segunda-feira, 1 de abril de 2013

O Povo Brasileiro 1. - A Matriz Tupi.

Darcy Ribeiro abre este primeiro capítulo do vídeo, perguntando se alguém consegue imaginar o mundo, daqui a cinquenta anos, com base na observação do que ele foi, cinquenta anos atrás. Faz isso, alertando-nos de que o futuro precisa ser construído, o futuro precisa ser inventado. Daí fala do primeiro povo componente da etnia brasileira, a nossa matriz indígena, a matriz tupi. Ressalta que o Brasil índio já existia há mais de mil anos no 1500, quando houve o encontro com os descobridores. Destaca que estes índios tinham na alegria e no gozo de viver a sua grande marca.
Matriz Tupi abre o primeiro capítulo do vídeo. Uma maravilho. A harmonia entre o homem e a natureza.

Aziz Ab'Saber e Washington Novaes narram a descrição dos povos indígenas que aqui habitavam, bem como as suas principais características.Os índios basicamente eram os tupinambás. Não havia, no entanto, uma nação tupi, havia uma miríade de tribos, totalmente auto suficientes em sua interação com a natureza. Estavam se iniciando na fase da agricultura, domesticando inúmeras plantas e animais. Conheciam a natureza em detalhes, conhecendo plantas e animais e conhecendo os diferentes usos a fazer. O curso dos rios determinava as suas moradas.
Da convivência com os índios, nasce a dedicação de Darcy a eles e a preocupação em dar um destino ao povo brasileiro, amálgama das miscigenações genéticas e culturais.

Darcy nos fala da matriz Tupi. Conviveu por dez anos com os índios, que se tornaram a sua maior paixão.
Os tupinambás viviam em função das guerras e das festas. A guerra  era por conquista de melhores espaços. Não escravizavam os vencidos, já que não os integravam à sua economia. Incorporavam, isso sim, a sua força e os seus brios, em ritos antropofágicos, o ritual maior de suas festas. Jamais comiam covardes. Não havia pelejas internas, furtos ou brigas. Eram educados para a convivência a partir dos mais velhos. O poder emanava do exemplo, do carisma e da tradição. Jamais se davam ordens. Havia muitas liberdades. Casamentos podiam ser feitos e desfeitos. A homossexualidade não era vergonhosa e não era escondida de ninguém.
O índio busca o máximo da beleza na celebração de seus ritos religiosos. A força da liturgia e do sagrado.

Havia a diferença de gênero. os homens eram educados para as funções da caça e da pesca e para a fabricação destes utensílios, bem como as canoas. As mulheres eram educadas para a tecelagem, o preparo das comidas e das bebidas e das grandes festividades. Não havia praticamente diferenças entre arte e trabalho. Se realizavam nesta tarefa trabalho/arte. Na fabricação dos objetos punham toda a beleza possível e identificavam os artesãos pela beleza de seus trabalhos. O produto de sua arte marcava a identidade do artista. Também não faziam grandes distinções entre esta vida e a outra. A outra, seria uma continuidade do paraíso em que já viviam.

Iniciando o estágio da agricultura, já cultivavam a mandioca (consideravam a não necessidade de seu armazenamento como uma fábula, a de poder guardar esta comida viva), o milho, a batata-doce, o cará, o feijão, o amendoim, o tabaco, a abóbora o guaraná, entre outros, e faziam deles alimentos e matérias primas para condimentos, estimulantes e venenos. Conheciam e interagiam com a natureza, vivendo com ela uma relação tida como edênica.
Chico Buarque lendo trechos do Livro O Povo Brasileiro. É um privilégio ouvi-lo.

O traço mais marcante de sua cultura era a preservação de sua identidade. Na convivência aprendiam a ser índios. Era uma força que brotava de seu interior. A alegria era uma de suas maiores marcas. Viviam fazendo festas, comemorando nascimento, plantio, colheitas e  mesmo rituais fúnebres. Eram implacáveis com os seus inimigos. Na guerra havia honra, uma ética e até uma estética. A morte era natural. A tribo os vingaria. Só não cabia em sua cultura, a desonra, a fuga e a mostra de fragilidades. Darcy narra o encontro com um índio que lhe nomeou mais de 1000 parentes, tal era o valor que davam aos grupos tribais e gostavam de lembrar e serem lembrados pelos feitos em sua vida. Não tinham como se vangloriar de posses, pois tudo era comum.

Tinham tudo, mas nada possuíam. Cultivavam roças próprias, mas a terra era de uso comum. Entre as grandes heranças nos deixaram os deslocamentos rápidos e a convivência com a floresta, o banho diário, a alimentação, mas acima de tudo a sua vida integrada com a natureza e o seu espírito de alegria e predisposição para a festa. Viviam se pintando, se enfeitando, cantando, dançando e brincando. havia ricos rituais para tudo.

Quando viram os colonos chegarem em seu paraíso, imaginaram que eram os deuses que com eles vieram conviver no paraíso. Mal pensaram eles que era uma outra cultura chegando e que faria deles, meros objetos para os seus ganhos em outros valores, os valores cifrados $$$ em pau brasil, cana de açúcar, ouro ou diamantes. Uma cultura que os transformaria em ninguém, palavra que Darcy usa bastante, para designar que  com a soma desses ninguéns é que foi se formando o povo brasileiro e a ele dando identidade. Além de Darcy, participam deste primeiro capítulo, Aziz Ab'Saber e Washington Novaes, que explanam sobre o tema e Chico Buarque de Holanda a fazer leituras. No meu entender, no entanto, a mais bela descrição que Darcy faz da população indígena está em suas Confissões, quando em seu capítulo 4, conta a sua convivência com os índios. Amanhã veremos a raiz lusitana, no segundo capítulo do vídeo.


34 comentários:

  1. Me ajudou muito! Obrigada!!

    ResponderExcluir
  2. muito obrigado Pedro Eloi Rech você me ajudou muito em um trabalho da escola...
    muito obrigado por existir!!
    ah tem falando sobre matriz afro, e matriz lusa??

    De sua fã: Yara Fernandes!!

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho postado sobre os dez capítulos do vídeo. O endereço do blog é www.blogdopedroeloi.com.br Mas se jogar no google, ele também localiza. Mas o interessante seria ler o livro do Darcy Ribeiro, O Povo Brasileiro - A formação e o sentido do Brasil, ou então ver o vídeo produzido pela Fundação Darcy Ribeiro. Eu o encontrei na livraria virtual da Folha de S.Paulo. Obrigado Yara. Bons estudos.

    ResponderExcluir
  4. Com certeza mim ajudou muito . Obrigado

    By: Stephanny

    ResponderExcluir
  5. Obrigado Stephanny. O povo brasileiro e as suas raízes culturais são maravilhosas.

    ResponderExcluir
  6. Me ajudou bastante, vou ter que fazer uma prova na faculdade sobre a matriz tupi e estava meio perdida, depois que li isso me achei bastante, muito obrigada pelas palavras, facilitaram muito a minha vida e prova rsrs. Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Boa prova para você, Jéssica. Fico na torcida para que pegues gosto em estudar este país maravilhoso e, uma forma de fazê-lo, é ler Darcy Ribeiro. O seu "O Povo Brasileiro - A formação e o sentido do Brasil, é no meu entender o grande livre para se começar qualquer estudo sobre o Brasil. Bons estudos.

    ResponderExcluir
  8. Sou argentina e estou fazendo um trabalho do seu povo. Estava perdida mas isto com certeza me ajudou muito. Obrigada

    ResponderExcluir
  9. Que bom que eu servi de orientação! Ler Darcy Ribeiro é algo maravilhoso. Eu também gosto muito dos argentinos, como Alberto Manguel, que teve o privilégio de fazer leituras para Borges, de Ricardo Piglia, do Ernesto Sabato, do Tomás Eloy Martínez, entre outros. Agradeço o seu comentário.

    ResponderExcluir
  10. Meus agradecimentos ao Universo das Girls. Vocês devem ser ótimas alunas.

    ResponderExcluir
  11. Me ajudou muito para poder realizar um trabalho em Geografia. É bom saber que ainda temos fontes tão seguras como essa... Parabéns pelo trabalho e pela ajuda que nos fornece Pedro Eloi! :)

    ResponderExcluir
  12. Agradeço o comentário elogioso. Quanto a fonte segura, os posts se baseiam na leitura de Darcy e no documentário produzido sobre a sua obra "O Povo Brasileiro". Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  13. Muito obrigado! Ajudou bastante!

    ResponderExcluir
  14. Muito obrigado pelo comentário. Mas é fundamental ler Darcy Ribeiro.

    ResponderExcluir
  15. maano vc me ajudo muito a fazer uma analise critica de geografia valeu mesmo

    ResponderExcluir
  16. Muito obrigado Josué. Vale muito a pena ler Darcy Ribeiro.

    ResponderExcluir
  17. muito obrigado mim ajudou muito

    ResponderExcluir
  18. Que bom que ajudou. É maravilhoso conhecer a obra de Darcy Ribeiro.

    ResponderExcluir
  19. fiz meu trabalho de geografia e tirei uma nota boa valeu pelas informações. ass: Shirley

    ResponderExcluir
  20. Valeu Shirley. Que bom que você tirou boa nota. Darcy Ribeiro sempre é uma boa referência. Agora procure ir além. Vá até a leitura do Darcy. É uma leitura maravilhosa. Meus agradecimentos pelo retorno.

    ResponderExcluir
  21. Muito bom!
    Me ajudou muito, estou fazendo um trabalho escolar sobre as diferentes matrizes que formaram/criaram o povo Brasileiro! Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  22. É isso Carlos Rogério. Muito obrigado pelo seu comentário. Que bom que ajudou e continue conhecendo este Brasil complexo mas maravilhoso.

    ResponderExcluir
  23. Li o grande livro, assisti aos documentarios e agora estou lendo aqui, com certeza me ajudou bastante no trabalho final de antropologia que estou fazendo para a faculdade. Abraços e obrigado pela sua abordagem contando o que acontece e dando suporte para alguma coisa que pode ter passado despercebido!!!

    ResponderExcluir
  24. Tenho o maior respeito do mundo pelos leitores de Darcy Ribeiro. Muito obrigado pelo seu generoso comentário.

    ResponderExcluir
  25. Boa noite. Muito obrigada por contribuir com este trabalho, me auxiliou bastante em um artigo que estou escrevendo. E já muitos anos que li o livro.

    ResponderExcluir
  26. Que bom que eu posso contribuir. Muito obrigado pelo seu elogioso comentário.

    ResponderExcluir
  27. Gostaria de saber o objetivo e as ideias centrais e os conceitos e uma conclusão tbm sobre o video?

    ResponderExcluir
  28. Creio que as conclusões devam ser particulares, individuais. Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  29. meu querido, o senhor poderia me informar, quais foram as fontes usadas para elaborar este documentário?

    ResponderExcluir
  30. Como diz no início do post, o vídeo "O Povo brasileiro". Idealização e direção de Isa Grinspum Ferraz. É uma realização da Fundação Darcy Ribeiro e baseado na obra homônima de Darcy Ribeiro "O Povo brasileiro". Vale muito a pena ver o vídeo. Satisfeito?

    ResponderExcluir
  31. Nossa, me ajudou bastante com um trabalho de Geografia, Muito obrigada!!

    By: Sabrina

    ResponderExcluir
  32. Oi Sabrina,que bom que te ajudou. Agradeço a gentileza do teu agradecimento.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Depois de moderado ele será liberado.