quarta-feira, 8 de abril de 2015

Os Bórgias. A Primeira Família Criminosa.

Os Bórgias - A Primeira Família Criminosa - é uma produção fantástica da SHOWTIME, em associação com a TAKE5PRODUCTIONS e OCTAGON FILMS JEREMY IRONS "THE BORGIAS".  A série possui três temporadas. A primeira é composta de 9 episódios. O disco contém diversos extras. Possui um total de 465 minutos de exibição. A segunda é composta de 10 episódios e o disco também tem extras, num total de 519 minutos e a terceira, a chamada temporada final, também tem 10 episódios, além dos extras, com 503 minutos. O total são mais de 25 horas, o que requer muito tempo de quem se dispõe a assisti-lo em sua íntegra. Tarefa fácil para mim, na qualidade de "administrador de tempo livre".
Os Bórgias. A série completa. Um dos momentos mais importantes da história da humanidade. A construção da modernidade


Os episódios da primeira temporada tem os seguintes títulos: o cálice envenenado; o assassinato; o mouro; o casamento de Lucrécia; os Bórgias apaixonados; o rei francês; morte em um cavalo amarelo e nessuno (ninguém). Nos extras é apresentado o elenco e a escolha dos personagens.
Primeira temporada. Começando quente com cenas de envenenamento, casamento por interesse e...

Os episódios da segunda temporada tem os seguintes títulos: o touro Bórgia; Paolo; o belo engodo; cães vadios; a escolha; dias de cinzas; o cerco em Forli; verdades e mentiras; mundo de maravilhas e a confissão. Nos extras é apresentado o mundo dos Bórgias, a arte da esgrima, instrumentos de tortura e o veneno Bórgia.
Segunda temporada. Continua quente. No centro estão Rodrigo, César e Lucrécia. Todos Bórgias.

Já os 10 episódios da temporada final aparecem sob os títulos de: a face da morte; o expurgo; irmãos; o banquete das castanhas; o lobo e o cordeiro; relíquias; o estratagema de Lucrécia; lágrimas de sangue; a conspiração da pólvora e o príncipe. Nos extras é mostrada a nossa refeição diária, a ascensão de César, Rúfio - uma sombra, o reinado de Rodrigo (Alexandre VI), examinando uma cena: a tentativa de assassinato, bastidores e são mostradas cenas inéditas.
Terceira temporada ou temporada final. As relíquias sempre foram uma grande farsa.


Os Bórgias tem um subtítulo forte - A primeira família criminosa. E é esta primeira família criminosa que ocupa a centralidade da série. Os personagens desta família são o papa Alexandre VI, que é o Rodrigo Bórgia, a sua cortesã Vannozza dei Cattanei e os quatro filhos que teve com ela, César, Lucrécia, Juan e Gioffre. A série também dá grande destaque para Giulia Farneze, a amante do papa Alexandre VI, durante o pontificado.

Se tivéssemos que dar um outro subtítulo à série, certamente não cometeríamos erro se escolhêssemos "as tramas do poder", com o foco no papa Alexandre e nos filhos César e Lucrécia. Rodrigo Bórgia é espanhol, nascido na cidade de Valência. Tornou-se papa após vários escrutínios, num colégio eleitoral composto por 23 cardeais. Os principais adversários foram os cardeais Ascânio Sforza e Giulliano della Rovere. O primeiro, ele o trouxe para junto de si e o segundo tornou-se um conspirador permanente. Alexandre VI foi o papa de número 214 e governou entre 1492 e 1503. Pela data do seu pontificado dá para ter uma noção de sua importância histórica.
Os atores e os personagens. Um elenco de primeiríssima qualidade. Destaque especial para Rodrigo.


A trama, além das conspirações diárias entre as grandes famílias italianas dá destaque para a família dos Sforza: Ascânio, o cardeal, Giovanni, o marido do primeiro casamento de Lucrécia, Ludovico, de Milão e a poderosa Caterina, a do castelo de Forli. Junto com o cardeal della Rovere foram os mais implacáveis inimigos de Alexandre VI. Caterina só foi vencida quando Alexandre VI confiou ao filho César a força de seus exércitos. As tramas também envolvem o reino da França e o de Nápoles, onde Lucrécia teve o seu segundo casamento por interesses do pai.
Bem simbólico. O cálice e a serpente. O sagrado e o diabólico profundamente entranhados.


Uma das datas que eu guardo na memória é a de 1517, a data ligada à reforma protestante, preconizada por Lutero. Este não aparece na série, mas sim o espírito desta época, através do monge revoltoso de Florença, o dominicano Girolamo Savanarola, executado em Florença em 1498. A reforma protestante estava se desenhando. Mas, ainda apontando para a data do pontificado de Alexandre VI ( 1492 -  1503), enxergamos toda a formação do mundo moderno com os descobrimentos marítimos e a grande revolução comercial, bem como todo o movimento do renascimento. Tudo isso está muito presente nessa série.

Outro ponto que eu teria para destacar é a presença de Maquiavel. Ele aparece várias vezes, inclusive confabulando e tramando com César. A admiração entre eles era mútua. Vendo a série dá para entender facilmente a preocupação de Maquiavel com o exercício do poder e de sua unificação, bem como a sua admiração por homens fortes e dotados de determinação. A fortuna só sorri para os homens dotados da "virtù", ou seja da virilidade. O fim das desavenças entre as famílias dos reinados italianos só se daria com a unificação italiana.
O meu primeiro contato mais aprofundado com Os Bórgias foi por este Best Seller de Mário Puzzo.


Em suma, foram 25 horas muito bem aproveitadas ao assistir a série. Reconstituição histórica muito bem feita e com uma reconfiguração de época extraordinária. Os grandes instrumentos de poder do papa eram o casamento, para a formação de alianças entre as grandes famílias, a investidura, quando o papa coroava os reis, a anulação, pela qual o papa consentia na anulação de casamento para aliados seus, a excomunhão, pela qual os adversários eram banidos do céu na vida eterna e o assassinato ou a eliminação física de adversários indesejados. Tudo isso constitui a trama dessa maravilhosa série.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.