sexta-feira, 5 de agosto de 2022

Porto Feliz - Mondaí. O centenário da colonização (1922-2022).

Esta é a segunda vez que a cidade de Mondaí comparece no meu blog. A primeira, foi com o livro Um novo lar na imensidão da mata, que relata as memórias da família Ramminger, que chegava em Porto Feliz, o nome de então, da hoje cidade de Mondaí, no ano de 1922. O livro, da editora Oikos, publicado no ano 2020, é organizado pelo historiador Leandro Mayer. O livro é simplesmente a saga de uma família pioneira. Deixo o link da resenha. http://www.blogdopedroeloi.com.br/2021/07/um-novo-lar-na-imensidao-da-mata.html

Agora é a vez de outro livro, Porto Feliz - Mondaí. O centenário da colonização (1922-2022). O livro, da editora Schreiben é organizado também por um historiador, Douglas Orestes Franzen. Mas, poderiam me perguntar, por que eu alimento esse interesse por esta cidade? A resposta é simples. Dois motivos me movem para isso. Em primeiro lugar, eu tenho um irmão que mora na cidade e que mandou esses livros e, em segundo lugar, porque a nossa família tem muito a ver com toda a história relatada nesse maravilhoso livro. A nossa família é de origem alemã. E Porto Feliz- Mondaí é uma cidade de origem alemã. Basicamente ela foi colonizada pelos colonos pioneiros, que aportaram em São Leopoldo, há quase 200 anos, no já longínquo ano de 1824, na cidade gaúcha de São Leopoldo.

Porto Feliz - Mondaí. O centenário da colonização (1922-2022). Ed. Schreiben. 2022. Livro organizado por Douglas Orestes Franzen.

O meu irmão Hédio José Rech, de certa forma também é um pioneiro nesse extremo oeste catarinense, para onde foi nos idos da década de 1960. Foi para ser professor e se estabeleceu, depois de algumas andanças, na comunidade de Catres. Hoje mora na cidade. Ele foi recrutado para ser professor e também passou por inúmeras dificuldades até ser formalmente contratado como professor pelo estado de Santa Catarina. A nossa família é natural de Harmonia, que na época era o terceiro distrito de Montenegro. Já visitei o meu irmão em várias oportunidades. Eis a minha relação com a cidade. Também me move a satisfação de colaborar, por mínimo que seja, com a divulgação desse valioso livro. 

O livro tem um valor inestimável. Livro de preservação de memória. Ele deve ter dado um bom
trabalho ao seu organizador, pois diferentes pesquisadores fazem as mais diferentes abordagens relativas ao histórico desenvolvido ao longo dos cem anos da história de Mondaí. Ao longo de 361 páginas são desenvolvidos os principais fatos históricos e culturais do município, junto com um rico acervo bibliográfico acompanhado de fotografias históricas coletadas junto às famílias dos pioneiros ou retiradas ou de um museu existente na cidade, o  Museu Pastor Karl Ramminger.

Donde vieram os pioneiros? A maioria veio das antigas colônias alemãs do Rio Grande do Sul, das colônias originárias de São Leopoldo e São José do Hortêncio, da década de 1820. As terras ao longo dos vales dos rios Sinos, Caí, Taquari, começam a ficar escassas, para os numerosos filhos que as famílias geralmente tinham. Novas fronteiras precisavam ser buscadas. É nesse contexto que é ocupada a fronteira oeste do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná. Trago bem presente na memória esse fenômeno que eu vivi na minha infância nos anos 1950. Sempre havia vizinhos de partida.

Especificamente a colonização de Porto Feliz-Mondaí se deu a partir da cidade de Panambi (Neu-Wittemberg). Ali tinha sede a companhia colonizadora Chapecó-Peperi, que estendeu os seus laços comerciais para além do rio Uruguai, nas terras catarinenses. A cidade de Panambi, historicamente tem a ver com a religião protestante, influência que foi levada para a nova colônia do então Porto Feliz. Isso tudo é bem contado ao longo do livro. Lá em Harmonia, onde só havia católicos, junto com Bom Princípio e Tupandi, lembro que se falava mais de Porto Novo, atual Itapiranga, para onde foram direcionados as famílias dos católicos. Coisas da colonização. Hoje o espírito ecumênico prevalece. O tempo aproximou os credos e todos convivem harmoniosamente.

Outros pioneiros vieram diretamente da Europa e de maneira toda especial, da Alemanha, que vivia os problemas do pós Primeira Guerra. Um fato interessante é que vários migrantes também vieram da Bessarábia (Romênia), país do qual não temos tantos imigrantes. O rio Uruguai foi fundamental nessa nova frente de colonização. Era a grande via desses tempos de pioneirismo. 

A ocupação como demarcação de fronteiras também teve importância nessa história de povoação do extremo oeste catarinense. Chapecó era até então a última fronteira e o município mãe de toda essa região. As fronteiras que deveriam ser demarcadas eram as que dividiam o Paraná com Santa Catarina (Pós guerra do Contestado - 1912-1916) e  entre o Brasil e a Argentina. 

Três fatos históricos mereceram de minha parte maior atenção. O primeiro deles foi a passagem por ali, no ano de 1925, da Coluna Prestes, que gerou grande pânico entre os colonos. O outro fato foi a crise sanitária decorrente dos animais mortos pela passagem da Coluna e a contaminação provocada, que resultou numa grave epidemia de tifo, que vitimou muitos colonos. Creio que dá perfeitamente para imaginar o tamanho da tragédia, agravada pela total falta de recursos, em todos os sentidos. Mas, com certeza o fato mais significativo, foi o que aconteceu nos anos 1930 e agravada ao longo do Estado Novo (1937-1945), com a ditadura de Getúlio Vargas. O Brasil entra na Segunda Guerra, declarando guerra a Alemanha. O alemão passa a ser língua proibida. É inimaginável a violência que se estabeleceu na região por causa desse problema. Muitas prisões e torturas aconteceram nesses pacatos locais. Quem minimamente conhece essas  colônias alemãs sabe, que ainda hoje, a língua mais falada e preferida continua sendo o alemão. Esse período recebeu a denominação de nacionalização.

Outro fato que me  chamou bastante atenção foi o do interesse da cidade com a preservação de sua memória e de seus marcos culturais. Creio que as universidades das grandes cidades mais próximas, como Chapecó e Passo Fundo tem bastante a ver com isso, e isso é muito bom.

Por tudo isso eu mais do que recomendo a leitura e, para dar um melhor panorama do livro ainda deixo a síntese  apresentada na orelha da capa e contracapa. Vejamos: A fundação de Porto Feliz. "Pode-se considerar como data de fundação de Porto Feliz o dia 20 de maio de 1922 que ao mesmo tempo marca o início da colonização do extremo oeste de Santa Catarina.

Nesse dia, Faulhaber, na qualidade de diretor da Empresa Chapecó-Peperi Ltda., pisou as terras da nova colônia para determinar o local de sua sede.

O diretor Faulhaber partiu de Nonoai na pequena lancha a motor de Camilo Picou. Seguiu Uruguai abaixo acompanhado por seus homens de confiança, os colonos Jacob Schüler e Friedrich Forbrig, de Neu-Württemberg, assim como o agrimensor Victor Alberto Webering e o comerciante Francisco Martins, de Palmeira. 

Na foz do primeiro ribeirão, abaixo do rio das Antas, havia, no alto do barranco, um rancho abandonado por balseiros. Em frente, ao lado riograndense, vivia um único morador, Ernesto Scherer. Era apaixonado caçador e já havia percorrido as matas de ambas as margens do Uruguai. Podia assim, fornecer informações preciosas.

O diretor Faulhaber decidiu-se, após dois dias de minuciosas verificações, pelo amplo vale localizado, às margens do ribeirão Capivara, fixando juntamente com o agrimensor Webering, os limites da futura povoação: desde a foz do rio das Antas no Uruguai até a embocadura do ribeirão Laju e, seguindo pela margem do rio, em direção ao sul, até a foz do riacho que deságua no Uruguai diante da ilha do Pão de Açúcar.

Juntamente com Jacob Schüler, o mestre carpinteiro, foi determinado o local para a construção do primeiro prédio da administração, situado próximo ao porto. Uma pequena elevação rio abaixo, foi escolhida para a edificação do primeiro barracão de imigrantes.

Faulhaber sugeriu que a futura sede fosse denominada "Porto Feliz", sugestão que, alguns dias depois, foi aprovada em Carazinho em reunião dos demais sócios da empresa colonizadora". (Koelln, 1980, p.20). Trata-se portanto de uma citação do livro de KOELLN, Arno. Porto Feliz: a história de uma colonização as margens do rio Uruguai. Mondaí. Improeste. 1980.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.