sábado, 8 de janeiro de 2022

A VERDADE e o espelho quebrado. Uma lenda africana.

A leitura de Na minha pele, de Lázaro Ramos, me colocou em contato com essa magnífica lenda africana, a lenda do espelho da VERDADE, ou do espelho quebrado. Ela aparece na página 65/66, sob o nome "O espelho da verdade". Como considero a VERDADE algo referencial e fundamental em qualquer trabalho de formação, optei por um post para contá-la. Em síntese, ela nos diz que o espelho da verdade foi quebrado e que o mundo da unidade da verdade passou a ter tantas verdades, quantas as partes quebradas do espelho. A partir de então cada um encontrou a sua verdade, na região em que caiu um pedaço desse espelho. A VERDADE seria então a busca pela reconstrução desse espelho, uma busca de enriquecimento, de somas e jamais de imposição.

Na minha pele. Lázaro Ramos. Aí encontramos a lenda "O espelho da verdade".

Como no livro de Lázaro Ramos existe uma adaptação dessa lenda, que, embora não prejudique a sua interpretação, a procurei em outras referências. A encontrei, num dos mais fantásticos programas de formação continuada de professores, instituída no estado do Paraná, no governo de Roberto Requião, no Programa de Desenvolvimento Educacional, o chamado PDE. A encontrei da seguinte forma, sem nela mexer:

"Outro conto Afro. Conta-se, na tradição oral de matriz africana, que no princípio havia uma única verdade no mundo. Entre o Orun (mundo invisível, espiritual) e o Aiyê (mundo natural) existia um grande espelho. Assim, tudo que estava no Orum se materializava e se mostrava no Aiyê. Ou seja, tudo que estava no mundo espiritual se refletia exatamente no mundo material. Ninguém tinha a menor dúvida em considerar todos os acontecimentos como verdades. E todo cuidado era pouco para não se quebrar o espelho da Verdade, que ficava bem perto do Orun e bem perto do Aiyê. Neste tempo, vivia no Aiyê uma jovem chamada Mahura, que trabalhava muito, ajudando sua mãe. Ela passava dias inteiros a pilar inhame. Um dia, sem querer, perdeu o controle do movimento ritmado que repetia sem parar e a mão do pilão tocou forte no espelho, que, então, espatifou-se pelo mundo. Desesperada, Mahura correu para se desculpar com Olorum, o Deus Supremo. Qual não foi a surpresa da jovem quando encontrou Olorum calmamente deitado à sombra de um iroko (planta sagrada, guardiã dos terreiros). Olorum ouviu as desculpas de  Mahura com toda a atenção, e declarou que, devido à quebra do espelho, a partir daquele dia não haveria mais uma verdade única para se observar, mas várias possibilidades de observação da verdade. E concluiu Olorum: “De hoje em diante, quem encontrar um pedaço de espelho, em qualquer parte do mundo, já pode saber que está encontrando apenas uma parte da verdade, porque o espelho reflete sempre a imagem do lugar onde ele se encontra”. Portanto, para seguirmos a vontade do Criador, é preciso, antes de tudo, aceitar que somos todos iguais, apesar de nossas diferenças. E que a Verdade não pertence a ninguém, pois não está em nenhum pedaço especificamente – do espelho, do mundo ou do pensamento –, mas na união de todos: lugares, ideias e pessoas. Há um pedacinho dela em cada lugar, em cada crença, dentro de cada um de nós. (Fonte: Conto de Tradição Oral)".

Como a lenda já está interpretada, essa tarefa me é dispensada, mas isso não me impede de fazer algumas considerações. A minha formação é de seminário católico (seminários de Bom Princípio, Gravataí e Viamão, todos no Rio Grande do Sul). Formação dogmática, portanto. 

Hoje, já com 76 anos de idade, devo dizer que sou socrático, no sentido de sempre fazer prevalecer a pergunta sobre a resposta e que as respostas obtidas, servem sempre, apenas, para a elaboração de novas perguntas. Também sou cartesiano, fazendo prevalecer a dúvida sobre a afirmação, normalmente, oriunda da fé. Assim, a fonte da busca da verdade é a dúvida e não a afirmação. 

Também recomendaria o livro O espelho do ocidente - o nazismo e a civilização ocidental, de Jean-Louis Vullierme. O nazismo brota da afirmação de verdade única, imposta e incontornável. Deixo a resenha deste livro: http://www.blogdopedroeloi.com.br/2019/03/espelho-do-ocidente-o-nazismo-e.html. Recomendo ainda a palestra de rádio de Theodor Adorno, transcrita no livro, Educação e emancipação, sob o título de "Educação após Auschwitz". Adorno nos adverte que o nazismo é originário de verdades incondicionais e pré-estabelecidas. É o suficiente. Contra a arrogância do saber, a humildade de sua busca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.