quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Nota de Falecimento. Um Retrato da Política.

Está no ar, nas rádios, um informe de um sindicato, se não me engano, dos funcionários do INCRA, que anuncia um falecimento, o da reforma agrária. Isso me remeteu a uma outra nota de falecimento, que consta num livro que comprei no Segundo Fórum Social Mundial, em 2002, em Porto Alegre. O livro é do Pablo Gentili e do Chico Alencar e que tem por título Educar na Esperança em tempos de desencanto. É uma publicação da editora Vozes, de 2001. Dou e insisto na data, 2001, pois é necessário datar as coisas e associá-lo ao título, aos "tempos de desencanto". Era quase ao final do longo e interminável governo de Fernando Henrique Cardoso, no auge das práticas políticas neoliberais, causadoras do desencanto. Mas vejamos o anúncio:
O belo título do belo livro de Pablo Gentili e Chico Alencar. A contraposição entre desencanto e esperança.  
NOTA DE FALECIMENTO:

"Brasília, um dia qualquer desta primeira década do século XXI - Pereceu hoje, na capital da República, Dona Política Democrática do Bem Comum, após lenta agonia. Causa mortis: falência múltipla dos órgãos, após septicemia generalizada. Nesta etapa terminal, seu Executivo só executava a sangue frio, o Legislativo legislava apenas em causa própria, e o Judiciário tardava e falhava. A infecção no regime representativo era crônica. Dona política, alguns anos antes de morrer, já exalava, em seu bem equipado quarto de moribunda, um cheiro insuportável. As despesas com a longa internação e o sepultamento foram pagas por grandes conglomerados privados, a maioria do setor financeiro.

Ao velório de Dona Política compareceram altas autoridades do país. O Presidente da República deu animada entrevista para correspondentes estrangeiros, dizendo conhecer a indigitada desde os tempos da Grécia Antiga, quando era considerada amiga fiel de todos - à exceção dos escravos, das mulheres e dos estrangeiros.

Senadores de sábias cabeças brancas, contristados, confabulavam no velório. O momento de nojo (como eles continuam a denominar o luto) fez com que notórios adversários de ocasião, que tinham protagonizado recente duelo para provar quem era mais canalha, ficassem lado a lado e até trocassem algumas ideias.

Alguns representantes da esquerda também compareceram. As lágrimas sinceras pelo passamento de Dona Política Democrática não duraram muito: logo foram secando e a perplexidade deu lugar a um inusitado conformismo, na linha do "a vida é assim mesmo" e "Deus sabe o que faz". "O jeito é seguir em frente e nos acostumaremos com sua ausência", disse um deputado que fora líder estudantil há trinta anos, com seu corpo trinta quilos mais pesado.

Coroas de flores abarrotavam a capela. As mais vistosas eram as assinadas pelo FMI e pelo Banco Mundial. O Presidente dos EUA enviou mensagem, afirmando saber o que os brasileiros estavam sentindo, pois seu país vivera essa perda há muito, levando o povo norte-americano a reagir com o consumo compulsivo de hambúrgueres, coca-colas, drogas, sexo e credit card. Comunicadores de elevada audiência, através da TV, explicavam que a morte era esperada, pois Dona Política, idosa e "jurássica como a ideia de Nação", já não cumpria função relevante no mundo globalizado do capital volátil, dos fluxos especulativos sem fronteira e dos internautas egocentrados do ciberespaço.

O sepultamento será no jazigo perpétuo da família Camaleão (aquela oligarquia pluriétnica, que muda de cor conforme a situação, e sub-ética, com moral de ocasião), no poder há 500 anos.

A nota dissonante das exéquias foi a invasão da capela, quando a tarde caía, por um menino maltrapilho, que circulou entre os presentes assoviando a música "O que será", de chico Buarque, para constrangimento geral. Retirado por seguranças, ele sumiu na noite que chegava.

No livro de condolências, encontrou-se sem assinatura, uma estranha mensagem: "Há erro de pessoa aqui. Esta política que já vai tarde não é a Democrática e do bem Comum. É uma contrafação dela, nascida no ventre neoliberal da cultura narcísica, da desconstituição da pessoa como agente da História. Quem morreu, sem merecer choro nem vela, foi a política despolitizada da delegação, da desinformação, da submissão do povo como massa de manobra dos bandidos de colarinho branco. Dona Política Democrática do Bem Comum está viva e foi vista, cheia de energia, num acampamento dos sem terra, na boa luta sindical, nas comunidades pobres que se organizam, nas escolas da educação popular, na solidariedade com os desvalidos, naqueles que mantém a utopia comum de novas e fraternas relações humanas e sociais".

Chico Alencar quando anuncia esta Nota de Falecimento o faz no intuito de, pela educação "ajudar a viabilizar a ressurreição da política", tal como está descrita no último parágrafo da nota. Quem quer a morte da política, bem o vimos nas manifestações de rua de junho, é a direita reacionária e golpista, que queria excluir das manifestações, a representação popular, organizada pelos partidos políticos. Sociedade sem a mediação da política é sociedade autoritária. Bela nota de falecimento. Proporciona muitas reflexões e análises de conjuntura.


4 comentários:

  1. Eloisa Franco Brilha6 de julho de 2015 23:25

    Excelente texto e o livro todo.Já usei em momentos de capacitação de professores.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Eloísa pelo seu comentário. E o confronto entre desencanto e esperança continua. Aprecio muito os trabalhos, tanto do Pablo, com quem trabalhamos bastante no tempo em que eu era dirigente sindical, da APP-Sindicato, quanto do Chico Alencar, especialmente,a sua atuação política.

    ResponderExcluir
  3. Puxa professor, tristes e sombrios tempos...obrigada pela pérola .

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado Janaína e vamos torcer pela Ressurreição.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.