terça-feira, 9 de outubro de 2018

Se os tubarões fossem homens. Bertolt Brecht.

Nos trabalhos de abertura de um dos grupos de leitura da obra de Paulo Freire, em comemoração aos 50 anos da publicação da Pedagogia do oprimido, foi sugerida a leitura deste poema do Brecht. Achei muito oportuno, como também, a sua publicação neste espaço. É uma parábola perfeita. E as parábolas são de fácil compreensão. Vamos lá.
Uma representação dos tubarões, se fossem homens.


Se os tubarões fossem homens, perguntou a filha de sua senhoria ao senhor K., seriam eles mais amáveis para com os peixinhos?

Certamente, respondeu o Sr. K. Se os tubarões fossem homens, construiriam no mar grandes gaiolas para os peixes pequenos, com todo tipo de alimento, tanto animal quanto vegetal. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca e adotariam todas as medidas sanitárias adequadas. Se, por exemplo, um peixinho ferisse a barbatana, ser-lhe-ia imediatamente aplicado um curativo para que não morresse antes do tempo.

Para que os peixinhos não ficassem melancólicos haveria grandes festas aquáticas de vez em quando, pois os peixinhos alegres têm melhor sabor do que os tristes. Naturalmente haveria também escolas nas gaiolas. Nessas escolas os peixinhos aprenderiam como nadar alegremente em direção à goela dos tubarões. Precisariam saber geografia, por exemplo, para localizar os grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar.

O mais importante seria, naturalmente, a formação moral dos peixinhos. Eles seriam informados de que nada existe de mais belo e mais sublime do que um peixinho que se sacrifica contente, e que todos deveriam crer nos tubarões, sobretudo quando dissessem que cuidam de sua felicidade futura. Os peixinhos saberiam que este futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente. Acima de tudo, os peixinhos deveriam rejeitar toda tendência baixa, materialista, egoísta e marxista, e denunciar imediatamente aos tubarões aqueles que apresentassem tais tendências.

Se os tubarões fossem homens, naturalmente fariam guerras entre si, para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. Nessas guerras eles fariam lutar os seus peixinhos, e lhes ensinariam que há uma enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões. Os peixinhos, proclamariam, são notoriamente mudos, mas silenciam em línguas diferentes, e por isso não se podem entender entre si. Cada peixinho que atacasse alguns outros na guerra, os inimigos que silenciam em outra língua, seria condecorado com uma pequena medalha de sargaço e receberia uma comenda de herói.

Se os tubarões fossem homens haveria arte entre eles, naturalmente. Haveria belos quadros, representando os dentes dos tubarões em cores magníficas, e as suas goelas como jardins onde se brinca deliciosamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam valorosos peixinhos a nadarem com entusiasmo rumo às gargantas dos tubarões. E a música seria tão bela, sob os seus acordes, todos os peixinhos, como orquestra afinada, a sonhar, embalados nos pensamentos mais sublimes, precipitar-se-iam nas goelas dos tubarões.

Também não faltaria uma religião, se os tubarões fossem homens. Ela ensinaria que a verdadeira vida dos peixinhos começa no paraíso, ou seja, na barriga dos tubarões.

Se os tubarões fossem homens também acabaria a ideia de que todos os peixinhos seriam iguais entre si. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados acima dos outros. Aqueles ligeiramente maiores até poderiam comer os menores. Isso seria agradável para os tubarões, pois eles, mais frequentemente, teriam bocados maiores para comer. E os peixinhos maiores detentores de cargos, cuidariam da ordem interna entre os peixinhos, tornando-se professores, oficiais, polícias, construtores de gaiolas, etc.

Curto e grosso, se os tubarões fossem homens, só assim haveria uma civilização no mar.

Se Brecht vivesse hoje entre nós, certamente acrescentaria um parágrafo para dizer que também haveria um sistema judiciário se os tubarões fossem homens. E uma declamação do poema, na voz do Antonio Abujamra.


4 comentários:

  1. muito bem colocado,Brecht é o cara e você também caro professor Pedro Eloí,boa tarde.

    ResponderExcluir
  2. Uma alegoria perfeita. Agradeço o seu elogioso comentário.

    ResponderExcluir
  3. Muito atual Professor. E olha essa parte: "Nessas escolas os peixinhos aprenderiam como nadar alegremente em direção à goela dos tubarões", qualquer semelhança com a atualidade seguramente não é mera coincidência, é cíclico.

    ResponderExcluir
  4. Muito bem observado e lamentavelmente verdadeiro. Agradeço a sua observação.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.