quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Adelar Bertussi - Um Gaiteiro de bem com a Vida.

Nas minhas caminhadas, de vez em quando dou uma passada pelos supermercados que ficam no caminho. Quando faço isso, normalmente dou uma espreitada nos vinhos, para ver se tem alguma boa oferta. As vezes também dou uma chegada na seção dos CDs e DVDs. Neste final de semana, entre os DVDs encontrei um de Adelar Bertussi, que eu imediatamente comprei, sem nem mesmo ver direito o preço.
O DVD - Adelar Bertussi - O tropeiro da música gaúcha. Na verdade o DVD é um documentário sobre a vida e a carreira dos Irmãos Bertussi.

Dos meus tempos de infância me lembro de duas duplas, que a gente ouvia no rádio, lá em casa.Uma era Tonico e Tinoco e a outra era os Irmãos Bertussi. Muito mais tarde, em Umuarama formamos um CTG.(Centro de Tradições Gaúchas) e, na inauguração do nosso galpão, a animação do baile ficou por conta de Os Bertussi - Pai e Filho - Adelar e Gilnei. Na época tínhamos um belo costume de não hospedar os conjuntos em hotéis, Isso era feito em nossas casas. Coube a mim a honra de hospedar o próprio Adelar. O que posso dizer dele? Uma das pessoas mais cativantes que eu já conheci. Em poucos minutos de conversa, já parecíamos amigos, há um longo tempo.

Guardo comigo o LP que ganhei de presente do Adelar, com dedicatória. - Ao amigo Elói e família. Nosso abraço. Adelar Bertussi. 21.10.1989. Foi um baile maravilhoso, fandango para ninguém botar defeito. Depois fiquei sabendo que Adelar estava morando em Curitiba, mas nunca mais nos encontramos. Fui até professor de um aluno com o sobrenome Bertussi e perguntei para ele: O que tu és do Adelar? É o meu tio, me respondeu ele. Mas ficou nisso.
O LP que ganhei do Adelar, por ocasião da inauguração do galpão do CTG de Umuarama.

Sabia que os Irmãos Bertussi eram de São Francisco de Paula, pois cantaram loas a sua cidade natal. No DVD documentário isto está confirmado. Eles nasceram num lugar chamado Criúva, hoje distrito de Caxias do Sul, entre Caxias e São Marcos. Os pais eram fazendeiros.

Eu sempre fico intrigado diante de gênios. Fico sempre a perguntar. Como é que ele começou? Quais foram as influências? Ele estudou ou isso foi meio espontâneo? Isso tudo está respondido no documentário. Ao que tudo indica a família tinha posses: eram fazendeiros. A mãe - Juvelina - era letrada. Fora aluna de colégio interno em Ana Rech, nas proximidades de Caxias do Sul e o pai - Fioravante - era italiano com boa formação musical. O seu instrumento era a clarineta. Chegaram a formar uma banda em família, - que tocava especialmente nas festas e nas procissões da igreja, - fato que, não deixa de ser a origem da dupla, que seria tão famosa.

Os guris estudaram música em Caxias. Primeiro Honeide e depois Adelar. Adelar teve até professor que veio da Itália. Deste complexo de coisas, surgiu efetivamente a dupla - Os Irmãos Bertussi: a música, uma marca da família e os estudos musicais com professores em Caxias do Sul. O campo lhes deu o tema. Incorporaram à música gaúcha, as lides de campo dos serranos. Eu incorporaria mais uma coisa: Os caminhoneiros de São Marcos, de quem sempre foram caroneiros para ir para São Paulo e ao Rio de Janeiro, para se entreverarem com as artes da gravação.

No documentário existe uma preciosidade que deveria integrar todas as aulas sobre a história do rádio. Adelar conta, não somente como chegou em sua casa o primeiro rádio - um caixão que fala - mas o incêndio que ele provocou na imaginação deles. Eles ouviam a rádio El Mundo de Buenos Aires, com seus tangos e, depois a rádio Record de São Paulo. Na Record escutavam o programa da famosa dupla Raul Torres e Florêncio. Não saía da cabeça do Honeide, um pouco mais velho que Adelar, ir para São Paulo e seguir na carreira musical, para além dos bailes e das procissões religiosas em sua terra.

Em São Paulo chegaram a ser anunciados por Raul Torres, que mandou até um alô para a família, mas não houve abertura para uma apresentação. Dele receberam o conselho de que deveriam ir para o Rio de Janeiro, pois lá é que gostavam da acordeona. E o inusitado aconteceu. Apareceu em Caxias um sobrinho do Mário Mascarenhas, para estudar afinação numa fábrica de gaitas e que meio perdera o contato com o tio. Honeide encarregou-se de sua volta ao Rio, com os caminhoneiros de São Marcos. A dupla, porém, foi junto.

Adelar tocou para Mascarenhas, num evento de sua academia. Tocou também a dupla. Adelar lembra até da música, La Cumparsita. Uma semana depois estavam tocando para David Nasser, dono de O Cruzeiro e foram logo apresentados para Emílio Vitali, diretor artístico da Copacabana Discos. Em dezembro de 1955, sai, em lançamento nacional, o LP - Coração Gaúcho. Depois veio um atrás do outro. A dupla se separou no auge do sucesso, depois de uma apresentação na Festa da Uva, em 1966, quando cantaram e tocaram para um público de mais de 40.000 pessoas.

Depois formou dupla com Itajaíba Mattana e formou conjuntos com os nomes: Adelar e os reis do fandango, - Coração Gaúcho, - Os Bertussi - Pai e Filho - Adelar e Gilnei. Hoje o conjunto está sob o comando de Gilnei, mas Adelar ainda os acompanha. Adelar se diz inspirado no famoso gaiteiro catarinense Pedro Raimundo, na alegria de tocar e de cantar.

Em 2008 foi inaugurado na Fazenda Bertussi, em Criúva, no município de Caxias do Sul o memorial irmãos Bertussi, onde está a lápide de Honeide. O memorial é um museu e consta também de um busto de bronze dos dois irmãos gaiteiros. A dupla que aparece no memorial é tirada de uma capa de um de seus LPs. e tem 3,20 metros de altura. Na minha próxima ida ao Rio Grande, já incluí uma visita ao memorial.
Vista do Memorial Irmãos Bertussi, em Criúva, um distrito de Caxias do Sul.

A minha dúvida com relação a formação deste gênio está respondida. Tem música na origem, na família, e especialmente na sua formação com professores de música, em Caxias do Sul. No DVD tem um belo depoimento de seu professor, o italiano Eleonardo Caffi, que diz que havia no Adelar poesia e musicalidade, facilidade e intuição e muita predisposição."Era fácil para ele - ele tinha uma destreza incrível", diz o professor.

Me deu muita satisfação fazer este post, ele me avivou a memória de um belo dia em que o conheci e tenho certeza absoluta de que ele cumpriu com a sua inspiração de gaiteiro alegre, ele transpira esta alegria, que está reservada aos homens que estão de bem com a vida. Sim, para lembrar, no dia em que conheci o Adelar, eu literalmente toquei em sua gaita. E provo. Vejam a foto.
"Tocando" na gaita do famoso gaiteiro, Adelar Bertussi.

Em tempo: Um dos diplomas que ostento com gosto. O título de sócio remido do CTG. Querência da Amizade - de Umuarama. Ele fez parte da campanha de arrecadação de fundos para a construção do galpão.
O título remido nº 02.






4 comentários:

  1. Flávio Angra Maganini17 de maio de 2014 23:00

    Somos, eu e minha esposa,fãs dos Bertussi. Temos alguns elepês deles, como "Os cancioneiros das Coxilhas, moramos em São Francisco de Paula, RS. Gostamos muito da música gaúcha, a de raiz, o que, infelizmente, não é tão divulgada. Um abraço. continuaremos seguindo o blog

    ResponderExcluir
  2. Então Flávio, você é conterrâneo deles. São Francisco é terra boa, gente forte e hospitaleira... Um dia passando por São Francisco, no rumo de Cambará, eu, o meu filho e um amigo, paramos aí e tomamos uma cerveja em homenagem. Flávio, este DVD da biografia deles é maravilhoso. Aí no Rio Grande deve ser fácil de encontrar. Vale a pena. Eu ainda tenho parentes em Harmonia e Tupandi e numa das minhas idas pretendo ver o mural, em São Jorge da Mulada. E ouvindo "Sangue de Gaúcho", deixo um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é amjgo, andei afastado e agora retorno, mas quando passar em São Chico, é só perguntar por que sou bem conhecido, e venha tomar um mate, abraços

      Excluir
  3. Vamos aguardar a oportunidade. Muito obrigado pelo convite. Abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.