de Estado a cada três anos. Depois de 1988 vivemos o nosso mais longo período de democracia. Mas foi um período breve. Durou apenas até 2016. 2016 foi golpe, sim. Os motivos dos golpes sempre foram os mesmos. Contenção de direitos da cidadania, restrição a direitos civis, políticos e sociais, em benefício de cálculos instrumentais, movidos à leis de responsabilidades sociais, perdão, fiscais.

O que eu devo dizer! Estas são reflexões que eu fiz a partir da leitura do livro de EL Tasse. Elas foram suscitadas pela leitura do livro, reflexões livres, não presas ao texto mas, de uma forma ou de outra, presentes no livro. Considero que o livro faz um grande movimento perpassando a história do Direito e de suas fundamentações. Um direito limitador dos poderes do Estado em favor da cidadania e o Direito movido por um espírito punitivista, seletivo em favor dos detentores do poder do Estado ou por busca de meios para alcançá-lo.

Mas, vamos a um esboço do livro. Primeiro pelo conteúdo da contracapa e depois pelos títulos dos capítulos, das belas e ilustrativas frases em epígrafe que antecedem cada capítulo. E ainda, por tópicos (entre parênteses), os temas abordados nestes capítulos. Vamos a contracapa:

"Contra a Lava Jato é uma obra técnica que aborda de forma didática o sistema processual penal e o modelo punitivo utilizado na operação lava jato e que parece se impor a todo país, após enorme exposição midiática desta invenção criminal.

Com estrita análise jurídica da questão, dentro de bases puramente científicas o texto discorre sobre os movimentos de sustentação da lava jato, seus fundamentos, estratégia e métodos, concluindo em importante análise sobre os reais efeitos dela para o País e para o sistema de justiça criminal.

A ilustração de capa, 'Saturno devorando a un hijo' é uma das pinturas a óleo sobre reboco que fazia parte da decoração das paredes da casa do pintor espanhol Francisco de Goya, sendo parte da série conhecida como 'pinturas negras' de Goya, integrando desde 1876 juntamente com as demais 'pinturas negras' o acervo permanente do Museu do Prado, em Madrid.

A representação do deus Cronos (Saturno na mitologia romana) devorando um de seus filhos para não dividir seu poder permite uma metáfora ao autor da presente obra do próprio Estado, ou agências controladoras do Poder estatal a utilizar o poder punitivo para opressão e assim reafirmação de seu poder".

Vamos então aos capítulos, nove no total, a seus títulos, frases em epígrafe e aos tópicos trabalhados nos capítulos.

Capítulo 1. A título de marco. "A mim a imprensa sempre me tratou bem". Francisco Franco. (MBL - 2015 - bancadas evangélica, armamentista e ruralista - reformas, ajuste fiscal. A operação Lava Jato, o punitivismo e a corrosão da democracia).

Capítulo 2. Os avanços ocorridos no direito penal brasileiro após a década de 1980 e seu atual processo. "A liberdade diminui à medida que o homem evolui e se torna civilizado". Antonio Salazar. (A afirmação de direitos na redemocratização do país. Contra o punitivismo. A glamourização da prisão. Penas espetaculares, ao arrepio da lei. Da lógica nazista à "solução final".  O sistema lava jato).

Capítulo 3. O afastamento da dogmática penal democrática e a corrosão do sentido de proteção do tipo. "Quem se torna senhor de uma cidade habituada a viver em liberdade e não a destrói, espere para ser destruído por ela". Maquiavel. (O pós 2ª Guerra e a contenção do poder punitivo. O afastamento dos princípios onto-ontológicos. Lava Jato e MBL. A flexibilização dos direitos. Condenações sem provas).

Capítulo 4. A admissão da lógica tortura aceitável. "Nós vamos te quebrar por dentro". Delegado Fleury para Frei Tito. (O sistema carcerário brasileiro. A tortura. Massacres físicos e morais. O cárcere processual. A tortura e a violação dos Direitos Humanos. "Ordem e moralidade". O clamor público. Métodos do colonialismo e da escravidão. Métodos inquisitoriais. Lava Jato e ações agressivas).

Capítulo 5. A total corrosão do devido processo legal e da lógica da necessidade probatória para a condenação. "Demos um modelo para o mundo, com a criação dos Codis, dos Dois e com alterações na Lei de Segurança Nacional como a incomunicabilidade de 30 dias". General Brilhante Ustra. (Um não ao mínimo de respeito pelo Estado de Direito. Prisões arbitrárias sob o clamor do povo. A mídia e a divisão da sociedade entre os bons e os maus. A vingança contra os maus. Poderes ilimitados, fim do processo legal e Estado totalitário).

Capítulo 6. AI-5 e 10 medidas de combate à corrupção: desagradável coincidência. "Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência". Jarbas Passarinho, na instituição do AI-5. (cerceamento à defesa. Junção de acusador com julgador. Não ao habeas corpus. Validade de provas ilícitas. O cidadão desprotegido. A delação premiada. Abuso de prisões preventivas. Prender para intimidar. Faltou apenas uma Guantânamo brasileira).

Capítulo 7. A moral como critério. "Humanitarismo é a expressão da estupidez e da covardia". Adolf Hitler. (A prisão de políticos e de poderosos. Neutralizar os inimigos. A seletividade na escolha dos corruptos. Uma volta aos tempos da inquisição e seus métodos. Raízes morais para a condenação. Um Estado moralista. O MBL e a identificação dos inimigos. A hostilização de todas as causas libertárias. "Guerra Santa " às diversidades).

Capítulo 8. A deslegitimação do sistema político- eleitoral. "A imprensa é a arma mais poderosa do nosso Partido". Joseph Stalin. (Moral e religião e a desmoralização da atividade política. A defenestração da classe política. Os discursos de ódio.  Conduções coercitivas. LULA como alvo. O voto universal e o não saber votar. O voto do nordestino. Um ataque à democracia em favor de um regime totalitário).

Capítulo 9. A retomada do pensamento oligárquico. "Somente um país inferior, ordinário, insignificante pode ser democrático. Um povo forte heroico tende para a aristocracia". Benito Mussolini. (Um balanço da operação Lava Jato. O esfacelamento da economia e a fragilização das empresas brasileiras. O descrédito internacional das Instituições  brasileiras. Parcialidade nos julgamentos. Necessidade de reconstrução).

Por fim, a epígrafe geral do pequeno mas esclarecedor e necessário livro. "O único ditador que eu aceito é a voz da minha consciência". Mahatma Gandi. E uma palavrinha mais sobre o autor. No livro, ele é assim apresentado. "Professor na cadeira de Direito penal em cursos de graduação e pós-graduação em diferentes instituições de ensino superior. Professor na Escola da Magistratura do Estado do Paraná, professor do Curso LFG (São Paulo/SP) e do Curso CERS (Recife PE). Mestre e Doutor em Direito Penal. Coordenador no Paraná da Associação Brasileira dos Professores de Ciências Penais. Autor de vários livros e artigos publicados em diversos livros, revistas e periódicos".


segunda-feira, 18 de dezembro de 2023

O CRISTO RECRUCIFICADO. Nikos Kozantzakis.

Vou começar dando uma volta. Creio que muitos já ouviram falar do maravilhoso filme Zorba, o grego, do diretor Michael Cacoyannis.  O filme teve sete indicações ao Oscar de 1964 e levou três. Ele tem a atuação extraordinária de Anthony Quiin. Pois bem, o filme é uma adaptação do romance homônimo de Nikos Kazantzakis. E, agora sim, Nikos Kazantzakis é também o autor de O Cristo recrucificado, romance escrito em 1948 e que veio a público em 1954.

O Cristo recrucificado. Nikos Kozantzakis. Abril cultural. 1971.

Vamos falar um pouco do autor e, justiça lhe seja feita, ele é um revolucionário. Ele nasceu em Heraklion, a capital da ilha de Creta, Grécia. Morreu em Freiburg, em 1957. Peregrinou mundo afora, em busca de um significado para sua vida e participar de movimentos revolucionários. Sofreu múltiplas influências, com destaque para Nietzsche e Marx. Do livro de biografias e contextualização de obras que acompanha a coleção - Os imortais da literatura universal -, destaco um dado biográfico seu:

"[...] Encontrava-se em Viena (1922) quando lhe surgiu no rosto um grande eczema, que nenhum médico conseguiu diagnosticar. Um discípulo de Freud encontrou finalmente a explicação. A moléstia era de fundo psicológico, um refúgio de pureza encontrado pelo asceta em que se transformara Kazantzakis, para quem as relações sexuais eram pecaminosas.

Escrevia incessantemente: cartas, esboços, meditações. Nessa época, começou a elaborar o romance Ascese, onde sua doença aparece como um símbolo, representando a luta para manter-se puro. Mais de trinta anos depois, voltaria a reviver a experiência através de Manólios, o jovem protagonista de O Cristo recrucificado (1954), escolhido para representar o papel de Jesus no drama da Paixão encenado por sua aldeia".

Está aí a essência de seu romance, que não deixa de ser uma paródia. Sobre ele, acompanhemos o livro de biografias: "Uma reviravolta política em sua pátria obriga-o ao exílio. No pequeno porto de Antibes, o escritor vive o seu período mais criativo (1948-1950), quando inicia O Cristo recrucificado. 'Um romance sem o eu', afirma a respeito de sua obra. E, de fato, O Cristo recrucificado não é uma autobiografia. Contudo, apesar de situada a ação na Ásia Menor, o vilarejo de Lycovrissi, com seus costumes, modo de pensar, egoísmos, mesquinharias, retrata indiscutivelmente a pequena cidade de Heraklion, onde o escritor nasceu, em fevereiro de 1883, passou a infância e formou o caráter". Acompanhemos o livro guia, contextualizando o romance:

"Justaposição entre o imaginário e o verdadeiro, entre o grotesco e o trágico, O Cristo recrucificado contém toda a vida do autor. Pessoas que conheceu, fatos que testemunhou estão aí presentes. Suas próprias dúvidas e aspirações reencarnaram-se na figura de Manólios. O conflito com o pai, que Kazantzakis ao mesmo tempo amava por sua coragem e odiava por seu espírito rude e brutal, é revivido através de Michellis, o jovem abastado e indeciso.

O massacre de Lycovrissi, descrito com intensa emoção, também corresponde à realidade passada do autor. Kazantzakis não completara ainda oito anos de idade quando, em sua aldeia, o favorito do chefe turco - ou agá - fora assassinado. As prisões abarrotaram-se. Sangue inocente jorrava sob as espadas dominadoras. Não suportando as perseguições, o povo acabou matando o agá. Então desabou a grande tempestade. O ocupante engendrou a mais terrível das vinganças. A cidade cerrou as portas, os comerciantes fecharam as lojas. Nas ruas desertas não se ouvia um só ruído. De repente, estoura a fuzilaria. Gemidos e estrondos vão ter à casa dos Kazantzakis. O Capitão Michellis, de espingarda em punho, defende a sua entrada. Após quatro dias, volta o silêncio. Estava acabada a vingança. Os gregos saem às ruas. Tomando o filho pela mão, o Capitão Michellis caminha lentamente até a praça. Levantando os olhos, o garoto grita de pavor. No frondoso plátano à sombra do qual brincava com seus companheiros, três cadáveres gregos balançam ao vento. 'Prosterne-se diante deles!', ordena-lhe o pai. E como Nikos procurasse escapar, obriga-o a beijar os pés dos massacrados. 'Olhe muito bem', exclama novamente o velho, 'que enquanto você viver, estes enforcados não desapareçam jamais da sua memória. Quem foi que os matou? A Liberdade. Bendita seja ela'". Este era o fato real.

O romance explora a tradição do vilarejo, de celebrar, de sete em sete anos, a crucificação. Os notáveis da cidade se reuniam para escolher os personagens: Jesus, os apóstolos, Madalena e, aquele que ninguém queria ser, o Judas. São cenas de raro humor. O fato é que Jesus assume verdadeiramente o fato de ser Jesus. Põe em prática a sua doutrina. E a ordem - representada pela religião, pátria, família e propriedade - começa a ser questionada e desmoronada. E, esta ordem estabelecida passa a ser preservada pelo padre e pelos notáveis da cidade, em conflito com uma aldeia vizinha, empobrecida pela dominação turca e sob a liderança de um padre, o padre Photis, de quem Manólios passa a ser discípulo e aliado. Como se trata de uma recrucificação, o final está revelado pelo título - recrucificado -, mas não a forma e os personagens.

Um livro para ser lido por muitos e muitos, especialmente nesses tempos de tanta e tanta hipocrisia religiosa, de tantos falsos profetas e cristos. O verdadeiro Cristo sempre seria e será recrucificado. Com este romance Kozantzakis se tronou um precursor da Teologia da Libertação.


sexta-feira, 15 de dezembro de 2023

OS TRÊS MOSQUETEIROS. Alexandre Dumas.

Antes da resenha, uma confissão. Se há um ponto fraco em minha formação, este é, sem dúvida, a literatura. Eu explico: A minha formação é de seminário. Com certeza, os padres temiam a literatura. Ah, os romances, histórias de amor! Lembro de uma canção de muito sucesso na época - Asa Branca - do grande Luiz Gonzaga. Em vez de cantar - Entonce'eu disse: adeus, Rosinha // Guarda contigo meu coração, nós cantávamos - adeus mãezinha... E, por simplicidade ou ingenuidade nem percebíamos a troca. Amor, só o de mãe.
Os três mosqueteiros. Alexandre Dumas. Coleção- Os Imortais da Literatura Universal.

Pois bem, este teria sido o tempo mais adequado para a leitura desse belo romance, Os três mosqueteiros, romance de aventuras e bravuras, de romantismo e de história, de traições e de vilanias, muitas delas praticadas pelo cardeal, o cardeal Richelieu, um dos personagens do romance, muito mais do lado do mal, do que do bem, certamente. Então, eu não reli este romance, eu o li pela primeira vez. Não tem como não gostar e, mesmo que não gostasse, não o ousaria dizer. Afinal, é dos mais consagrados e festejados autores.

O livro que eu li é da coleção Os imortais da Literatura Universal. Uma coleção maravilhosa. Três volumes de biografia e contextualização acompanham a edição. Basicamente será a minha referência para esta explanação.

No epílogo ao romance, Alexandre Dumas nos dá a seguinte informação: "Privada de socorro da esquadra inglesa e da divisão prometida por Buckingham, a Rochela se rendeu após um assédio de um ano. No dia 28 de outubro de 1628, assinou-se a capitulação". Dou essa informação pela sua importância na contextualização, para chamar a atenção para a data de 1628. Se observarmos as datas de vida e morte do autor, veremos que ele nasceu em 1802 e morreu em 1870. A obra, portanto, é uma retrospectiva, uma volta ao século XVII. Tempo de Luís XIII e de Maria da Áustria como rei e rainha da França, secundados no poder pelo poderoso ministro, o cardeal Richelieu. São tempos complicados, cheios de intrigas. Muitas guerras. França, Inglaterra, Espanha, Áustria... As guerras de religião praticamente já tinham se assentado. Os territórios já estavam razoavelmente estabelecidos. Não a demarcação das fronteiras.

Mas, vamos ao romance, bem como ao seu autor. O Alexandre Dumas de Os três mosqueteiros é o pai. Não confundir com o filho, também escritor, e autor de A dama das camélias. Ele nasceu nas proximidades de Paris, mas a mudança para a capital, foi para ele extremamente significativa. O ambiente de Paris era contagiante. São contemporâneos seus, Victor Hugo, Honoré de Balzac e Prosper Marimée. Entrou para o campo das letras, pelo seu gosto pelo teatro e o fascínio por Shakespeare. Ali encontrou o campo de seus sonhos da juventude: "amores impetuosos, emoções violentas, suicídios". Vamos acompanhando o livro guia.

Ainda no teatro, ele entra em contato com os temas históricos. Sob a influência de Walter Scott (Ivanhoé) ele envereda de vez nesse campo. O livro guia nos fala dessa concepção, bem como do seu Os três mosqueteiros: "Dumas seguia o método de Scott. Os leitores de um romance histórico queriam sentir no relato as mesmas emoções suscitadas pela representação teatral: encontrar pessoas humanas sob os escudos e os mantos reais, conhecer a história de seu país, os costumes das épocas passadas, sem o esforço que um compêndio escolar exigia". E, um amigo lhe trouxe o esboço de seu romance mais famoso:

"O ponto de partida é o caso amoroso entre o cavaleiro D'Artagnan e a dama Constance Bonacieux, camareira de Ana da Áustria (1601-1666). Através da amada, D'Artagnan acaba participando de uma intriga política: Ana de Áustria, mulher do rei Luís XIII (1601-1643), ofertara ao amante, Buckingham, um cofre de joias que o marido lhe dera de presente. Sabedor do fato e desejoso de provocar a ruína da rainha, o ministro Richelieu (1585-1642) sugere ao rei que peça a Ana para usar as joias no próximo baile da corte. Desesperada, a rainha pede a D'Artagnan que recupere o pequeno tesouro, transportado por Buckingham para a Inglaterra. O cavaleiro une-se a três amigos e juntos partem para a aventura, enfrentando as ciladas do pérfido Richelieu e os traiçoeiros encantos da demoníaca Milady, cúmplice do ministro". E os efeitos?

"Nenhum dos outros numerosos volumes de Dumas provocou tamanha emoção. Os romances que retomam a história de D'Artagnan, ou o famoso Conde de Monte Cristo (1845), não conseguiram suplantar Os três mosqueteiros (1844). Grande parte do êxito se deve à simpatia que os quatro heróis despertaram. O público devia ter sentido que representavam desdobramentos do próprio Dumas, também dado a aventuras e façanhas. Nenhuma dessas personagens é de criação original; todas figuravam na obra de Sandras e viveram realmente no século XVII. Dumas, porém, deu-lhes nova vida, ressaltou-lhes as características, tornando-as mais temerárias, e ampliou o âmbito de ação. Através de uma trama apaixonante e de um estilo cheio de vitalidade, reviveu toda a atmosfera do século XVII francês, o esplendor da corte e o sensacionalismo das intrigas políticas, o poderio econômico e cultural de uma época brilhante. Graças a sua imaginação, alcançou suprir as lacunas do conhecimento histórico, que sua inquietude jamais lhe permitira aprofundar. Seu próprio tempo, ocupado com atrizes e conspirações, forneceu-lhe muitos dos pormenores que aproximam do real essa pintura do século XVII". E, para terminar, vamos lembrar dos três, na verdade quatro mosqueteiros:

"Todas essas personagens, ávidas de ação, refletem o espírito aventuroso do autor, falecido em 1870, ele mesmo lutador, incansável em prol da arte e de seus princípios políticos. Ousado como D'Artagnan, corajoso como Athos, sedutor como Aramis, alegre como Porthos, não seria falsear a verdade acrescentar ao quarteto dos famosos espadachins um quinto mosqueteiro: o próprio Dumas, herói de pena em punho, esgrimindo pela fama e pelo amor".

O romance que eu li tem 511 páginas, com letrinhas dignas de uma lupa. São, ao todo, 57 capítulos de deliciosas e espetaculares aventuras e uma bela reconstrução histórica. Por se tratar de um romance histórico, deixo a resenha da obra inaugural desses romances. Ivanhoé, de Walter Scott.



quarta-feira, 6 de dezembro de 2023

As igrejas de Porto Novo. Itapiranga. São João do Oeste e Tunápolis. Colonização e arquitetura.

Recebi mais um livro do meu irmão, Hédio José, que mora na cidade de Mondaí, no oeste do estado de Santa Catarina. Hédio é o meu irmão mais velho. Já completou 89 anos. Em compensação, entre cinco irmãos, eu sou o mais novo. A história de vida do meu irmão está toda ela voltada para esta região, na qual ele está, desde os idos da década de 1960. Ele foi um dos professores recrutados pelo Volksverein, a entidade colonizadora da região, como veremos logo a seguir. O livro referência é As igrejas de Porto Novo, de autoria de Jaine Ott, Carine Kaufmann e Douglas Orestes Franzen. Na apresentação as autoras e o autor falam da origem do livro: um trabalho junto ao curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Fai-Uceff. A publicação é da editora Schreiben, do ano de 2023.

As igrejas de Porto Novo. Editora Schreiben. 2023.

O prefácio do livro, que, em parte, também está na contracapa, é de autoria do padre Dionísio Körbes, da paróquia de São Pedro Canísio, de Itapiranga. Ele, sabiamente, destacou o princípio, o objetivo da colonização desta região e, como consequência, a sua arquitetura, toda ela centrada na religião. Vejamos o trecho da contracapa:

"No período em que Porto Novo foi colonizada existia, nas pessoas que aqui se estabeleceram uma cosmovisão ou um universo cultural religioso homogêneo, no qual o diferente não tinha espaço ou lugar. Tal constatação é verídica uma vez que o projeto de colonização era fechado ou exclusivo para famílias alemãs e católicas. Não é por nada que uma das finalidades era dar continuidade ao projeto da cristandade, que é o de defender a moral, os costumes, princípios e valores da Igreja Católica.

Para que tal visão-religiosa fosse acessível e formasse um imaginário religioso, criaram-se os núcleos comunitários, dentre os quais a Igreja se destacava. Foi através das inúmeras expressões religiosas, tais como devoções, rezas, novenas, mas acima de tudo, os símbolos ou figuras de santos (as) que tiveram um papel importante na formação do imaginário religioso. Quem, das gerações passadas, não se lembra do quadro dos anjos protetores, imagens do Sagrado Coração de Jesus e de Maria, o quadro da ceia, da cruz e outras tantas imagens e estátuas. Nas igrejas edificadas não podia faltar o padroeiro ou outras
imagens de acordo com as devoções. Tudo isso formava o imaginário religioso que alimentava a vida religiosa das pessoas". Em outro livro, que também recebi do meu irmão, vi que a colonização de Mondaí, então Porto Feliz, obedecia aos mesmos princípios, só que formada por cristãos protestantes.

O livro está estruturado em nove capítulos, mais prefácio e apresentação e, ainda, mapas de localização e referências bibliográficas. Tudo ao longo de 248 páginas, recheadas de fotografias. Vamos aos títulos dos capítulos: 1. A religiosidade como expressão da cultura em Porto Novo; 2. As igrejas como referência da paisagem; 3. A edificação de igrejas: o valor comunitário; 4. Igrejas em madeira; 5. Igrejas (neo) góticas; 6. Igrejas modernistas e ecléticas; 7. Altares góticos e modernistas; 8.O canto coral: Patrimônio imaterial da música sacra; 9. Arquitetura cemiterial. Em minha resenha vou me ater mais ao primeiro capítulo, embora não represente a centralidade do livro. Faço isso, apenas por ele contemplar mais o meu foco de interesse, que é o da colonização.

Vejamos os três primeiros parágrafos desse primeiro capítulo: "O projeto de colonização Porto Novo foi idealizado pela Sociedade União Popular, Volksverein, instituição que coordenou a implantação de outras colônias alemãs em novas frentes de colonização no sul do Brasil. O projeto Porto Novo nasceu a partir da aspiração confessional católica e da etnicidade germânica, tendo como proposta formar um núcleo colonial no extremo oeste de Santa Catarina que atendesse às finalidades da preservação moral católico-cristã e principalmente dos valores comunitários que aspirassem a homogeneidade étnica e confessional. O empreendimento foi fundado oficialmente no ano de 1926. Já no ano de 1928, a colonização recebeu o nome de Itapiranga, atual nome do município, gerando mais tarde a emancipação dos municípios de Tunápolis e São João do Oeste.

A Volksverein für die deutschen Katholiken von Rio Grande do Sul não era necessariamente uma empresa de colonização. Era, na verdade, uma entidade associativa fundada para dar assistência à população de descendência alemã e católica no sul do Brasil. Essa associação chegou a ter no período da Primeira Guerra Mundial cerca de oito mil associados. Notadamente de caráter étnico e confessional, o Volksverein se engajou em projetos de caráter social que vislumbravam manter os princípios do germanismo e do catolicismo, promovendo eventos e atividades culturais, agremiações, atividades de cooperação comunitária, atividades agrícolas de assistência aos colonos, além de ser uma força coadjutora do espírito comunitário católico-cristão, atendendo à necessidade de manter os valores morais e culturais nas colônias alemãs como a família, a comunidade, a religiosidade e o associativismo.

Nesse sentido, famílias originárias das colônias do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina compraram terras nessa colônia em busca de novas fronteiras agrícolas. Da mesma forma, adquiriram terras em Porto Novo, imigrantes que fugiam das duras condições de vida em vilarejos europeus, expulsos pelas atrocidades da guerra, pela perseguição étnico-política, ou pelas péssimas condições de vida e de trabalho lá existentes".

À frente deste empreendimento encontramos os padres jesuítas, sob a liderança dos padres Theodor Amstad e João Rick. Estes padres eram muito ativos. Não é a primeira vez que eu me encontro com eles, principalmente com o primeiro. A sede do Volksverein era na cidade de Venâncio Aires. Também encontrei muitas expressões, típicas de minha infância e juventude, como: Gott über alles; Alles nach dem Gottes Willen; Es regnet, Gott segnet; Der liebe Gott wolte es so haben; Gott nimmt; Gott erfühlt; Der Mensch denkt und Gott lenkt. Percebam a onipresença da palavra Gott, ou seja, Deus. E, uma lembrança minha: a cada encontro com o padre vigário, a saudação: Gelobt sei Jesus Christus. Trago da minha infância um presente maravilhoso, a língua alemã. Eu fui aprender português na escola.

No segundo capítulo é destacada a importância da igreja, como construção referência, que tomava conta ou configurava toda a paisagem da localidade e, já no terceiro, se destaca a ação comunitária na edificação das mesmas. As famílias contribuíam com valores estabelecidos (um porco de cem quilos), doação de materiais, trabalhos voluntários, quermesses... Elas são vistas como uma herança, um legado a ser transmitido. O quarto capítulo nos mostra que a construção das primeiras igrejas sempre foi em madeira, pois, dela dispunham em grande abundância. No começo elas também eram usadas como escolas (Schulkapelle).

Os capítulos cinco e seis também se constituem em preciosos capítulos de arquitetura. Antes de apresentarem as principais igrejas e suas localidades, há uma contextualização social, histórica e cultural do estilo das igrejas. Também merece destaque a importância do Concílio Vaticano II (1962-1965) e a sua influência na alteração da construção das igrejas. Também os altares passaram por essas transformações. Eles se tornaram menos distantes e mais aconchegantes, ou modernos. Antes eram verdadeiras obras de arte. Em minha memória, a lembrança de aulas da história da arte. Nos dois capítulos finais, nos são dados, primeiramente, os cerimonias fúnebres e o significado dos cemitérios, para encerrar com o canto coral, uma tradição bem alemã. Me lembro que cantávamos muito, tanto na igreja, quanto em casa. Não esquecendo, somos nascidos em Harmonia, na época, terceiro distrito de Montenegro (RS).

Em suma, um belo livro e de um valor inestimável e escrito com muito cuidado. E, antes de terminar, algumas coisas da memória. Me lembro da minha infância em Harmonia. A propaganda de Porto Novo nos chegava pelos sermões bilíngues do padre vigário, cônego Oscar Mallmann. Tios meus, da família de minha mãe (Reichert) foram fazer a vida lá. Lembro que eu levava as cartas que minha mãe escrevia para eles, para a agência do Correio. No envelope se lia: - Linha Macuco - Itapiranga. Também lembro de alguma visita desses tios, quando voltavam para visitar os parentes. Era dia de galinhada. Dia de festa.

A única cidade desta região em que eu estive foi São João do Oeste. Fui com o meu irmão. Fomos tomar uns Chopp num clube de lá. Lembro da placa na entrada da cidade, em que manifestavam todo o orgulho da cidade: uma cidade de origem germânica. E por falar em Chopp, também li, que em Itapiranga se realizou a primeira festa do Chopp no Brasil. Me bate um saudosismo quando eu leio estas histórias de colonização. Um dia, também eu deixei a minha Harmonia para trás, e, sem dinheiro para voltar. Tinha que dar certo. Muita gente me ajudou. Eu vim para Umuarama no Paraná e hoje estou estabelecido em Curitiba.  

Dos autores, já tive um contato anterior com Douglas O. Franzen pelo seu livro sobre Mondaí. Deixo a resenha.

http://www.blogdopedroeloi.com.br/2022/08/porto-feliz-mondai-o-centenario-da.html





sábado, 2 de dezembro de 2023

Em "OS ENSAIOS" - Montaigne deixa um Projeto de Vida. Seu testamento intelectual.

O capítulo XIII do Terceiro Livro de Os ensaios tem por título - Sobre a experiência. É o último capítulo de toda a obra. Vejamos a apresentação escrita pela tradutora Rosa Freire D'Aguiar:
O ensaios. Montaigne. Sobre a experiência.

"O capítulo final de Os ensaios fornece o fruto do julgamento de Montaigne sobre o lugar de nossa humanidade na vida de cada um de nós. Ele o amarra firmemente ao contexto aristotélico. A frase inicial ecoa a primeira frase de um dos livros mais famosos de Aristóteles, que diz que não há desejo mais natural do que o desejo de conhecimento. As últimas palavras de Os ensaios eram, na primeira edição, 'diversidade e discordância'. Oito anos depois, Montaigne escolhe concluir sua obra com a experiência. Assim, é tentador ver aqui seu testamento intelectual. Montaigne fala de si mesmo. Como envelhecer? Como enfrentar a doença e a dor? A morte? Suas respostas vêm não tanto da leitura dos grandes filósofos, mas do convívio com as pessoas, da observação do real. A sabedoria já não vem do alto, já não é ditada pela razão; resulta de observações e ensinamentos acumulados ano após ano: quanto mais envelhece, mais Montaigne se convence de que não erra em seguir a natureza e em fugir tanto dos conselhos dos moralistas como das consultas dos médicos. Apesar da dívida com Aristóteles, não acredita que a experiência que existe por trás da Metafísica ou Física substitua sua própria experiência: 'Estudo a mim mesmo mais que a outro assunto. É a minha metafísica, é a minha física'".

Deixo apenas a mensagem final, que vai das páginas 578 a 583:

"Quanto a mim, portanto, amo a vida e cultivo-a tal como aprouve a Deus nos outorgá-la. Não estou desejando que lhe faltasse a necessidade de beber e comer. E me pareceria cometer um erro não menos desculpável se desejasse que ela a tivesse em dobro. O sábio indaga com a mais viva paixão sobre as riquezas da natureza - (Sêneca). Nem que nos sustentássemos metendo na boca só um pouco daquela droga com que Epimênides se privava de apetite e se mantinha. Nem que produzíssemos estupidamente filhos pelos dedos ou pelos calcanhares, voluptuosamente. Nem que o corpo fosse sem desejo e sem excitação. Seriam queixas ingratas e iníquas. Aceito de bom grado e reconhecido o que a natureza fez por mim, e alegro-me e sinto-me satisfeito com isso. Somos injustos com esse grande e todo-poderoso Doador ao recusarmos Seu dom, anulá-lo e desfigurá-lo: tudo é bom, Ele fez tudo bom. Tudo o que é conforme à natureza é digno de consideração - Cícero. Abraço com mais gosto os princípios da filosofia que são os mais sólidos: isto é, os mais humanos e nossos. Minhas opiniões correspondem ao meu comportamento, humildes e modestas.

A meu ver, a filosofia finge-se de criança quando levanta a crista para nos pregar que é uma aliança selvagem casar o divino com o terrestre, o honesto com o desonesto. Que o prazer é qualidade bestial, indigna de ser provada pelo sábio. E que o único prazer que ele tira da fruição de uma bela jovem esposa é o prazer de sua consciência por estar praticando uma ação segundo as regras. Como calçar suas botas para uma cavalgada útil. Possam os sequazes dessa filosofia ter, no desvirginamento de suas mulheres, tão pouca firmeza, e nervos e suco quanto têm seus argumentos! Não é o que diz Sócrates, preceptor deles e nosso. Ele aprecia, como deve ser, o prazer corporal, mas prefere o do espírito, por ter mais força, constância, facilidade, variedade, dignidade. Este não anda sozinho, segundo ele (que não é tão fantasioso assim), mas é apenas o primeiro. Para ele, a temperança é moderadora, não adversária dos prazeres. A natureza é um guia gentil, mas não mais gentil do que sábio e justo. É preciso progredir do conhecimento da natureza e proceder a um exame muito aprofundado do que ela exige - Santo Agostinho. Procuro por toda parte sua pista: nós a confundimos com rastros artificiais. E esse 'soberano bem' da Academia e dos peripatéticos, que é viver segundo a natureza, tona-se por isso difícil de delimitar e demonstrar, e também o dos estoicos, próximo dele, e que consiste em estar de acordo com a natureza. Não será um erro considerar certas ações menos dignas porque são necessárias? Não me tirarão da cabeça que é muito conveniente o casamento do prazer com a necessidade, com a qual, diz um antigo, os deuses vivem conspirando. Por que desmembramos uma construção tecida com uma cor correspondência tão fraterna e estreita, levando-a ao divórcio? Ao contrário, retemo-la por serviços mútuos: que o espírito desperte e vivifique o peso do corpo, que o corpo detenha a leveza do espírito e a fixe. Aquele que exalta a alma como um soberano bem e condena a carne como um mal, com certeza a um só tempo acaricia a alma carnalmente e foge da carne carnalmente, pois tal opinião nasce da vaidade humana, não da verdade divina - Sêneca. 

Não há elemento indigno de nosso cuidado nesse presente que Deus nos deu: dele devemos prestar contas até cada fio de cabelo. E não é uma missão meramente formal do homem conduzir a si mesmo de acordo com a condição do homem; ela é expressa, inata e primordial, e o Criador confiou-a a nós séria e severamente. Só uma autoridade pode convencer as inteligências comuns: e pesa mais se em língua estrangeira. Portanto, neste trecho, voltemos à carga: Quem não reconheceria que é próprio da estupidez fazer com moleza e reticência o que deve ser feito, empurrar o corpo de um lado, o espírito de outro, e deixar-se puxar entre movimentos contraditórios - Sêneca. Ora, então, só para ver, fazei com que vos contem um dia as reflexões e as ideias que um homem põe na cabeça, e pelas quais desvia seu pensamento de uma boa refeição e lamenta-se do tempo que passa a se alimentar: descobrireis que não há nada tão insípido em todos os pratos de vossa mesa quanto essa bela conversa de sua alma (quase sempre seria melhor dormirmos profundamente do que ficar acordados para ouvi-la) e descobrireis que seu discurso e suas intenções não valem vosso ensopado. E se fossem os arroubos do próprio Arquimedes, o que seria? Não incluo aqui e não meto nessa cambada de homens que somos e nessa vaidade de desejos e cogitações que nos desviam do essencial as almas veneráveis, que se elevam pelo ardor da devoção e da religião a uma meditação constante e conscienciosa sobre as coisas divinas, e que provam de antemão, pelo esforço de uma esperança viva e veemente, o alimento eterno, objetivo final e última etapa dos desejos cristãos, único prazer constante e incorruptível, e desprezam a atenção a nossos bens necessitosos, flutuantes e ambíguos, e abandonam facilmente ao corpo o cuidado e o uso do alimento temporal e dos sentidos. Esse é um esforço das almas privilegiadas. Entre nós, há coisas que sempre vi em singular concórdia: os pensamentos super celestes e os comportamentos subterrâneos. Esopo, esse grande homem, viu seu amo urinando ao passear. 'Como assim', disse ele, 'teremos de defecar ao correr?' Organizemos nosso tempo: ainda nos resta muito dele, ocioso e mal empregado. Nosso espírito não tem talvez outras horas suficientes para fazer seus deveres sem se dissociar do corpo durante esse pouco tempo de que este precisa para suas necessidades? Os filósofos querem escapar a si mesmos e escapar ao homem. Isso é loucura: em vez de se transformarem em anjos, transformam-se em animais, em vez de se elevarem, rebaixam-se. Esses humores transcendentes apavoram-me, como os lugares altos demais e inacessíveis. E nada me é tão desagradável digerir na vida de Sócrates quanto seus êxtases e suas demonices. Nada me é tão humano em Platão quanto a razão pela qual dizem que é chamado de 'divino'. E de nossas ciências, parecem-me mais terrestres e baixas aquelas que estão colocadas mais alto. E não acho nada tão humilde e tão mortal na vida de Alexandre como suas fantasias em torno de sua imortalidade. E Filotas, numa resposta que lhe deu por carta, alfinetou-o divertidamente quando congratulou Alexandre por ter sido colocado entre os deuses pelo oráculo de Júpiter Amon : 'Quanto a ti, estou muito feliz; mas não motivo para lamentar pelos homens, que terão de conviver e obedecer a um homem que ultrapassa e não se contenta com a medida de um homem'. É porque te submetes aos deuses que reinas - Horácio. A nobre inscrição com que os atenienses honraram a chegada de Pompeu à sua cidade corresponde a meu modo de pensar: 

Tanto mais és Deus
Quanto te reconheces como homem - Plutarco.

É uma perfeição absoluta, e como divina, saber gozar lealmente de seu ser. Procuramos outros atributos por não compreendermos a prática dos nossos, e saímos de nós mesmos por não sabermos o que nele se passa. No entanto, pouco adianta subir em perna de pau, pois mesmo sobre pernas de pau ainda temos de andar com nossas pernas. E no trono mais elevado do mundo ainda estamos, porém, sentados sobre nosso traseiro. As mais belas vidas são, a meu ver, as que se conformam ao modelo comum e humano, bem ordenadas, mas sem milagre, sem extravagância. Ora, a velhice tem certa necessidade de ser tratada mais ternamente. Recomendamo-la àquele deus protetor da saúde e da sabedoria: sim, mas alegre e sociável: Concede-me, filho de Latona, desfrutar dos bens que adquiri, a um só tempo em plena saúde e com o espírito intacto, suplico-te, e não arrastar uma velhice vergonhosa, privada da lira - Horácio".