quarta-feira, 17 de abril de 2013

Darcy Ribeiro recebe a "Extrema Unção" de Leonardo Boff.

A morte de Darcy Ribeiro deve ter ocorrido num dos cenários mais lindos, se é que se pode falar, de que para a morte, existe esse cenário lindo. Darcy teria solicitado, que em sua morte fosse assistido por frei Betto e por Leonardo Boff. Somente Leonardo Boff esteve presente. A morte de Darcy aconteceu, depois de resistências para lá de heroicas, em Brasília, no dia 17 de fevereiro de 1997.
Darcy Ribeiro pede para ser atendido por Leonardo Boff e por frei Betto, quando em seus últimos momentos de vida. 

Quando Leonardo chegou, Darcy lhe deu as suas Confissões, ainda inéditas, e pediu a leitura do parágrafo final do Prólogo. Leonardo leu: Termino esta minha vida exausto de viver, mas querendo mais vida, mais amor, mais saber, mais travessuras. A você que fica aí, inútil, vivendo vida insossa, só digo: "Coragem! Mais vale errar, se arrebentando, do que poupar-se para nada. O único clamor da vida é por mais vida bem vivida. Essa é, aqui e agora, a nossa parte. depois, seremos matéria cósmica, sem memória de virtudes e gozos. Apagados, minerais. Para sempre mortos". Se segue um belíssimo  diálogo e, certamente Darcy partiu feliz.

Boff fala para Darcy que esta leitura é a interpretação de quem vê de fora, citando a história do casulo e da borboleta. O casulo morre para que a borboleta possa ter vida. Esta foi apenas a entrada para a conversa que irá se aprofundar e Leonardo conta como imagina que seria a chegada de Darcy lá em cima e, de  como  ele seria recebido. "E você Darcy, não será recebido por Deus Pai, você será recebido por Deus em forma de uma mãe". Aí Darcy não se conteve e perguntou: "Então serei recebido por uma deusa"! E então Boff completa a imagem, afirmando que Darcy seria recebido de braços abertos e com palavras muito generosas, mais ou menos assim, "como você demorou! você não queria vir, mas como você veio, você irá de abraço em abraço e de festa em festa, ser apresentado a todos". De novo Darcy complementa: "Então será de farra em farra"?
As palavras de Leonardo Boff para Darcy Ribeiro são das coisas mais lindas que eu já vi.

Darcy então parou, olhou meio de lado e disse a Leonardo:"Como gostaria que fosse verdade"! e contou de sua mãe, que sempre tivera muita fé e que morreu tranquila e, se dirigindo para Leonardo lhe diz: "Eu te invejo por seres um homem inteligente e com fé. Eu não tenho fé. Mas como eu gostaria que isso fosse verdade"!

E então começam as partes mais lindas. Palavras que somente um sábio poderia falar, ao dizer que a fé não importava, o que importava era o amor. "E você Darcy, a que dedicaste a tua vida. Tua vida foi um só ato de amor, um único ato de amor: atendeste aos famintos, às crianças abandonadas, aos índios marginalizados, aos negros e às mulheres oprimidas e, mais, ninguém louvou tanto às mulheres, quanto você. Quem fez o que tu fizeste terá o reino, a eternidade e a Deus". Leonardo faz então um jogo maravilhoso entre as palavras fé e amor. "O amor é o que vale, pois é verdade de vida, enquanto a fé é uma convicção mental". Cita ainda palavras de Jesus, de que não se deve ter preocupações, pois estas geram pessoas doentes, neuróticas e ansiosas. Fala ainda da árvore e de seus frutos. Não há árvore boa que dê maus frutos e nem o contrário

As palavras finais são mais lindas ainda. "O que é, é. E o que é, é para sempre. Entre a fé, a esperança e o amor, o maior sempre será o amor, pois o amor permanece para sempre. Enquanto que a fé acabará quando tudo for revelado, da mesma forma que a esperança, que não fará mais sentido, quando o esperado for alcançado. E então haverá apenas o amor e ele permanecerá por toda a eternidade, pois Deus é amor e nós o seremos com Ele".

Darcy ainda consegue se dirigir a Leonardo para lhe dar um último recado: "Então, nos vemos na farra"! Pode existir fala mais tranquilizadora? Darcy deve ter partido em estado de muita felicidade. E...., eu de minha parte,desde que não seja para muito já, quando eu tiver que partir..., vou querer me integrar nesta farra, pois, conviver com estas companhias, deve ser para lá de bom.

6 comentários:

  1. Toda vez que leio isso tenho a sensação de tê-lo feito pela vez primeira e, toda vez tenho uma nova sensação que parece refrigerar a alma.

    ResponderExcluir
  2. Mauro, que bonito. Não é por nada que eu considero este texto como o mais bonito que já publiquei. Ele faz um bem enorme. Agradeço o seu comentário.

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo texto, Prof. Pedro Eloi Rech!
    Darcy nos deixou reflexões e ensinamentos até os últimos instantes de sua vida. Todos os brasileiros que têm consciência da opressão ficaram um pouco órfãos com o seu desaparecimento.
    Viva a memória de Darcy Ribeiro!
    Logo após a sua morte, escrevi um pequeno poema, que não foi publicado em lugar nenhum:

    "DARCY

    Deu de si até a medula
    perdeu todas as grandes lutas
    e apiedou-se dos vencedores monocórdicos
    escrevendo, deu outro sentido ao Brasil
    e menino, despediu-se sorrindo."

    (Carlos Barbosa Júnior)

    ResponderExcluir
  4. Lembra a frase do Darcy "Fracassei em tudo o que tentei na vida. Tentei alfabetizar as crianças, não consegui. Tentei salvar os índios, não consegui. Tentei construir uma universidade séria, não consegui. Mas meus fracassos são minhas vitórias. Detestaria estar no lugar dos vencedores". Agradeço o seu belo comentário.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que texto belissimo! Que morte tranquila. Não vou dizer bonita, porque a morte não é bonita. Desfez-se em mim a idéia que eu tinha de que ele, Darcy, não acreditava em Deus. Texto para a gente ler e reler muitas vezes.

    ResponderExcluir
  6. Carlins, este é o mais belo texto que eu já publiquei no blog. Ele confere tranquilidade. Ao final só sobrará o amor e será por ele que seremos julgados. Agradeço muito o seu belo comentário.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.